Empresa fechou primeiro trimestre com prejuízo maior que o esperado

HELSINQUE - A Nokia demitiu seu diretor de vendas e prometeu mais cortes substanciais de custos, ao passo que o prazo de que a fabricante finlandesa dispõe para se reinventar, sob pressão de rivais no segmento de smartphones, está se esgotando.

Leia mais:
Lumia não é páreo para iPhone e Android, dizem operadoras da UE
Para diferenciar smartphones, Nokia investe em aplicativos locais

Nokia alertou que teria perdas no primeiro semestre do ano
Getty Images
Nokia alertou que teria perdas no primeiro semestre do ano
A companhia fechou o primeiro trimestre com prejuízo ligeiramente maior que o esperado, de 0,08 euro por ação, ante expectativa média de analistas de 0,07 euro, segundo a Thomson Reuters StarMine.

A Nokia havia alertado na semana passada que os negócios com celulares teriam perdas no primeiro semestre deste ano, depois que as vendas de aparelhos com o sistema Windows Phone não compensaram a queda na comercialização de modelos anteriores.

Analistas afirmam que o presidente-executivo Stephen Elop precisa melhorar as vendas dos novos celulares inteligentes Lumia até o final deste ano, antes que investidores comecem a questionar sua estratégia. Os novos modelos são a principal arma da Nokia contra as rivais Apple e Samsung Electronics.

"Precisa ocorrer uma reversão significativa no segundo semestre deste ano ou surgirão questões sérias sobre o futuro da Nokia e de sua atual equipe de gestão", afirmou Ben Wood, diretor de pesquisa da CCS Insight.

"Ao ritmo atual, a divisão móvel, de celulares inteligentes, está gerando tamanhos prejuízos e consumindo caixa tão rápido que é preciso que garanta uma reversão antes do final do ano", concordou Mikael Rautanen, analista da Inderes. "Eles precisam cortar custos agressivamente ou gerar novas vendas para crescer, mas no momento o cenário de ampliar vendas parece incerto".

Elop, que lançou o plano de recuperação da Nokia em fevereiro de 2011, disse que as vendas dos novos celulares Lumia, equipados com o sistema operacional Windows e nos quais a companhia está depositando suas esperança, vêm apresentando números irregulares.

"Superamos as expectativas em alguns mercados, como o dos Estados Unidos, mas ganhar ímpeto em outros mercados, como o do Reino Unido, foi um desafio maior", disse. "Estamos claramente decepcionados com o nosso desempenho no primeiro trimestre".

Também nesta quinta-feira, a Nokia anunciou que Colin Giles, diretor de vendas, deixará a empresa em junho, como parte de uma reestruturação da equipe para promover maiores vendas. Niklas Savander, diretor de mercados, assumirá a responsabilidade pelas vendas.

Para a analista da empresa de pesquisas Gartner, Carolina Milanesi, o cargo de Elop está seguro, por enquanto.

"É cedo demais para falar em novo presidente. Eu diria que Elop tem até fevereiro de 2013 -quando a mudança de rumo da empresa completará dois anos- para provar que sua estratégia era a correta. Isso permitirá que ele aproveite as vantagens de uma nova versão do Windows Phone e a temporada de festas de fim de ano".

(Por Tarmo Virki)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.