UIT afirma que o número de usuários de internet também deve aumentar e chegar a três bilhões até o final deste ano ano

Até o fim de 2014, o número de linhas de celular deve se igualar a quantidade de habitantes da Terra: sete bilhões. É o que diz a União Internacional de Telecomunicações (UIT) , agência especializada da Organização das Nações Unidas, a ONU. As previsões divulgadas nesta segunda-feira (5) afirmam ainda que o aumento será impulsionado pela região da Ásia e do Pacífico, as quais devem responder por 3,6 bilhões deste total, e pelos países em desenvolvimento como um todo, os quais serão responsáveis por 78% dessas novas linhas de celulares.

LEIA MAIS: Em um ano, Amazon triplica número de transmissões de vídeo

Apesar do crescimento nessas áreas, globalmente, a taxa é a menor de todos os tempos: 2,6%. Isso porque vários países desenvolvidos já ultrapassaram a taxa de 100% de penetração. Por outro lado, a África deve chegar a marca de 69% somente neste ano. Já a região da Ásia e do Pacífico alcançará os 89% de penetração.

Ainda em se tratando de dispositivos móveis, a UIT acredita que a banda larga móvel chegará a 32% de penetração em 2014. Nos países desenvolvidos, a taxa deve atingir a marca de 84% dos usuários, quatro vezes mais do que em países em desenvolvimento: 21%.

O número de assinaturas de banda larga móvel será de 2,3 milhões no mundo todo, sendo que, destes, 55% estarão concentrados nos países em desenvolvimento. Os níveis de penetração de banda larga móvel também são mais elevados na Europa (64%) e nas Américas (59%), do que na Comunidade dos Estados Independentes, (49%), Estados Árabes (25%), Ásia-Pacífico (23% ) e África ( 19%).

Internet em casa

A União Internacional de Telecomunicações também prevê que o mundo chegue à marca dos três bilhões de usuários de internet até o final do ano. Destes, dois terços devem vir dos países em desenvolvimento. "Os números recentemente publicados pela UIT confirmam mais uma vez que a tecnologia de informação e comunicação continua a ser o principal motor da sociedade da informação", disse o secretário-geral da UIT, Hamadoun Touré.

Três bilhões equivale a uma penetração 40% a nível mundial, 78% em países desenvolvidos e 32% em países em desenvolvimento. Mais de 90% das pessoas que ainda não usam a internet estão em países em desenvolvimento. Nas Américas, cerca de dois em cada três pessoas vão usar a internet até o final de 2014, o que representa a segunda maior taxa de penetração após Europa. Na Europa, a penetração vai chegar a 75% (ou seja, três em cada quatro pessoas) e será a mais alto do mundo. Um terço da população da Ásia e do Pacífico estará online até o final de 2014, sendo que cerca de 45% do total de usuários de internet vêm desta região.

O crescimento mais lento no número de usuários de internet versus o número de linhas de celular se deve, entre outras coisas, a adoção da banda larga fixa, que cresce a passos lentos. A previsão para o final de 2014 é que a penetração chegue a 10% em todo o mundo. Destes, 44% estão na Ásia e no Pacífico, e 25% na Europa. A África, apesar do crescimento dos últimos quatro anos, responde por menos de 0,5% das assinaturas de banda larga fixa no mundo.

África, Estados Árabes e da Comunidade dos Estados Independentes (leste europeu) são as únicas regiões onde a taxa de crescimento de penetração da banda larga fixa é superior a 10%. A região das Américas se destaca como a de menor crescimento: cerca de 2,5%, mas deve chegar a 17% no final do ano. Na Europa, porém, a penetração da banda larga é muito maior do que em outras regiões: quase três vezes a média global.

No final de 2014, 44% das famílias de todo o mundo terão acesso à internet. Quase um terço (31%) das famílias nos países em desenvolvimento estará conectado à rede enquanto nos países desenvolvidos deve chegar a 78%. A análise mostra ainda que o acesso à internet nos lares está próximo da saturação nos países desenvolvidos.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.