Motorola Mobility buscava acordo que envolvia o pagamento de US$ 4 bilhões ao ano para uso de patentes, mas juiz determinou pagamento de US$ 1,8 milhão

Reuters

SEATTLE - A Microsoft foi beneficiada no primeiro de dois julgamentos sobre patentes contra a unidade Motorola Mobility do Google, na quinta-feira (25), com um juiz federal de Seattle deliberando em grande parte a seu favor.

LEIA TAMBÉM:
"Compramos a Motorola para proteger o Android", diz CEO do Google
Samsung "esconde" Android, Motorola segue caminho inverso

O juiz norte-americano James Robart, em Seattle, disse que a Microsoft devia apenas uma fração dos royalties que a Motorola tinha reivindicado pelo uso de sua tecnologia no console do videogame Xbox, da Microsoft.

A Motorola buscava até US$ 4 bilhões ao ano para o uso de suas patentes de telefonia móvel e vídeo, enquanto a Microsoft argumentava que a rival merecia cerca de US$ 1 milhão por ano. Robart determinou que o pagamento apropriado era de aproximadamente US$ 1,8 milhão.

A Microsoft recebeu bem o resultado. "Esta decisão é boa para os consumidores, pois garante que tecnologia patenteada comprometida com os padrões continue a ser acessível para todos", disse o vice-conselheiro-geral da Microsoft, David Howard, em um comunicado. Um representante da Motorola não pode ser imediatamente contatado para comentar o assunto.

A decisão lança um duro golpe contra o Google, que comprou a Motorola por US$ 12,5 bilhões, em parte por seu estoque de propriedades intelectuais. O valor baixo atribuído por Robart torna as patentes da Motorola uma moeda de troca mais fraca para o Google negociar acordos de licenciamento com outros.

O segundo julgamento de patentes entre os dois, marcado para o segundo semestre em Seattle, vai determinar se a Motorola violou o seu dever de licenciar os seus chamados padrões, patentes essenciais para a Microsoft em termos justos.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.