Conheça melhor o leitor de notícias em RSS que está reunindo grande parte dos usuários que serão abandonados pelo Google Reader a partir de 1º de julho

NYT

Por David Pogue

Bem, se não tínhamos entendido antes, agora entendemos: o Google dá, o Google tira. No dia 1º de julho, chegará ao fim o Google Reader. Para desespero de milhões, o serviço seguirá os passos do Google Answers, Google Buzz, iGoogle e GOOG-411. O Google não ofereceu uma razão satisfatória para essa "limpeza de primavera", dizendo apenas que "a utilização diminuiu".

Feedly, sucessor não oficial do Google Reader, permite ver feeds de RSS em forma de lista ou revista
Reprodução
Feedly, sucessor não oficial do Google Reader, permite ver feeds de RSS em forma de lista ou revista

Esta coluna existe para ajudar dois tipos de pessoas: aqueles que usavam o Google Reader, e aqueles que nunca souberam do que se trata. O Google Reader é o que se chama, de forma um pouco nerd, de um leitor de notícias – e de forma muito nerd, um agregador RSS.

É como um jornal online que você monta a partir de páginas web do mundo todo. Em vez de se sentar numa mesa toda manhã e visitar cada um de seus sites favoritos, você simplesmente abre o reader.google.com.

Lá, você encontra uma lista organizada de todos os novos artigos de todas aquelas fontes, classificados como uma caixa de entrada de e-mails. Você bate o olho nas manchetes, lê os resumos e clica nas matérias que parecem valer a pena. Ocasionalmente, você pode ler o artigo inteiro sem sair da página do leitor de notícias; isso fica por conta de quem publicou o artigo. Geralmente, porém, você visualiza a manchete de cada item e uma rápida descrição do artigo, ou talvez os primeiros parágrafos e uma foto.

Um clique leva você ao site de origem. É tudo muito mais rápido e eficiente do que atravessar os anúncios, banners e artigos menos interessantes dos sites originais.

Órfãos do Google Reader

Houve um grande clamor quando o Google anunciou a morte iminente do Reader – petições, blogs, matérias –, mas você pode não compreender imediatamente o motivo. O Google Reader é notoriamente feio, bastante complicado e trabalhoso.

Mesmo assim, ele é completo, personalizável e conveniente. E uma vez que você tenha definido suas fontes preferidas de material de leitura, elas surgem de forma idêntica em cada computador, tablet e celular. As massas podem não ter usado o Reader ou nem conhecê-lo, mas os devotos da informação, os sabujos da notícia e os seguidores de tecnologia amaram.

Eles não precisam sofrer. O Google Reader tem muitos rivais e substitutos satisfatórios. Na verdade, eu pretendia oferecer análises rápidas de cada um deles, até perceber que seis presidentes teriam passado antes que eu terminasse.

Há leitores de notícias para qualquer tipo de celular, tablet e computador: Bloglines, NewsBlur, Pulse, Taptu, Reeder, FeedDemon, Spundge, Good Noows, HiveMined, Prismatic, Netvibes, NetNewsWire, ManagingNews e assim por diante. Alguns são páginas na web, como o Google Reader; outros são programas ou aplicativos autônomos. Alguns programas de e-mail também podem se inscrever nesses feeds, colocando as notícias em sua caixa de entrada.

Conheça outros agregadores de notícias, como o Feedly, na galeria abaixo:

Herdeiro natural

Aquele que todos estão considerando como o herdeiro natural do Google Reader, porém, é o Feedly.com. De fato, o Feedly diz que, de 4 milhões de usuários, chegou a 7 milhões desde que foi anunciada a sentença de morte do Reader. O serviço exige um plug-in [Nota do editor: plug-in é um complemento que deve ser instalado no navegador] gratuito para os navegadores Firefox, Chrome e Safari. Três fatores em especial o tornam útil.

Primeiro, o mais importante: acessar o Feedly com seu nome e senha do Google recria instantaneamente sua configuração do Google Reader. Todas suas fontes de notícias, favoritos e marcações – nomes de categorias que podem ser aplicados a certos artigos, facilitando sua busca mais tarde – surgem magicamente no Feedly, prontos para o uso. A sincronização é de mão dupla; até 1º de julho, você pode alternar livremente entre Reader e Feedly, e seus mundos serão idênticos.

(Nos bastidores, o Feedly depende, acredite se quiser, dos feeds do Google Reader. Mas a empresa diz que irá substituir os feeds do Google por uma fonte própria até 1º de julho, sem qualquer problema.)

Segundo, o Feedly é muito mais bonito do que o Google Reader. Ele se sai melhor com a tipografia – o Google não ajuda –, o layout é mais atraente e ele oferece mais visualizações para suas notícias.

Por exemplo, o Feedly pode exibir seus feeds exatamente como o Google, numa lista somente texto; clique em algo para expandir e ler o texto ali mesmo na lista. Mas ele também pode exibir seus artigos de algumas maneiras muito mais visuais.

Há a visão de Revista (uma lista de resumos descritos, cada um com uma pequena foto ao lado); a visão Cartas (foto e resumo aparecem no que parecem cartas de baralho preenchendo a tela); e visão Artigos Completos (não é preciso clicar para expandir – cada bloco de rolagem vertical exibe o que estiver disponível do artigo).

Os ex-usuários do Google podem começar com a lista somente texto (visão Títulos), pois é com isso que estão acostumados. Mas podem, eventualmente, criar coragem e experimentar uma das visualizações mais visuais e interessantes.

Terceiro, o Feedly oferece maneiras fantásticas de assinar conteúdo:

Maneira 1: enquanto navega pela web, sempre que encontrar um site que parece bom, basta clicar no botão Feedly, pequeno e transparente, que aparece no canto inferior direito de seu navegador – ao menos se você usa Chrome ou Firefox. O serviço diz estar trabalhando para colocar seu botão no Safari.

Maneira 2: quando estiver na página do Feedly, clique no ícone da lupa para visualizar uma tabela de conteúdo especial – uma lista de sites dignos de assinatura em categorias como tecnologia, negócios, notícias, cozinha, YouTube e assim por diante. Clique no que parecer bom.

Maneiras 3, 4, 5: clique no mesmo ícone e digite, na caixa do topo, um endereço web, o nome de um site ou até mesmo um tópico. Escolha a partir dos resultados apresentados pelo Feedly.

Sem suporte para IE

O Feedly não funciona no Internet Explorer, o que bloqueia muitos clientes em potencial. E nos navegadores onde funciona, é preciso instalar um minúsculo "bookmarklet" (um plug-in) – algo proibido em alguns computadores públicos e empresas.

O Feedly vem trabalhando febrilmente para resolver essas limitações; ele encara o manto de Sucessor do Reader com bastante seriedade. De fato, alguns dos melhores recursos foram agregados recentemente, num esforço para acomodar refugiados do Reader.

Enquanto isso, porém, o Feedly é um serviço encantador e fácil de usar para dois tipos de pessoas: aqueles que já usaram o Google Reader, e aqueles que nunca ouviram falar dele. Pois se você está começando sua manhã com um ziguezague em diversos sites diferentes, você está perdendo tempo e energia. O Feedly é do que você precisa.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.