Criador do tablet se mostrou surpreso pelo desempenho das encomendas do tablet

Estudante indiana mostra tablet indiano que custa pouco mais de R$ 100
Getty Images
Estudante indiana mostra tablet indiano que custa pouco mais de R$ 100
Nova Délhi - A empresa indiana que fabrica o tablet eletrônico mais barato do mundo US$ 47 (R$ 85) recebeu 1,4 milhão de pedidos de reserva após apenas duas semanas de comercialização, informou nesta terça-feira o jornal "Economic Times".

O pai da iniciativa, Suneet Singh Tuli, se mostrou surpreso pelo êxito do tablet Aakash (céu, em sânscrito) e afirmou que serão abertas três fábricas a mais para poder suprir todos os pedidos que sua empresa, a Datawind, recebeu.

A companhia, que já esgotou as primeiras 300 mil unidades, tem atualmente apenas uma fábrica em Hyderabad (sul da Índia), mas prevê construir outra na mesma cidade e duas mais nas localidades de Noida (norte) e Cochín (sul).

"Nunca esperamos uma resposta assim dos compradores. Planejamos fornecer entre 70 e 75 mil unidades ao dia quando as novas fábricas começarem a funcionar em abril", disse Tuli do Panamá, onde está assessorando o Governo sobre tecnologias de baixo custo.

"Há duas semanas recebemos uma ligação da equipe de emergências informáticas da Índia por um suposto ataque cibernético. Tivemos que esclarecer que simplesmente tínhamos disponibilizado o tablet para venda através de nosso site", afirmou Singh Tuli.

O Aakash, que funciona com sistema operacional Android 2.2, conta com tela tátil de 7 polegadas e peso de 350 gramas. O aparelho pode ser usado como livro eletrônico e dispõe de wifi, processador de 366 Mhz, duas portas USB e 256 MB de memória RAM.

A Datawind planeja oferecer em meados deste mês uma nova versão do Aakash por 2.999 rúpias, US$ 56 (R$ 100), com o dobro de velocidade, processador de 700 Mhz e acesso à internet por conexão 2G.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.