Empresa teria acessado redes durante mapeamento de ruas para a ferramenta Street View

Uma juíza da 23ª vara cível de Brasília concedeu na terça-feira (9) liminar que obriga o Google a prestar informações sobre uma possível invasão de redes Wi-Fi no Brasil durante mapeamento de ruas para a ferramenta Street View. A ação foi movida pelo Instituto Brasileiro de Direito da Informática (IBDI). 

Empresa admitiu que houve coleta de senhas durante mapeamento
Getty Images
Empresa admitiu que houve coleta de senhas durante mapeamento

Na coleta de informações para o Street View, o equipamento do Google teria se comunicado com os roteadores do Wi-Fi  (com redes sem senha) e coletado informações como senhas e e-mails. Tecnicamente não se trata de uma invasão, já que a rede dos internautas não estava protegida por senha, mas sim aberta.

O caso começou em maio de 2010, quando foi descoberto que carros do Google Street View haviam coletado e-mails, senhas e outros dados transmitidos em redes sem fio de várias cidades do mundo. Os carros foram usados pelo Google para fotografar casas e ruas para seus mapas e, ao circular pelas cidades, armazenavam informações transmitidas em redes sem fio desprotegidas.

Logo após a descoberta da falha, autoridades europeias e americanas iniciaram investigações. O Google admitiu a falha e afirmou que um problema de software havia sido a causa da coleta indevida. A empresa afirmou ainda que iria cooperar com as autoridades para eliminar os dados coletados de forma definitiva e transparente até o fim de 2010.

Até o ano passado, o Google foi cobrado a apagar os dados coletados indevidamente na Inglaterra . A empresa já foi condenada a pagar uma multa de US$ 7 milhões para resolver o caso nos Estados Unidos.

No caso brasileira, a empresa pode recorrer da decisão. Caso não consiga derrubar a liminar, terá de prestar as informações no prazo de cinco dias a partir do ajuntamento de comprovante de recebimento do mandado judicial ao processo, sob pena de multa diária de R$ 15 mil. 

Sérgio Palomares, advogado do IBDI, quer detalhes sobre a falha. " Como a própria empresa já declarou que a invasão aconteceu , queremos saber o que foi feito com estes dados, e se foram acessadas apenas redes abertas ou também redes com senha".

De acordo com Palomares, a empresa já confirmou que a invasão também aconteceu no Brasil. Mas, perguntado sobre o documento que comprove esta questão, o advogado diz que, como faz parte do processo, não pode ser compartilhado no momento. 

Histórico

Palomares conta que em 10 de abril deste ano enviou a primeira notificação à empresa, questionando se a invasão também teria acontecido no Brasil. "Diante de uma resposta positiva, decidimos enviar uma segunda notificação em 10 de junho, cobrando esclarecimentos. Mas, desta vez, a empresa se negou a responder", conta. Como consequência, o instituto optou pela ação judicial.

O advogado ressalta que a ação movida pelo instituto é anterior aos fatos relacionados à espionagem no País , mas que o momento é "delicado". "As notícias recentes nos chamam a atenção sobre até onde a invasão de privacidade proporcionada pelo Google Street View pode ter relação com as notícias, e até onde as corporações se prestam a serviços para governantes". O intuito, diz, é "tirar dúvidas".

Palomares estima que em duas semanas será possível acompanhar o desenrolar da decisão. O mandado judicial, que foi finalizado na sexta-feira passada (12) seria enviado ao Google neste início da semana. 

Em resposta, o Google afirma que "sempre se preocupa com o respeito à privacidade". Segundo a empresa, em nota, "todos os aspectos relacionados à coleta de dados no projeto Street View foram endereçados tão logo identificados em 2010, e não há nenhum fato novo. "


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.