Empresa faz programa de trade-in de carregadores por tempo limitado após morte de chinesa eletrocutada ao usar um iPhone carregado por meio de acessório pirata

A Apple anunciou nesta terça-feira (6) que venderá seus carregadores por US$ 10 (cerca de R$ 23) aos usuários que entregarem carregadores piratas em lojas da Apple e revendas autorizadas. O programa de trade-in começa após a ampla repercussão da morte de uma mulher chinesa, que foi eletrocutada ao utilizar um iPhone conectado à rede elétrica por meio de um acessório fabricado por terceiros.

LEIA TAMBÉM:
Em nova versão do iOS, Apple corrige falha que permite invasão de hackers

Carregador do iPhone, iPod e iPad estão inclusos em programa de troca de carregador com desconto anunciado pela Apple
Getty Images
Carregador do iPhone, iPod e iPad estão inclusos em programa de troca de carregador com desconto anunciado pela Apple

"Notícias recentes sugerem que alguns adaptadores falsos ou fabricados por terceiros podem não ser desenhados apropriadamente e podem causar problemas de segurança. Embora nem todos os adaptadores fabricados por terceiros apresentem o problema, estamos anunciando um programa de trade-in para que os consumidores possam adquirir adaptadores adequados", diz a Apple, em comunicado.

O programa de trade-in de carregadores começa em 16 de agosto e os usuários que tiverem um carregador falso ou fabricado por terceiros poderá entregá-lo em uma Apple Store ou revenda autorizada. Na hora da troca, o usuário poderá comprar um carregador fabricado pela Apple com preço especial. O programa de troca de carregador com desconto inclui os acessórios para iPhone, iPod e iPad e termina em 18 de outubro. É preciso trazer o dispositivo da Apple para que o número de série seja verificado.

Por meio da página do comunicado, a Apple afirma que não testará qualquer carregador do usuário para avaliar se existem riscos de segurança associados. A troca valerá para qualquer carregador fabricado por terceiros que o próprio usuário desconfie que possa colocar em risco sua segurança. O iG procurou a Apple para verificar se o programa vale para usuários brasileiros, mas não obteve retorno até a publicação desta reportagem.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.