De acordo com rede social, menos de 1% dos "likes" serão afetados, mas nova medida pode ajudar a reduzir distribuição de aplicativos maliciosos entre usuários

O Facebook anunciou nesta segunda-feira (3) que criou um sistema para eliminar os cliques no botão "Curtir" de páginas obtidos por meio de golpes virtuais. Cibercriminosos utilizam programas maliciosos, distribuídos por meio de mensagens como "Mude a cor do seu perfil" e "Veja quem acessou o seu perfil", para tomar o controle do perfil dos usuários. Depois, os perfis são usados para "curtir" páginas de empresas que pagam para aumentar sua popularidade na rede social.

LEIA TAMBÉM:
Golpes no Facebook fazem parte de esquema para venda de "likes"
Empresas vendem cliques na rede social Google+
Conheça os golpes mais populares no Facebook e no Twitter

"Aumentamos nossos esforços automatizados para remover 'likes' em páginas que tenham sido ganhos por meio de estratégias que violam os termos de uso do Facebook", diz a equipe de segurança, no blog oficial. Segundo o Facebook, a nova medida terá impacto em menos de 1% dos "likes" registrados em páginas da rede social.

O Facebook afirma que pretende remover cliques no botão "Curtir" ganhos por meio de malware, isto é, programas maliciosos, contas invadidas, usuários enganados ou volumes de cliques comprados - como o esquema de venda de pacotes de "likes" no Brasil a partir de R$ 50, revelado pela empresa de segurança Kaspersky ao iG em março de 2012. Os cliques serão removidos automaticamente pelo Facebook, após a identificação do problema por meio do sistema de segurança.

Além da nova tecnologia para detectar fraudes, o Facebook pede a ajuda dos usuários para denunciar, caso a conta na rede social tenha sido comprometida por meio de um golpe virtual para venda de "likes" ou para distribuição de malware. A empresa criou uma página oficial para informar a invasão de uma conta.

Veja abaixo os golpes virtuais mais populares no Facebook e no Twitter, de acordo com a empresa de segurança Symantec:

    Leia tudo sobre: facebook
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.