Kim Dotcom contou detalhes da megaoperação do FBI e polícia local, em janeiro, que resultou em sua prisão e início do processo para extradição para os EUA

Reuters

WELLINGTON - Kim Dotcom, o fundador do site de compartilhamento de arquivos online Megaupload, envolvido em investigações norte-americanas sobre pirataria e fraude, disse na terça-feira (7) que a polícia da Nova Zelândia o havia chutado e socado durante uma incursão em sua mansão.

LEIA TAMBÉM:
Após declaração favorável a Dotcom, juiz abandona caso Megaupload
Conheça Kim Dotcom, o milionário por trás do Megaupload

DotCom, ao ser solto na Nova Zelândia
Getty Images
DotCom, ao ser solto na Nova Zelândia

Dotcom, um cidadão alemão que está lutando contra uma extradição da Nova Zelândia para os Estados Unidos, disse que ficou aterrorizado durante a batida policial em janeiro por policiais armados, usando helicópteros. Ele disse que quando ouviu a gritaria e os barulhos foi para um quarto seguro, onde a polícia encontrou-o.

"E aí eles estavam todos em cima de mim. Eu levei um soco na cara, botas me derrubando no chão com chutes", disse Dotcom na corte. "Eu estava gritando e com dor...Eu disse para eles que não havia necessidade de me bater ou machucar e para que, por favor, parassem."

Agindo a pedido do FBI, autoridades da Nova Zelândia vasculharam a propriedade alugada de Dotcom perto de Auckland e confiscaram computadores e discos rígidos, obras de arte e carros de luxo.

Entretanto, a incursão e apreensão de evidência foi desde então considerada ilegal e a audiência da corte irá determinar o que deve acontecer com o material apreendido nesta semana.

O FBI diz que Dotcom liderava um grupo que lucrou 175 milhões de dólares desde 2005 por copiar e distribuir músicas, filmes e outros conteúdos protegidos por direitos autorais sem autorização. Advogados do extravagante empresário dizem que a empresa apenas oferecia armazenamento online.

Dotcom e outras três pessoas foram presas na incursão. Ele foi mantido sob custódia por um mês antes de ter a fiança concedida. A audiência está marcada para durar até quinta-feira.

Uma corte da Nova Zelândia deve ouvir o pedido das autoridades dos EUA para extraditar Dotcom por acusações de pirataria na Internet, lavagem de dinheiro e infração de direitos autorais em março.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.