Em entrevista ao jornal britânico The Telegraph, CEO da Research in Motion admite olhar outras opções para trazer lucro com nova plataforma

A Research in Motion (RIM), fabricante dos smartphones BlackBerry e do tablet Playbook, estuda licenciar a nova versão de seu sistema operacional, o BlackBerryOS 10, para outros fabricantes. Em entrevista ao jornal britânico The Telegraph , Thorsten Heins, cogitou a possibilidade. Caso isso aconteça, fabricantes de aparelhos poderiam usar o sistema do BlackBerry em seus celulares. O sistema deixaria de ser exclusivo da RIM, como é hoje. 

Heins e o novo BlackBerry: teclado físico será mantido
Getty Images
Heins e o novo BlackBerry: teclado físico será mantido

"Nós não temos a economia de escala para competir contra esses caras que lançam 60 modelos diferentes de celulares todo ano. Nós temos que nos diferenciar e ter uma plataforma focada. Para entregar o BB 10, nós talvez precisemos licenciar a plataforma para alguém que possa fazer isso com uma proposta de preço do que nós conseguimos. Estamos investigando diferentes opções para fazer isso", disse Heins, ao jornal.

A RIM atualmente trabalha com consultores financeiros para verificar o futuro financeiro da RIM, caso a empresa opte por licenciar sua plataforma de software. "Não vamos abandonar nossa base de assinantes", garantiu Heins, durante a entrevista.

Crise

Apesar do atraso no lançamento dos primeiros aparelhos BlackBerry com a nova versão do sistema operacional, o BB 10 se manteve, até o momento, como a principal esperança da RIM para sair da crise . Em 2011, a empresa perdeu 10% de sua participação de mercado nos Estados Unidos e vendeu menos tablets do que esperava.

A empresa enfrenta queda nas vendas de seus smartphones desde a entrada do iPhone e dos aparelhos com Android no mercado, já que demorou para atualizar o sistema operacional com recursos mais avançados, como telas sensíveis ao toque e aplicativos. Apesar dos investimentos , a empresa ainda sofre para atrair desenvolvedores, o que leva a falta de aplicativos em sua loja própria e ao consequente desinteresse dos consumidores.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.