Uso de marcas de pontuação para representar expressões faciais foi sugerido pela primeira vez por acadêmico em 19 de setembro de 1982

BBC

Popularizados nos anos 1990, junto com a proliferação do acesso à internet, os emoticons completam 30 anos neste 19 de setembro.

O uso de marcas de pontuação para representar emoções foi sugerido pela primeira vez em 1982 em uma mensagem do professor de ciências da computação Scott Fahlman, da Universidade Carnegie Mellon, em Pittsburgh, nos Estados Unidos.

Emoticons foram criados há 30 anos
Reprodução
Emoticons foram criados há 30 anos

"Eu proponho a seguinte sequência de caracteres para marcar piadas: :-)", escreveu Fahlman em um fórum de discussão acadêmica. "Veja-os de lado", explicou.

A intenção dele era diferenciar as mensagens irônicas no fórum das realmente dedicadas a assuntos sérios de discussão acadêmica.

Na mesma mensagem, ele já propunha a primeira variação do emoticon original: "Na verdade, seria provavelmente mais econômico marcar o que NÃO é piada, considerando as tendências atuais. Para isso, use :-(", escreveu.

O uso dos sinais logo foi adotado também em outras universidades e acabou saindo do gueto acadêmico e se multiplicando, principalmente nos anos 1990, com a proliferação do acesso à internet e a popularização dos e-mails.

Em uma recente entrevista ao jornal britânico The Independent, Fahlman, que ainda leciona na mesma universidade, afirmou que não esperava o sucesso de sua invenção.

"Foi um pouco de bobagem que eu introduzi em uma discussão sobre física", disse. "Tomou dez minutos da minha vida. Esperava que meu comentário divertisse alguns dos meus amigos e que morresse ali", comentou.

O professor é um crítico da versão moderna dos emoticons, na forma das carinhas amarelas usadas principalmente em serviços de mensagens automáticas.

"Acho que elas são feias e arruínam o desafio de tentar criar uma maneira interessante de expressar emoções usando caracteres padrão do teclado. Mas talvez seja só porque eu que inventei o outro tipo", disse ele na entrevista.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.