Aprenda a identificar palavras-chave, trocas de links e outras técnicas de manipulação que empurram golpistas para o topo das listas de resultados de busca

NYT

A maioria de nossas ações na web ainda começa com uma busca – fato prontamente explorado por spammers e golpistas que usam palavras-chave, trocas de links e outras técnicas de manipulação para empurrar seu conteúdo mais para cima na lista de resultados de busca, esperando que você clique neles.

Embora os maiores mecanismos de busca dificultem esses enganos, isso não impede que empresas se envolvam nesse tipo de prática – e enganem os usuários no processo.

Mesmo alguém com ampla experiência em buscas, como Duane Forrester, gerente de produto sênior no Bing, pode ser vítima de um golpe virtual.

Veja mais: Conheça mais de 20 golpes populares no Facebook e Twitter

"Eu queria comprar uma lente nova para minha câmera digital, e encontrei uma loja cobrando US$200 a menos do que todas as outras", explica Forrester. "Acontece que a loja era um buraco no Reino Unido que vendia produtos quebrados. Liguei para a empresa e consegui reembolso, mas ainda assim caí na armadilha".

Milhões de sites "sujos" se espalham pela internet. Em seu relatório de segurança de 2012, a firma de segurança virtual Blue Coat Systems concluiu que os mecanismos de busca encabeçam a lista de entrada de spam, vindo antes de e-mails e outras fontes. No mínimo, resultados de spam são um incômodo. Mais perniciosamente, spammers podem infectar computadores com malware e roubar dados pessoais, como informações de cartão de crédito. Seguem algumas formas de evitar o spam de busca.

Aprenda a identificar um spam

Dominar a arte de uma busca mais inteligente nem sempre o protegerá contra spams. É por isso que, como primeiro passo, você deve olhar antes de clicar.

Não deduza que os primeiros resultados são os mais úteis ou mesmo os mais seguros. Analise as letras que finalizam o endereço web. Domínios de alto nível como .com e .info, além de domínios comuns de países como .fr (da França) são grandes alvos para spammers.

Um motivo é que os spammers sabem que ocorrem erros de digitação. É comum esquecer o "o" numa busca de pontocom, por exemplo. Assim, se você queria um site que termina em .com, mas digita por engano .cm (o código de país para Camarões), você pode receber um spam em vez da página que buscava.

Spammers sabem que internautas cometem erros de digitação e usam páginas falsas em golpes
NYT
Spammers sabem que internautas cometem erros de digitação e usam páginas falsas em golpes

Muitos sites também se aproveitam de encurtadores de endereços web, como o Bitly, para direcionar o usuário a uma fonte enganosa. Assim, seja cauteloso também ao clicar nessas URLs reduzidas.

Tanto Google quanto Bing indicam quais são os sites potencialmente perigosos, sempre que possível. Se um mecanismo de busca o adverte que um site é potencialmente perigoso, navegue por sua conta e risco. E conforme vemos pela história de Forrester, um site com descontos que parecem bons demais para ser verdade podem ser exatamente isso.

Além disso, antes de realizar qualquer compra num site menos conhecido, analise tudo. Você vê um endereço físico? Se sim, procure no mapa. Procure pelo endereço de e-mail. Se sua única opção de contato for uma conta Gmail ou Yahoo, algo pode estar errado.

A linguagem do site também pode ser uma dica, especialmente quando se está conduzindo uma busca local. Erros evidentes de gramática e ortografia podem indicar que o proprietário do serviço está em outro país. E se você encontrar o termo "grátis" estampado por todo o site, proceda com cautela.

Alguns sites são mais arriscados

É importante saber o que separa um site de spam de outro inofensivo. A diferença pode ser contra-intuitiva. Por exemplo, domínios de pornografia podem ser mais seguros de navegar do que alguns conteúdos comuns. De acordo com o relatório anual de segurança da Cisco de 2013, "anúncios online têm 182 vezes mais chances de entregar conteúdos maliciosos do que sites pornográficos".

Segundo Matt Cutts, que lidera a equipe de spam do Google, isso ocorre porque os sites de pornografia são bem monitorados.

"Os donos de sites pornôs são habilidosos em tecnologia, e prestam muita atenção aos visitantes – então conseguem perceber coisas incomuns rapidamente", explica ele.

Leia também: Facebook quer eliminar cliques no botão "curtir" obtidos por meio de golpes

Todavia, um resultado de busca pode ser seguro e não ser útil. Um grande exemplo é o Yahoo Answers. O site orientado à comunidade aparece consistentemente entre os maiores mecanismos em consultas relacionadas a perguntas. Entretanto, a qualidade de suas respostas varia amplamente, e o site costuma ser mais útil para se dar algumas risadas do que para se obter percepções legítimas. Aprenda a identificar e evitar esses sites.

Da mesma forma, sites de instruções como o eHow valorizam muito mais a quantidade do que a qualidade, e portanto, você pode não encontrar exatamente o que está procurando.

Desconfie de páginas web que exageram em sua suposta legitimidade. Um logotipo do Better Business Bureau não tem problema. Uma série de logotipos promovendo o profissionalismo de um site é um sinal vermelho.

Quase qualquer pessoa com habilidades rudimentares no Photoshop pode criar logotipos falsos. Você pode conferir prêmios indo à fonte.

É também uma boa ideia verificar se um site é certificado. O Department of Homeland Security oferece mais informações sobre isso.

Algumas fontes atraem spam

Algumas buscas são mais tentadoras a spammers do que outras. Consultas de relatórios de crédito são um dos maiores alvos. Lembre-se, existem apenas três grandes agências nacionais de crédito. Se você está usando um terceiro para conferir relatórios de crédito, faça-o com cuidado.

Seja muito cauteloso ao conduzir buscas de viagens e seguros. Alguns sites criam dicas de viagem com o único objetivo de atrair o usuário ao seu hotel ou outro negócio relacionado. O ideal é procurar informações de viagens num site mais confiável.

Resultados de busca para letras, vídeos e protetores de tela também representam um risco maior. Por exemplo, páginas com conteúdo para download, como as que oferecem toques de celular, fornecem um público sedutor aos spammers – pois o usuário está ativamente querendo instalar algum software.

O momento e a época da busca também interferem. Spammers tendem a atacar com mais força em grandes épocas de compras online.

O spam não fica limitado ao texto. Um site com muitos links de imagem que não abrem pode ter sido criados dessa forma intencionalmente. É mais fácil vender um modelo ultrapassado se o cliente não consegue ver o produto. Use um serviço de busca por imagens como o TinEye para descobrir se uma imagem foi puxada de outro site.

Reforce seu navegador

Como líder em buscas, o Google é mais focado do que outros mecanismos. Usuários do navegador Chrome podem instalar uma extensão que permite aos usuários identificar potenciais sites de spam e bloqueá-los de seus resultados de busca, clicando num link de "spam" ao lado de cada resultado.

Você também pode alterar suas configurações de anúncios do Google e desabilitar os cookies de publicidade da empresa.

Busque novos mecanismos personalizados

Outra maneira de evitar o spam – e obter resultados mais relevantes – é ir diretamente a um mecanismo de busca especializado, onde os resultados já são filtrados para a sua consulta.

Você pode acessar o Google Books para pesquisar livros, e provavelmente obterá resultados de livros para "O Grande Gatsby", por exemplo, e não ofertas de camisetas "Gatsby". Há também mecanismos como Science.gov e Scirus – ambos úteis para solucionar dúvidas de ciência. Outro mecanismo especializado de qualidade é o iSEEK Education. Por fim, você pode usar o serviço de imagens Picsearch para filtrar buscas de fotos.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.