Conselho da Microsoft pode escolher um novo CEO fora da empresa, o que pode romper com a estratégia adotada até agora e causar fechamento de produtos e serviços

Reuters

SEATTLE - O próximo presidente-executivo da Microsoft tem uma grande decisão a tomar: avançar com o ambicioso plano do atual chefe da companhia, Steve Ballmer, de transformar a gigante do software em uma empresa com ampla oferta de dispositivos e serviços, ou concentrar recursos em torno de softwares para negócios.

LEIA TAMBÉM:
"Pagador de mico", Steve Ballmer deixará a Microsoft
Ballmer anuncia aposentadoria após 33 anos na Microsoft

Escolha de sucessor de Ballmer terá impacto direto na estratégia da Microsoft
Getty Images
Escolha de sucessor de Ballmer terá impacto direto na estratégia da Microsoft

Batizado de "One Microsoft", o grande projeto de Ballmer prevê a união de hardware e serviços baseados em nuvem para forjar um futuro baseado em ambos. O plano foi revelado apenas seis semanas antes do anúncio surpresa de sexta-feira sobre a aposentadoria do executivo dentro de um ano.

Mas as fracas vendas do novo tablet Surface, somadas à falha da Microsoft em ganhar dinheiro com buscas online e smartphones têm lançado dúvidas sobre essa abordagem.

Durante anos investidores têm pedido para a Microsoft redirecionar para os acionistas o dinheiro gasto em projetos deficitários ou periféricos, limitando o foco nos rentáveis negócios do Windows, do Office e das franquias em servidores.

A ValueAct Capital Management, que atua como investidor ativista na Microsoft e cujo lobby recente pode ter desempenhado um papel na decisão de Ballmer de se aposentar mais cedo que o esperado, é visto como favorável a essa estratégia.

Somente nos últimos dois anos, a Microsoft perdeu quase 3 bilhões de dólares com o site de buscas Bing e com outros projetos na internet, sem contar uma baixa contábil de 6 bilhões de dólares referente à frustrada compra da agência de publicidade online aQuantive. A companhia também teve encargos de 900 milhões de dólares com seu tablet Surface no último trimestre, com o dispositivo registrando poucas vendas.

Pelo menos por enquanto, a Microsoft parece decidida a perseguir a visão de Ballmer. John Thompson, o diretor independente da Microsoft, que também está à frente do comitê que nomeará um novo presidente-executivo para a empresa, disse na sexta-feira que o conselho está "comprometido" com o plano de transformação de Ballmer.

A eventual escolha dessa comissão, que estabeleceu o prazo de um ano para cumprir a tarefa, deve fornecer uma pista sobre o quão comprometido o conselho realmente está, e o quanto ele está aberto a aconselhamentos externos.

"Optando por um candidato interno como Satya Nadella, responsável pelos servidores, ou alguém da equipe do Windows, faria sentido para manter a estratégia nesta reorganização", disse Norman Young, analista da Morningstar.

"Mas um forte argumento poderia ser que a empresa precisa de renovação, com alguém que pode executar a estratégia, mas também trazer uma perspectiva de fora", acrescentou.

Para a Microsoft, isso poderia significar vender as operações com o videogame Xbox e abandonar o Bing, ou cortar esforços para fabricar tablets ou outros computadores.

A saída iminente de Ballmer deixa uma escolha difícil e talvez impossível para o seu sucessor, a de empurrar uma gigante rumo a uma transformação de alto risco no mundo de comunicações móveis ou manter a empresa presa a uma ilha rentável de negócios, mas centrada PCs.

"Eu não tenho certeza se há alguém que pode fazer o trabalho de Steve (Ballmer) melhor. É um trabalho extremamente difícil, talvez inadministrável", disse Brad Silverberg, um ex-executivo sênior do Windows e co-fundador da empresa de investimento de risco Ignition Partners. "Talvez a maneira como o trabalho é definido precise mudar, e isso é o prenúncio de grandes mudanças que virão."

Os primeiros sinais públicos de desentendimento no conselho de administração da Microsoft ocorreram em 2010, quando o bônus de Ballmer foi cortado explicitamente para refletir performances fracas do celular Kin e fracasso em tentativa de criação de rival para o iPad, da Apple, segundo documentos enviados ao mercado.

Uma fonte interna da companhia afirmou que há cerca de 18 meses, Ballmer, que tem cerca de 4 por cento da Microsoft, começou a pensar seriamente em um plano de sucessão.

O momento não foi marcado por boas notícias para o executivo. Houve o fraco lançamento do Windows 8, decepção com o tablet Surface e multa de 731 milhões de dólares imposta pela União Europeia depois que a empresa não inclui escolha de browsers de Internet para os usuários do Windows.

O resultado trimestral decepcionante da empresa divulgado em julho, que não deu mostras de uma recuperação rápida da companhia, pode ter servido para selar a decisão. Ballmer disse na sexta-feira que tomou sua decisão alguns dias antes e que informou o conselho na quarta-feira. Não ficou claro se o conselho da Microsoft pediu para Ballmer deixar o cargo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.