Russo Alex Kibkalo, um ex-funcionário da Microsoft no Líbano e na Rússia, admitiu a investigadores da Microsoft que forneceu documentos confidenciais e informações ao blogueiro

Reuters

Investigação interna da Microsoft revelou transmissões não-autorizadas de informações comerciais secretas
Getty Images
Investigação interna da Microsoft revelou transmissões não-autorizadas de informações comerciais secretas

Um ex-funcionário da Microsoft está enfrentando acusações criminais depois de supostamente ter passado segredos comerciais para um blogueiro na França, de acordo com documentos de um tribunal nos Estados Unidos.

LEIA TAMBÉM: Microsoft pode anunciar Office para iPad em evento com novo CEO

O russo Alex Kibkalo, um ex-funcionário da Microsoft no Líbano e na Rússia, admitiu a investigadores da Microsoft que forneceu documentos confidenciais da empresa e informações para o blogueiro. Os documentos foram mostrado em um tribunal federal de Seattle.

O blogueiro, que não foi identificado, era conhecido na comunidade de blogs da Microsoft por postar reproduções de tela (screenshots) de versões de pré-lançamento do sistema operacional Windows. O blogueiro escondeu sua identidade afirmando falsamente que ele era de Quebec, de acordo com os documentos.

Uma investigação interna da Microsoft revelou transmissões não-autorizadas de informações comerciais secretas, de acordo com os documentos judiciais. Um e-mail de Kibkalo foi encontrado na conta do Hotmail do blogueiro, estabelecendo que ele compartilhou dados confidenciais.

"Nós levamos muito a sério a proteção de nossa propriedade intelectual, incluindo a cooperação com as agências que estão investigando possíveis ações criminosas por parte de nossos funcionários ou outros", disse um porta-voz da Microsoft em um comunicado enviado por e-mail à Reuters.

Um advogado que representa Kibkalo não pôde ser encontrado para comentar o assunto imediatamente fora do horário de trabalho dos EUA.

Por Chris Peters em Bangalore.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.