Endereços de e-mail e números de telefone estão entre os principais dados procurados por cibercriminosos e ameaças atingem, em especial, usuários do sistema Android

O número de ameaças virtuais criados para atingir celulares e tablets cresceu 58% ao longo de 2012, de acordo com novo relatório da Symantec, fabricante do antivírus Norton. Do total, 32% das amostras analisadas pela empresa tentavam roubar dados pessoais dos usuários, como endereços de e-mail, números de telefones de contatos e até mesmo a geolocalização do usuário, registrada por meio do GPS do aparelho.

LEIA TAMBÉM:
Confira os ataques mais populares no Facebook e no Twitter
Como proteger fotos íntimas no computador e no smartphone

O crescimento das ameaças para dispositivos móveis é impulsionado pela adoção do Android, que, no final de 2012, estava em 72% dos smartphones vendidos em todo o mundo, segundo a consultoria Gartner, enquanto o iPhone, da Apple, detinha 14% do total. "O Android é o principal alvo por ter maior participação de mercado e também por oferecer um ambiente mais aberto aos desenvolvedores", diz André Carrareto, estrategista em segurança da Symantec no Brasil.

Gráfico da Symantec mostra crescimento de famílias (amarelo) e de variantes (cinza) de malware desenvolvidas para Android em 2012
Divulgação
Gráfico da Symantec mostra crescimento de famílias (amarelo) e de variantes (cinza) de malware desenvolvidas para Android em 2012

O estudo mostra que as ameaças para Android representaram 97% de todas as registradas pela Symantec em 2012. No caso do iOS, da Apple, apenas uma única ameaça foi encontrada no período analisado. "O iOS teve mais vulnerabilidades que o Android documentadas, mas oferece um ambiente mais controlado, que é menos propício para a disseminação de ameaças", diz Carrareto.

A Apple analisa todos os aplicativos criados por terceiros antes de disponibilizá-los por meio de sua loja de aplicativos, a App Store. No caso do Android, o Google não analisa os aplicativos desenvolvidos antes de colocá-los à disposição dos usuários no Google Play, o que permite a publicação de aplicativos com código malicioso.

Segundo a Symantec, o uso do jailbreak, realizado por usuários do iPhone que desejam usar aplicativos que não estão disponíveis na App Store, é o motivo da maior quantidade de vulnerabilidades descobertas no iOS. "Para fazer o jailbreak de um dispositivo, o usuário precisa explorar uma vulnerabilidade do software", diz a equipe da Symantec.

Apesar de não ser um procedimento seguro e condenado pela Apple, isso estimulou a busca por novas vulnerabilidades do iOS que, em 2012, chegaram a 387. No caso do Android, apenas 13 brechas de segurança foram registradas no mesmo período.

Tipos de ataques

Segundo Carrareto, além das ameaças que roubam dados do usuário, os dispositivos móveis também sofrem com malware que funcionam como os vírus tradicionais para PCs. Cerca de 26% do total de malware móvel identificado pela Symantec é deste tipo, o que indica que os cibercriminosos estão migrando técnicas já estabelecidas para celulares e tablets.

Além disso, há ameaças que controlam o celular do usuário para enviar mensagens de spam para os contatos ou mensagens de texto (SMS) para números promocionais, que direcionam o valor do custo da mensagem para um cibercriminoso. Algumas das ameaças encontradas (9%) também tentavam alterar configurações do aparelho do usuário.

Google reage

De acordo com a Symantec, por conta do alto número de ameaças direcionadas ao sistema Android, o Google tem se esforçado para prevenir ataques. De acordo com a Symantec, com o lançamento da versão 4.2, o Google apresentou um recurso que pede uma confirmação para o usuário no caso do envio de uma mensagem para um número promocional. Contudo, apenas 2% dos celulares com Android utilizam esta versão do sistema.

O Google também tem divulgado rapidamente correções para vulnerabilidades encontradas no Android, segundo a Symantec, mas a distribuição das atualizações para os usuários são lentas, em virtude da análise de fabricantes e operadoras. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.