Segunda versão do aplicativo criado pela Microsoft para acessar o site de compartilhamento de vídeos foi bloqueada pelo Google por não-conformidade com termos de serviço

A Microsoft publicou nesta quinta-feira (16), em seu blog oficial, uma longa e crítica carta ao Google por conta do novo bloqueio ao aplicativo do YouTube desenvolvido pela própria Microsoft para smartphones com sistema operacional Windows Phone. Trata-se do segundo bloqueio ao aplicativo, que já foi retirado do ar pela Microsoft para ajustes solicitados pelo Google após os primeiros desentendimentos entre as duas empresas.

LEIA TAMBÉM:
Após polêmica, aplicativo do YouTube volta à loja do Windows Phone
Google e Microsoft trabalham em aplicativo do YouTube para Windows Phone

Microsoft e Google divergem sobre aplicativo do YouTube para Windows Phone
Getty Images
Microsoft e Google divergem sobre aplicativo do YouTube para Windows Phone

"Sempre tivemos o objetivo de oferecer para nossos usuários uma experiência do YouTube no mesmo nível da disponível para usuários de iPhone e Android. As objeções do Google para nosso aplicativo são, não só inconsistentes com o compromisso do próprio Google de abertura, mas envolve requerimentos para o aplicativo que não são impostos para sua própria plataforma ou à Apple", diz David Howard, vice-presidente e diretor jurídico da Microsoft, no blog oficial .

Segundo a Microsoft, após a retirada da primeira versão do aplicativo do ar, a equipe da Microsoft resolveu os problemas apontados pelo Google. O aplicativo passou a exibir publicidade dos clientes do Google e deixou de oferecer a funcionalidade para fazer o download de vídeos. O Google, no entanto, teria pedido que o novo aplicativo fosse desenvolvido pela Microsoft em HTML5, mas a Microsoft não o fez, já que Android e iOS possuem aplicativos nativos do YouTube.

"Dedicamos engenheiros para examinar essa possibilidade. No fim, os experts de ambas as empresas chegaram à conclusão que construir um aplicativo do YouTube baseado em HTML5 seria difícil do ponto de vista técnico e demoraria muito, o que acredito que seja o motivo para a demora na conversão dos aplicativos do YouTube para iPhone e Android", diz Howard. Ao publicar o aplicativo do YouTube sem atender a esta especificação, o Google voltou a bloquear o aplicativo da Microsoft.

"Ao que parece, as razões do Google para bloquear nosso aplicativo são fabricadas, então não podemos oferecer aos nossos usuários a mesma experiência do Android e iPhone. Os bloqueios que o Google colocou são impossíveis de ultrapassar, e eles sabem disso", afirma Howard, no blog da Microsoft.

Segundo a Microsoft, o Google alega que o motivo do bloqueio tem a ver com o fato de o aplicativo não ter sido desenvolvido em HTML5 e com as condições de exibição dos anúncios no aplicativo, que não atendem todas as condições acordadas pelos criadores de conteúdo do YouTube. A Microsoft afirma ter pedido informações adicionais, que o aplicativo para Android ou iPhone recebam, para ajustar isso, mas o Google teria se recusado a oferecê-las.

Na carta, o executivo da Microsoft sugere que as imposições do Google foram criadas com o objetivo de impedir que os usuários de Windows Phone tenham a mesma experiência que os usuários do Android ou iPhone ao usar o YouTube. "De novo, nós pedimos que o Google pare de bloquear nosso aplicativo."

Outro lado

Até o momento, o Google não comentou oficialmente as declarações da Microsoft sobre os motivos da Microsoft. Antes da divulgação da postagem da Microsoft, no entanto, um porta-voz do Google havia comentado os motivos do bloqueio ao aplicativo do YouTube desenvolvido pela Microsoft para o Windows Phone.

"A Microsoft não fez as atualizações de navegador necessárias para permitir uma experiência completa do YouTube e, em vez disso, relançou um aplicativo do YouTube que viola nossos termos de serviço. Ele foi desativado. Nós valorizamos nossa ampla comunidade de desenvolvedores e solicitamos que todos atendam às mesmas diretrizes", disse um porta-voz do Google.

    Leia tudo sobre: youtube
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.