Smartphones e Facebook ajudam música online a amadurecer

Reuters

Por Paul Sandle

Os serviços de música digital que estão lutando para criar um negócio sério com base na venda de canções online precisam recorrer à mídia social, aos celulares inteligentes (smartphones) e aos mercados emergentes, disseram executivos de duas das empresas mais bem sucedidas desse segmento durante a Reuters Media and Technology Summit.

A despeito de numerosas tentativas e da popularidade continuada da música entre os consumidores, poucas empresas iniciantes conseguiram lançar serviços de sucesso, em meio a dificuldades para obter apoio das gravadoras e concorrer com o poderio da iTunes, da Apple.

Mas passados 10 anos, empresas como a Shazam, que identifica canções, e a Rhapsody, Spotify e Pandora conquistaram espaço no mercado ao distribuir música para maior número de consumidores em todo o mundo e ajudar a ampliar a receita das gravadoras, que antes as encaravam com desconfiança.

As operadoras de telecomunicações, que têm a capacidade de embutir o custo de um serviço de música em sua assinatura mensal, e as redes sociais, que podem ajudar a divulgar músicas entre milhões de pessoas, ocupam posições chave. E explorar os mercados emergentes também pode ser útil.

'Creio que para os consumidores mais jovens de música, ser dono de uma faixa não importa mais; o que interessa é o acesso a 16 milhões ou 20 milhões de faixas', disse Will Mills, diretor de música e conteúdo da Shazam. 'E há a intermediação social, para tentar descobrir o que uma pessoa deseja ouvir'.

'Se você conseguir criar um processo que elimine a fricção e tenha o preço certo, as pessoas comprarão música de você', disse.

O setor de música costumava ser criticado pelo foco no combate à pirataria e pela falta de novos serviços online que ajudassem a atrair consumidores.

A iTunes veio a dominar o mercado, mas os consumidores muitas vezes preferem comprar faixas simples a álbuns.

Em resposta, o setor está expandindo seus horizontes, com mais participantes e um esforço de promoção de serviços por assinatura, nos quais os fãs pagam quantia fixa mensal pelo acesso a milhões de canções. Embutir esse custo em uma conta mensal de telefonia móvel também pode gerar mais fidelidade à operadora.

A Deezer, uma companhia francesa de música em formato stream, está crescendo em todo o mundo usando uma parceria com o Facebook e acordos com operadoras de telecomunicações a fim de encorajar as pessoas a descobrirem músicas por meio de suas redes de amigos, e ouvi-las em seus computadores e aparelhos móveis.

Axel Dauchez, o presidente-executivo da Deezer, disse que uma questão importante era a necessidade de ensinar as pessoas que é possível ouvir muita música em seus celulares sem incorrer em pesadas despesas de tráfego de dados. 'Quando você chega a esse ponto, ninguém mais precisa ter uma canção gravada em sua máquina', disse.

A Deezer oferece um serviço gratuito limitado na França, seu maior mercado, mas fora do país seus serviços de música, direcionados a usuários de smartphones, em geral requerem pagamento mensal.

Dauchez disse que a atitude das gravadoras mudou depois que elas compreenderam que os serviços de música em formato stream eram nova fonte de renda. 'Ficou muito mais fácil (lidar com as gravadoras)', afirmou.

O formato stream tem imenso potencial. Ele disse que em 2000, o domicílio médio francês comprava dois CDs por ano, enquanto um assinante do serviço da Deezer paga 10 euros por mês.

O analista independente de música Mark Mulligan disse que as grandes gravadoras viam positivamente os serviços por assinatura, mas que seu entusiasmo não era compartilhado pelos selos menores e por alguns músicos, que não têm visto grandes retornos.

'Em termos de retorno, de 130 a 140 streams equivalem a um download', disse. Para uma gravadora, a situação parece melhor porque eles lidam com totais agregados, mas se você é músico e consegue apenas um download a cada 20 execuções, enfrentará uma perda forte de renda".

Ele mencionou o argumento contrário, de que o número de pessoas que vêm fazendo downloads é pequeno, e por isso os serviços em formato stream podem servir para envolver mais pessoas no consumo de música.

'A teoria é de que as coisas se corrigirão ao longo dos anos, à medida que mais pessoas aderem ao paradigma do consumo, porque o jogo acima de tudo envolve escala', disse.

O setor também despertou para o potencial de serviços como o Shazam, um aplicativo para smartphones que reconhece e identifica canções e atraiu mais de 200 milhões usuários, com sete milhões de canções identificadas ao dia. Os usuários podem acessar os sites parceiros do Shazam para comprar a faixa.

'Oito por cento das pesquisas resultam em compra, em geral junto aos grandes serviços do setor', disse Mills. “Isso resulta movimenta mais de 100 milhões de dólares ao ano".

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.