Charlie Shrem e Robert Faiella teriam vendido 1 milhão de dólares em bitcoins para usuários do site de venda de drogas Silk Road

Reuters

NOVA YORK, 27 Jan (Reuters) - Dois operadores de taxas da moeda virtual bitcoin foram acusados de lavar dinheiro na troca de 1 milhão de dólares em bitcoins para traficantes, disseram promotores dos Estados Unidos nesta segunda-feira.

Saiba como funciona a moeda virtual Bitcoin

Representação física do Bitcoin: moeda virtual vem ganhando popularidade
Getty Images
Representação física do Bitcoin: moeda virtual vem ganhando popularidade

Promotores federais acusaram Charlie Shrem e Robert Faiella, dois operadores cambiais da moeda virtual, por tentar vender 1 milhão de dólares para usuários do mercado negro do site Silk Road, que foi fechado por autoridades em setembro.

De acordo com a acusação, Shrem, presidente-executivo do site de câmbio virtual BitInstant.com, fez a troca de dólares por bitcoins para Faiella, que operava um site de câmbio do submundo sob o nome de BTCKing no Silk Road.

O relatório criminal aponta que o presidente, ao mesmo tempo em que sabia das atividades de Faiella no site, também usava o Silk Road para a compra de drogas.

Rivais do Bitcoin disputam mercado de moedas virtuais

O caso contra os negociantes pode ser um golpe à crescente comunidade de empresas Bitcoin, já que Shrem é um defensor de alto nível da tecnologia. Além de conduzir o BitInstant, Shrem é o vice-presidente do principal grupo comercial focado na moeda virtual, a Bitcoin Foundation, de acordo com o perfil de Shrem no LinkedIn.

A procuradoria-geral dos EUA afirmou em comunicado que Shrem e Faeialla estão sob custódia e foram acusados de conspirar para a lavagem de dinheiro e operar um negócio não autorizado de transferência monetária.

(Reportagem de Emily Flitter)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.