Furto de smartphones vem crescendo em grandes cidades dos Estados Unidos

NYT

Quando um adolescente roubou o iPhone da mão de Rose Cha em uma parada de ônibus, no Bronx, em março, ela relatou o furto para sua operadora de celular e para a polícia - assim como já havia feito nas duas outras vezes em que foi vítima de roubo de celular. Novamente, a polícia disse que não poderia fazer nada para ajudá-la.

Leia também:
5 aplicativos para localizar smartphones

iPhone é o aparelho mais cobiçado por ladrões em Nova York
Getty Images
iPhone é o aparelho mais cobiçado por ladrões em Nova York

O celular de Cha foi inserido em um novo banco de dados nacional de celulares roubados, que acompanha o número de identificação de um celular para impedir que ele seja ativado, teoricamente desencorajando furtos.

Mas os policiais disseram que o banco de dados não tem ajudado a combater os números crescentes de furtos de aparelhos celulares, em parte porque muitos celulares roubados acabam sendo enviados para o exterior, fora do alcance do banco de dados, e em parte porque os identificadores são facilmente modificados.

No entanto, algumas autoridades disseram que existe um problema maior - que as operadoras e fabricantes de celulares têm pouco incentivo para corrigir o problema.

"As operadoras não são inocentes neste cenário. Elas acabam lucrando com isso", disse Cathy L. Lanier, chefe do departamento de polícia de Washington, DC, onde o recorde de 1,829 celulares foram levados em assaltos no ano passado.

George Gascon, procurador do distrito de São Francisco, disse que os fabricantes de celulares como a Apple deveriam explorar novas tecnologias que poderiam ajudar a impedir o roubo. Em março, ele disse ter se encontrado com com um executivo da Apple, Michael Foulkes, que lida com suas relações com o governo, para discutir maneiras de como a empresa poderia melhorar sua tecnologia anti-roubo. Mas ele foi embora da reunião, disse ele, sem nenhuma promessa de que a Apple estava trabalhando para realizar melhoras.

Ele acrescentou: "Ao contrário de outros tipos de crimes, este é um crime que pode ser facilmente corrigido com uma solução tecnológica".

A Apple não quis comentar a respeito do assunto.

O mercado de celulares é extremamente lucrativo, com a venda de aparelhos que arrecadaram US $ 69,000 milhões nos Estados Unidos no ano passado, de acordo com a IDC, a empresa de pesquisa. No entanto, furtos de smartphones continuam aumentando, e as vítimas continuam comprando novos aparelhos.

Em São Francisco no ano passado, quase metade de todos os assaltos envolveram o furto de um celular, contra 36 % um ano antes; em Washington, os celulares foram levados em 42% dos roubos, um recorde. Em Nova York, o roubo de iPhones e iPads no ano passado representaram 14 % de todos os crimes.

Por Brian X. Chen e Malia Wollan

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.