Publicidade
Publicidade - Super banner
enhanced by Google

Twitter reforça controle sobre aplicativos com novas restrições

Medida deve atrair novos usuários para os aplicativos do próprio serviço de microblog, sinalizando o fim gradual de aplicativos de terceiros

Reuters |

Reuters

SÃO FRANCISCO - Em uma medida para regular como os usuários acessam seu serviço de microblogs, o Twitter anunciou novas restrições que desencorajam fortemente produtores de software independentes de criar aplicativos para a plataforma.

Getty Images
Twitter terá restrições para desenvolvimento de aplicativos baseados na plataforma

A decisão não deve afetar imediatamente como os atuais usuários do Twitter acessam o serviço, mas as novas regras vão provavelmente atrair novos usuários para os aplicativos do próprio serviço de microblogs, sinalizando um fim gradual para populares programas de terceiros, como o Tweetbot.

O Twitter, que está buscando ampliar o controle sobre sua plataforma enquanto tenta se transformar em uma empresa de mídia digital sustentada por receitas publicitárias, tem dividido círculos do setor de tecnologia sobre sua estratégia.

Não mais apenas um serviço para mensagens de 140 caracteres, o Twitter acredita que pode fornecer mais conteúdo interativo se a maioria de seus usuários utilizarem programas sancionados pela empresa para acessarem o serviço. Mas isso tem criado críticas de produtores de software e dos usuários, muitos dos quais preferem aplicativos independentes como Hootsuite, Uber e Tweetbot.

Sob as novas regras, produtores independentes de software que criarem novos aplicativos para o Twitter terão permissão para terem um máximo de 100 mil usuários. Os atuais aplicativos com mais de 100 mil usuários poderão dobrar a base antes que o serviço imponha um limite rígido.

As novas regras, publicadas na quinta-feira, atraíram uma forte onda de críticas de usuários e desenvolvedores de software. Mas não chegam a ser uma surpresa. No mês passado, o Twitter sinalizou intenções de controlar mais sua plataforma quando encerrou acordo de licenciamento que permitia a exibição de tuítes no site da rede social LinkedIn.

Leia tudo sobre: TWITTERaplicativos

Notícias Relacionadas


    Mais destaques

    Destaques da home iG