Vulnerabilidade descoberta em regras de funcionamento da moeda virtual podem permitir que grandes grupos ganhem vantagem sobre pequenos mineradores

A moeda virtual Bitcoin pode conter uma vulnerabilidade que permite que um grupo de mineradores assuma o controle da moeda, apesar das restrições impostas pelo sistema responsável pelo controle da moeda. Pesquisadores da Universidade de Cornell (EUA) revelaram em um novo estudo que a rede Bitcoin pode ser manipulada por um grupo grande de mineradores, interessados em ganhar mais dinheiro e assumir o controle da moeda virtual.

LEIA TAMBÉM:
Conheça as máquinas de fazer dinheiro virtual
Provedores dos EUA criam espaço para hospedar mineradores de Bitcoin
Vírus criado no Brasil infecta computador para fabricar Bitcoins

Representação física do Bitcoin: poder de processamento de computadores é usado para
Getty Images
Representação física do Bitcoin: poder de processamento de computadores é usado para "fabricar" moeda virtual

O ataque foi descrito no blog de Emin Gün Sirer, um dos pesquisadores responsáveis pelo estudo. Segundo o pesquisador, se um grupo tiver computadores poderosos o suficiente para controlar uma parcela significativa da geração de bitcoins, ele poderá "quebrar" os blocos de dados que liberam novas moedas mais rapidamente e "ocultar" a quebra.

Com o ataque, o grupo maior induz os grupos menores de mineradores a continuar gastando o poder de processamento de suas máquinas com um bloco já liberado, enquanto o grupo majoritário se concentra em quebrar um novo bloco.

Dessa maneira, o grupo maior fica em vantagem em relação aos demais participantes da rede Bitcoin, o que pode levar ao colapso o modelo descentralizado que é um dos princípios do funcionamento da moeda virtual.

"Somos os primeiros a descobrir que o protocolo do Bitcoin não é compatível com incentivos. O protocolo pode ser enganado por pessoas com interesses egoístas. Como o sistema presume que todos são honestos, não há forças que se oponham ao crescimento de grupos realmente grandes de mineradores. Esses grupos podem vir a controlar a moeda virtual", escreve Sirer, no blog.

Segundo os pesquisadores, o ataque só funciona se o grupo que fizer o ataque representar uma parcela significativa do poder de processamento total da rede. Contudo, como atualmente a lógica do Bitcoin não inclui um limite de tamanho para um grupo de mineradores, qualquer grupo atualmente ativo na rede da moeda virtual poderia alcançar sucesso com a técnica.

No estudo, além de expor a vulnerabilidade da rede Bitcoin, os pesquisadores da Universidade de Cornell também propõem uma solução. Segundo Sirer, a saída é limitar o crescimento dos grupos de mineradores. Na proposta, um único grupo de mineradores poderia deter no máximo 25% do poder de processamento total da rede Bitcoin -- quantidade já representada por grupos de mineradores ativos na rede.

"A única forma de proteger o sistema contra ataques de mineradores egoístas é mobilizar todos para modificar suas implementações. A única forma de protegermos o sistema foi publicar as informações sobre este ataque em potencial. Escolhemos não lançar o ataque, porque nos preocupamos com a viabilidade da moeda virtual em longo prazo", afirma Sirer, no blog. Outras moedas virtuais, criadas a partir do Bitcoin, também podem sofrer ataques similares.

Veja abaixo algumas máquinas criadas para minerar a moeda virtual Bitcoin:


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.