John McAfee tenta obter autorização para entrar nos Estados Unidos e evitar voltar à Belize, onde é acusado de homicídio

AFP

CIDADE DA GUATEMALA - O americano John McAfee, pioneiro dos antivírus para computadores, afirmou no domingo (9) que iniciou os trâmites para obter o status de migrante na Guatemala para evitar ser extraditado a Belize, que o requer pela investigação de um homicídio, com a esperança de ser enviado aos Estados Unidos.

Preso na Guatemala, McAfee pode ser mandado de volta para Belize
Reuters
Preso na Guatemala, McAfee pode ser mandado de volta para Belize

Retornar aos Estados Unidos "é meu único desejo agora", reconheceu o milionário durante uma coletiva de imprensa digital na Guatemala, onde está detido. "O que estamos fazendo é apresentar uma série de papéis, uma série de documentos perante a corte para tentar ficar aqui o suficiente para que o mundo veja a injustiça de voltar a me mandar a Belize", explicou.

"Nunca tive um plano de longo prazo. Simplesmente quero viver confortavelmente, dia a dia, pescar, nadar, desfrutar de minha velhice", contou.

"Seria muito feliz indo aos Estados Unidos. Os Estados Unidos são minha casa. É onde cresci, é exatamente o que quero", acrescentou McAfee.

Seu advogado, Telésforo Guerra, apresentou na manhã de domingo uma petição para que McAfee conquiste o status de migrante, evitando assim sua extradição a Belize, onde a justiça deste país deseja interrogá-lo pela morte de seu vizinho.

Obter o status de migrante permitiria a McAfee iniciar ações legais para evitar sua expulsão, o que não pode fazer atualmente por ter entrado na Guatemala de maneira ilegal.

No entanto, como o governo guatemalteco já decidiu que não dará asilo ao americano, a única vantagem que este status pode representar para McAfee é ganhar tempo antes de ser extraditado ao seu país de residência.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.