Em entrevista exclusiva ao iG, diretor global de celulares da Nokia fala sobre transformação da linha Asha para ajudar empresa a recuperar mercado, enquanto linha Lumia não decola

Em outubro de 2011, o mercado de tecnologia acompanhava tão de perto o anúncio dos primeiros smartphones da Nokia com Windows Phone, o Lumia 800 e o Lumia 710 , que a segunda parte da estratégia da empresa foi ofuscada. Além da parceria com a Microsoft, a Nokia lançou uma linha de celulares baratos, com acesso à internet e aplicativos, para vender em mercados emergentes, como o Brasil.

LEIA TAMBÉM:
Nokia lança primeiros aparelhos com Windows Phone após parceria com a Microsoft
Nokia anuncia aplicativo de mapas para iPhone e iPad

Apenas um ano após o lançamento do primeiro produto, em outubro de 2012, a linha Asha se tornou o principal motor de crescimento da Nokia, enquanto as vendas de smartphones com Windows Phone ainda não decolaram. “O segmento de smartphones de entrada é o que mais cresce atualmente”, disse Seppo Aaltonen, chefe da estratégia global de celulares da Nokia, em entrevista exclusiva ao iG . O mercado para estes aparelhos, segundo o executivo, deve chegar a um faturamento global de mais de 28 bilhões de euros (cerca de R$ 76 bilhões) em 2015.

Confira alguns celulares e smartphones da Nokia à venda no Brasil:

No terceiro trimestre de 2012, a Nokia vendeu 77 milhões de celulares em todo o mundo, 4% a mais que no mesmo período do ano passado. O aumento nas vendas, apesar de modesto, é superior ao alcançado pela empresa nos dois trimestres anteriores: no segundo trimestre, as vendas de celulares da Nokia foram 2% superiores ao mesmo período de 2011; no primeiro trimestre, a empresa vendeu 16% menos celulares, se comparado aos três primeiros meses de 2011.

Segundo o balanço financeiro da Nokia, as vendas de celulares no terceiro trimestre aumentaram por conta das fortes vendas de aparelhos Asha com tela sensível ao toque. A empresa vendeu 6,5 milhões de unidades de Ashas Touch, resultado superior às vendas de smartphones, que englobam modelos com Windows Phone, Symbian e MeeGo. No período, foram vendidos 6,3 milhões de smartphones – 63% menos que no terceiro trimestre de 2011.

“O Asha Touch 305 está entre os mais vendidos em vários países, como China, Egito e Índia”, diz Aaltonen. O aparelho, lançado no Brasil em agosto, roda o sistema operacional proprietário S40 (que não é baseado no Symbian), tem tela de 3 polegadas sensível ao toque e suporta dois chips. O produto possui cliente nativo para até 10 contas de e-mail, vem com aplicativos do Facebook e Twitter e custa R$ 300.

Atualmente, a linha de celulares Asha Touch inclui quatro modelos (305, 308 e 311) no Brasil. Em setembro de 2012, os aparelhos foram classificados como smartphones por grandes consultorias de mercado, como IDC, Gartner e GfK. Além dos modelos com tela sensível ao toque, a Nokia já lançou outros nove celulares Asha em todo o mundo. No total, sete modelos estão à venda no Brasil.

Em busca de inovação

Segundo Aaltonen, os bons resultados da Nokia com a linha Asha estão relacionados a novos recursos que a empresa desenvolveu, com foco no público que procura smartphones de entrada. “Uma das coisas que aprendi neste último ano é que não é só o hardware que define um smartphone, mas o software também”, diz o executivo da Nokia.

Uma das novidades é a nova versão do navegador do S40, que comprime páginas de web durante a navegação. Segundo a empresa, a tecnologia permite que os usuários usem até 90% menos dados ao navegar na web – uma preocupação de grande parte das pessoas que acessam a internet por meio de dispositivos móveis.

Nokia Nearby, aplicativo que mostra pontos de interesse próximos ao usuário sem GPS
Reprodução
Nokia Nearby, aplicativo que mostra pontos de interesse próximos ao usuário sem GPS

“Estamos também olhando para melhorias na bateria dos aparelhos e adicionando recursos baseados em geolocalização”, diz Aaltonen. Um dos exemplos é Nokia Nearby, aplicativo que localiza pontos de interesse próximos do local onde ele está.

“O aparelho não tem GPS, mas consegue localizar o usuário por meio da triangulação das antenas da operadora”, diz Fernanda Camargo, gerente de produto da Nokia no Brasil.

Os usuários de aparelhos da linha Asha podem baixar aplicativos a partir da Nokia Store, loja online da Nokia. Atualmente, cerca de 40 mil aplicativos estão disponíveis para download. Só no Brasil, o número de downloads de aplicativos para S40 passou de 83 milhões em 2011 para 100 milhões ao longo de 2012. “Quatro desenvolvedores já superaram a marca de 100 milhões de downloads de seus aplicativos na Nokia Store”, diz o executivo.

Android e Lumia entre rivais

No mesmo período em que lançou mais de 10 modelos da linha Asha, a Nokia lançou um modelo de smartphone com Symbian e seis modelos de smartphones com Windows Phone, incluindo o Lumia 820 e Lumia 920 , primeiros produtos da marca com Windows Phone 8. Os dois aparelhos chegaram às lojas dos EUA no início de novembro e devem chegar ao Brasil no primeiro trimestre de 2013.

O lançamento dos novos smartphones derrubou o preço dos modelos antigos da linha Lumia. No Brasil, por exemplo, o Lumia 800 custa atualmente R$ 899, preço 47% menor que no lançamento, em março de 2012. Com tamanha queda de preço, os Ashas Touch poderiam se tornar rivais da linha Lumia? Aaltonen diz que não.

“A linha Asha e a linha Lumia representam oportunidades complementares. Apesar da queda de preço dos modelos da linha Lumia, os Ashas ainda têm preço bem mais baixo”, diz o executivo. No Brasil, uma diferença de R$ 200 separa as duas linhas: o Asha Touch mais caro é o 311, com preço de R$ 399, enquanto o Lumia 710 , o mais barato da linha, custa R$ 699.

Além da potencial concorrência com os Lumias, a linha Asha também enfrenta os smartphones de entrada com o sistema operacional Android, do Google. Modelos com o Galaxy Y , da Samsung, e o Optimus L3 , da LG, são vendidos com preço na faixa de R$ 400 e oferecem acesso ao Google Play, loja de aplicativos com mais de 600 mil opções disponíveis.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.