Tamanho do texto

Apple ganhou vereditos nos EUA contra a Samsung que totalizam cerca de US$ 930 milhões

Reuters

Apple acusa Samsung de copiar funções do iPhone
Getty Images/Justin Sullivan
Apple acusa Samsung de copiar funções do iPhone

A Samsung tentou derrotar a proposta da Apple sobre uma proibição permanente de vendas de alguns smartphones da coreana. O argumento apresentado no tribunal na quinta-feira (30) afirmava que o pedido da Apple era uma tentativa de colocar medo entre operadoras de telecomunicações e varejistas que têm os produtos da Samsung.

LEIA TAMBÉM: Google e Samsung anunciam acordo global sobre patentes

Em uma audiência em um tribunal federal em San Jose, na Califórnia, a advogada da Samsung, Kathleen Sullivan, disse a juíza Lucy Koh, que a determinação iria dar à fabricante do iPhone uma abertura para voltar rapidamente ao tribunal e argumentar que novos produtos da Samsung também deveriam ser banidos.

O advogado da Apple, William Lee, disse que um jurado já havia definido que cerca de duas dezenas de telefones infringiram patentes da Apple, e que a Apple perdeu vendas para o competidor direto.

Veja também: As novidades mostradas pela Samsung na CES 2014


O pedido da Apple para uma ordem permanente decorre da luta legal das empresas sobre vários recursos de smartphone patenteadas pela Apple: como o uso dos dedos para dar zoom na tela e elementos de design como tela de vidro preto e liso.

A Apple ganhou vereditos nos Estados Unidos contra a Samsung que totalizam cerca de US$ 930 milhões.

A juíza Lucy Koh já havia previamente rejeitado tais banimentos, mas a Justiça de Apelações dos EUA ordenou que ela reconsiderasse isso.

Embora a Samsung não venda mais os telefones de modelos antigos, visados pelo pedido legal, a Apple, nos documentos judiciais, argumentou que tal ordem é importante para impedir que a Samsung copie novos produtos no futuro.

Sullivan, a advogada da Samsung, argumentou que a determinação permitiria à Apple buscar a proibição de outros produtos novos em um período muito mais rápido do que por meio de litígios de patentes tradicional, que pode levar anos.

Por Dan Levine.