Serviço estará disponível a partir desta terça-feira em seis municípios, mas entidade de defesa do consumidor questiona qualidade do sinal e suporte dos smartphones

Estadão Conteúdo

Enquanto as operadoras correm para inaugurar suas redes de quarta geração (4G) dentro do prazo da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), a associação de consumidores Proteste recomenda que as pessoas não gastem dinheiro agora com a nova tecnologia que permite navegar na internet com velocidade até dez vezes maior do que as redes 3G. "Não é aconselhável o consumidor investir em um tecnologia ainda cara, compatível com poucos celulares e disponível em poucas regiões de algumas cidades", disse a associação.

LEIA TAMBÉM:
Redes 4G podem chegar a 15 cidades neste ano, diz Paulo Bernardo
Fabricantes de smartphones preparam ofensiva 4G no Brasil

Razr HD, o primeiro smartphone 4G a chegar ao Brasil
Stella Dauer
Razr HD, o primeiro smartphone 4G a chegar ao Brasil

As operadoras têm até esta terça-feira (30) para fazer a cobertura de 50% da área dos seis municípios que vão sediar a Copa das Confederações em junho (Belo Horizonte, Brasília, Fortaleza, Recife, Rio de Janeiro e Salvador).

A Claro já lançou seu serviço comercialmente nas cidades e também em outras regiões do País, como São Paulo, Porto Alegre e Curitiba. A Oi começou a operar sua rede no Rio de Janeiro na semana passada e pretende oferecer o 4G em outras regiões em maio. A operadora vai compartilhar a rede com a TIM, dividindo os custos de infraestrutura. A Vivo anuncia nesta terça-feira (30) seus planos.

A Proteste e a Associação dos Engenheiros de Telecomunicações (AET) questionam as ofertas comerciais para uma rede que está restrita a poucos locais. Em ofício enviado à Anatel, ambas entidades pediram esclarecimentos. Procurada pela reportagem, a Anatel diz que não tem como se pronunciar. O sindicato das operadoras, SindiTelebrasil, não quis comentar.

Outro ponto criticado é que alguns celulares 4G funcionam em frequências diferentes da 2,5 GHz, faixa adotada no Brasil. "O 4G é implantado de forma precipitada no País", diz Ruy Bottesi, presidente da AET.

Eduardo Tude, presidente da consultoria Teleco, discorda das críticas. Para ele, as pessoas que vão aderir ao 4G agora são usuários mais frequentes e sabem que a rede ainda está em fase inicial. "Se você compra um smartphone caro, com 4G, e estiver em uma cidade atendida, vai tirar proveito", disse. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.