Além de migração da audiência das ferramentas de busca para dispositivos móveis, mais internautas adotam busca de sites de comércio eletrônico ou de redes sociais

O número de buscas feitas pelos americanos por meio da ferramenta do Google a partir de desktops caiu 2% no último ano, de acordo com novo estudo divulgado nesta sexta-feira (15) pela comScore. De acordo com a consultoria, que considera apenas as buscas realizadas nos Estados Unidos, o número de buscas realizadas por usuário também caiu. A audiência dos sites de busca, por outro lado, aumentou 4%.

LEIA TAMBÉM:
Nova busca do Facebook compreende o ser humano
Google remodela busca móvel para concorrer com Siri

Busca do Google perde espaço para buscas especializadas nos EUA
Reprodução
Busca do Google perde espaço para buscas especializadas nos EUA

Isso não quer dizer que o mercado de buscas está desaquecido, segundo a comScore, mas indica uma mudança no comportamento dos internautas. Um dos motivos para a queda nas buscas por meio da web a partir de computadores é o uso crescente de smartphones e tablets para fazer buscas. Isso significa que as ferramentas de busca mais populares, como o Google, recebem uma audiência crescente a partir destes aparelhos.

Outro motivo, segundo a comScore, é o uso de ferramentas de busca cada vez mais especializadas: se o internauta quer buscar um produto, ele prefere uma busca especializada em comércio eletrônico ou mesmo a busca do site da loja; se quer encontrar uma pessoa, utiliza a busca de uma rede social, como Facebook ou Twitter. De acordo com a comScore, enquanto a audiência das ferramentas de busca tradicionais caiu 2%, a audiência das buscas especializadas cresceu 8% no último ano nos EUA.

Segundo a comScore, o mercado de buscas na web a partir de computadores deve passar por mudanças em 2013, conforme as redes sociais se tornarem mais integradas a eles. Neste cenário, é possível ver o Google tentando integrar cada vez mais informações da rede social para qualificar os resultados de busca. O Bing , principal concorrente do Google no mercado de buscas, também passou a associar informações do Facebook aos seus resultados de busca.

Outra iniciativa que deve acelerar a concorrência neste mercado é a nova busca do Facebook , que permitirá que os internautas cadastrados na rede social pesquisem informações detalhadas sobre pessoas. O recurso está disponível apenas nos EUA desde 15 de janeiro.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.