Além da França, outros cinco países da União Europeia podem tomar medidas semelhantes por não concordar com unificação de políticas de privacidade de 60 serviços do Google

Reuters

PARIS - O regulador de proteção de dados na França ordenou o Google nesta quinta-feira (20) a alterar sua política de privacidade sob pena de levar multa, liderando uma grande onda de pressão na Europa para que o gigante da internet esclareça suas intenções e métodos na coleta de dados.

LEIA TAMBÉM:
A privacidade na internet e como os internautas baixam a guarda
Conheça 4 ferramentas para manter sua privacidade na web

Unificação de termos de uso dos serviços do Google em 2012 não agradou autoridades da União Europeia
Getty Images
Unificação de termos de uso dos serviços do Google em 2012 não agradou autoridades da União Europeia

O órgão regulador francês CNIL afirmou que a política de privacidade do Google violou leis do país e deu à empresa norte-americana três meses para fazer mudanças sob o risco de enfrentar multa de até 150 mil euros, além de uma segunda punição de 300 mil euros caso falhe em agir.

O CNIL, que vem liderando uma sindicância sobre a política de privacidade do Google na Europa desde março de 2012, disse que Grã-Bretanha, Alemanha, Itália, Holanda e Espanha estavam estudando procedimentos de infração semelhantes. No geral, o dono do maior sistema de buscas do mundo poderia enfrentar multas de vários milhões de euros.

"Até o final de julho, todas as autoridades que participam da força-tarefa (de proteção de dados na União Europeia) terão tomado medidas de coerção contra o Google", disse a presidente do CNIL, Isabelle Falque-Pierrotin.

No ano passado, o Google consolidou 60 políticas de privacidade em uma única e começou a combinar dados coletados dos usuários a partir de diferentes serviços, incluindo o YouTube, Gmail e a rede social Google+. A empresa não deu meios para os internautas escaparem deste cruzamento de dados.

Como resultado, reguladores da União Europeia iniciaram uma investigação conjunta . Eles pediram que o Google propusesse mudanças até fevereiro, o que não foi feito pela companhia, que se encontrou várias vezes com os reguladores e argumentou que a combinação de informações facilitava sua compreensão sobre os usuários.

A maneira como o Google cruza esses dados anônimos, pesquisando históricos em diversos serviços para melhorar o direcionamento publicitário, foi apontada entre as maiores preocupações dos reguladores.

O francês CNIL disse nesta quinta-feira (20) que as políticas de privacidade do Google não eram suficientemente explicítas para que os usuários entendessem por que e como tinham suas informações coletadas.

A investida do regulador francês é vista por especialistas e legisladores como um teste a respeito da habilidade da Europa em influenciar o comportamento de empresas globais de internet.

O Google afirmou que continuaria a trabalhar com as autoridades na França e em outros locais. "Nossa política de privacidade respeita a legislação europeia e nos permite criar serviços mais simples, mais eficazes. Temos envolvidos plenamente com as autoridades envolvidas em todo este processo, e vamos continuar a fazê-lo daqui para frente", disse um porta-voz, por e-mail.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.