Empresa tem planos de inaugurar escritório em breve

Agência Estado

Por Filipe Serrano e Diogo Antonio Rodriguez

O Twitter anda em baixa no Brasil. A rede social estagnou e perdeu audiência no País exatamente no momento em que ele fortalece sua expansão internacional com planos, inclusive, de abrir um escritório em São Paulo.

Dick Costolo, CEO do Twitter: empresa passa por momento ruim no Brasil
Getty Images
Dick Costolo, CEO do Twitter: empresa passa por momento ruim no Brasil

Dados divulgados pela consultoria ComScore na semana passada mostram que o Twitter perdeu 24% da audiência no Brasil em 12 meses.

Isto significa que a rede - que foi sucesso no Brasil antes do Facebook se popularizar - hoje tem 3,7 milhões de acessos a menos. Em julho de 2011, a audiência total do site foi de 12,9 milhões de acessos únicos. Um ano depois, o número ficou em 9,7 milhões.

O Brasil é um pioneiro em redes sociais. O Twitter, criado em 2006, demorou mais tempo para se popularizar, mas com adoção de empresas de comunicação, políticos e famosos, ele pegou e continua a ter influência. Depois do Orkut, o Facebook se tornou a maior rede social do País no ano passado.

Fator Facebook

Foi o momento em que o Twitter começou a cair. "O Twitter não está perdendo importância e nem está havendo diminuição no uso de redes sociais. O que está ocorrendo é uma reacomodação em consequência da expansão do Facebook no Brasil", diz José Calazans, analista do Ibope Nielsen Online. "Até o ano passado, o Twitter tinha um grande volume de mensagens que eram brincadeiras, memes e outras postagens com o objetivo de gerar reconhecimento entre os amigos. Com o crescimento do Facebook, essas brincadeiras começaram a deixar o Twitter."

Segundo Calazans, não há indícios de que a queda na audiência ocorra em outros países, o que reforça a tese de reacomodação. Em comparação com os EUA, fica clara a diferença. Lá, houve um crescimento de 22%, passando de 32,7 milhões de acessos em 2011 para 40,2 milhões em 2012, também de acordo com a ComScore.

E na terra natal do Twitter as previsões são otimistas. A empresa de pesquisa eMarketer estima que a quantidade de usuários ativos chegará a 28 milhões em 2013; em 2010 eram 16 milhões. E a taxa de uso diário também cresce: 8% dos usuários de internet no país estão no Twitter. Há um ano, eram 4%.

Uma pesquisa da consultoria Semiocast coloca o Brasil como segundo país com maior número de contas no Twitter. Elas somavam 40 milhões em julho (de um total de 517 milhões analisadas), mas a participação não é alta. Desses usuários, 40% têm apenas de um a cinco seguidores, o que mostra que os brasileiros não estão falando para audiências muito amplas, se é que estão falando coisa alguma - muitas contas estão abandonadas.

Os dados têm mostrado que o Twitter está perdendo espaço com o avanço de rivais como o Facebook e outras redes de foco mais específico, como Pinterest e Tumblr. A questão é saber se ele terá o mesmo destino do Orkut, que deixou de ser a ferramenta social preferida.

Falta de vínculo emocional prejudica Twitter

Procurado pela reportagem, o Twitter não respondeu aos pedidos de entrevistas. Mas outros especialistas concordam com a tese da migração. "A principal explicação para essa queda é o crescimento do Facebook", diz Rafael Venturelli, coordenador de inteligência e performance da agência Remix, especializada em internet e redes sociais. Para ele, os brasileiros são levados ao site de Mark Zuckerberg pelo fato de ser uma rede com características pessoais: a possibilidade de ser amigo, montar álbuns, bater papo. "As pessoas se sentem mais a vontade em criar o seu cantinho e viver em comunidade com seus iguais", afirma.

Bia Granja, curadora do festival de cultura digital YouPix, concorda. "Acho que a queda se deve ao fato de o Twitter não ser uma rede focada em relacionamento", diz. Perceber as reações dos seguidores é difícil. A única certeza de que alguém leu algo que o usuário publicou é um retweet ou um comentário. Um "curtir" no Facebook é mais fácil.

Para Venturelli, outra barreira para os brasileiros é a frieza do microblog: "O Twitter é uma zona. É uma rede mais impessoal e veloz. Lá você não precisa pedir autorização, pode falar com qualquer um, a qualquer momento, e tudo é muito rápido". O Brasil, porém, ainda é muito ativo. O projeto A World of Tweets, que calcula a origem das mensagens enviadas no site, atesta isso. O Brasil é o segundo país que mais twittou desde o início da medição, em 2010. Temos 23% dos tweets mundiais, e os EUA, 27%. O adversário mais próximo é a Indonésia, com 11%. "Os acessos podem ter caído, mas a produção continua em alta", diz Bia Granja.

Desembarque no Brasil

O Twitter está longe de agir como uma empresa prestes a "subir no telhado". Em agosto, anunciou que vai melhorar a ferramenta para anunciantes. Será mais fácil direcionar tweets promovidos a um público específico.

O eMarketer estima que o faturamento passe dos atuais US$ 260 milhões anuais para US$ 540 milhões em 2014. O Brasil está nos planos. Há seis vagas de emprego abertas para o futuro escritório que o Twitter deve inaugurar no Brasil, de olho na Copa do Mundo de 2014 e na Olimpíada de 2016. E se os números podem decepcionar, eles também alimentam as esperanças do Twitter.

Na onda da transição da web para o celular, o passarinho vai junto. Em um universo em que um quarto dos 4 bilhões de celulares do mundo são smartphones, o potencial de crescimento ainda é alto. Metade dos usuários acessa a rede pelo telefone. Nos EUA, 9% de todas as pessoas que têm celulares usam o Twitter, segundo o instituto Pew Internet Research.

Talvez os tweets nunca fiquem tão populares como as possibilidades que o Facebook oferece aos brasileiros. Mas sua vocação de rede de rápida disseminação de informações parece ter seu lugar. "Basta a novela entrar no ar, alguma notícia bombástica acontecer, que todos vão lá contribuir com seus 140 caracteres de opinião", diz Rafael Venturelli.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.