Mesmo com grande esforço para desenvolver uma nova geração de processadores, empresa está atrasada pelo menos um ano em relação a concorrentes como NVidia e Qualcomm

K900 é primeiro celular com chip Clover Trail+, da Intel
Claudia Tozetto/iG
K900 é primeiro celular com chip Clover Trail+, da Intel

Os celulares estão por todos os lados no estande da Intel no Mobile World Congress (MWC) 2013 , maior congresso de mobilidade do mundo que acontece até a próxima quinta-feira (28), em Barcelona (Espanha). A empresa apresenta no evento sua próxima geração de chips para smartphones e tablets, com destaque para processador de dois núcleos Clover Trail+, que chegará ao mercado no mais recente smartphone anunciado pela Lenovo, o K900.

O novo chip, contudo, chega com atraso de pelo menos um ano em relação aos concorrentes: no ano passado, quando a Intel anunciou seu primeiro chip com apenas um núcleo para este mercado, concorrentes como Qualcomm e NVídia já apresentavam, em conjunto com os fabricantes, os primeiros aparelhos com chips de quatro núcleos, mais poderosos e com menor consumo de energia.

Segundo Gordon Sylin, representante do marketing da Intel, o atraso não faz diferença. “Estamos nos saindo muito bem nos testes de nossos parceiros. Nosso novo chip tem apresentado desempenho igual a alguns chips de quatro núcleos dos concorrentes, em alguns casos até melhor”, disse Sylin, ao iG . No K900, da Lenovo, único aparelho comercial com o novo chip exposto no estande da empresa, o smartphone é rápido ao trocar as telas da interface do Android, ao navegar na web ou exibir vídeos e games.

De acordo com a Intel, o Clover Trail+ oferece o dobro de capacidade de processamento que a geração anterior, conhecida como Medfield, e o triplo do processamento gráfico. A empresa afirma que o gasto de energia, contudo, é similar ao da geração anterior de chips. Este último aspecto é um dos entraves tecnológicos que a empresa enfrenta, já que os processadores baseados na arquitetura ARM, fabricados por Qualcomm NVidia e outras empresas, são mais eficientes em relação ao consumo de energia.

Outro fator que atrapalha a Intel é a falta de suporte de seus chips a redes de telefonia celular de quarta geração (4G/LTE). Segundo analistas, os fabricantes acabam por escolher chips com suporte integrado às novas redes, como o Snapdragon, da Qualcomm, pois eles saem mais baratos do que comprar dois chips separadamente (um processador central e um chip para a rede 4G). Segundo a Intel, um novo processador para atender esta demanda dos fabricantes  será anunciado nos próximos meses.

Veja smartphones que são atração no MWC 2013

*A jornalista viajou a Barcelona a convite da Samsung

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.