Série de novas ferramentas é tão eficiente no objetivo de melhorar fotos que provoca até inveja

No Instagram todos estão acima da média. Sua colega da faculdade pode estar desiludida no trabalho e sem sorte no amor, mas mesmo assim suas publicações no popular serviço de compartilhamento de fotografias são um desfile de brunches maravilhosos, bichos de estimação perfeitamente alinhados e tantos sóis se pondo feito uma pintura que você se pergunta se ela está fazendo um bico encontrando locações para Hollywood.

Aplicativo de compartilhamento de fotos permite editar fotos de forma cada vez mais sofisticada
Stuart Goldenberg/The New York Times
Aplicativo de compartilhamento de fotos permite editar fotos de forma cada vez mais sofisticada

A perfeição instagramática impulsiona cobiça. Agora, os terapeutas precisam estar preparados porque os especialistas em tecnologia vão levar um choque. Em breve, tudo no Instagram pode parecer ainda mais irrealisticamente incrível.

Leia também: Fundador do Instagram defende censura de mamilos

O serviço preparou uma série de novas ferramentas poderosas para que os usuários consigam rápida e facilmente melhorar as imagens que publicam para deixar os outros babando.

Ao contrário dos filtros fotográficos com jeitão de Polaroid que têm sido a marca registrada do Instagram desde sua fundação em 2010, as novas ferramentas permitem que usuários personalizem em detalhes o brilho, contraste, realces, sombras e várias outras características da imagem usando controles intuitivos na tela.

Estou usando as novas ferramentas de edição do Instagram – que fazem parte da nova versão do aplicativo para iOS e Android – há alguns dias e as considero fantásticas. Elas não são uma novidade tecnológica; muitas técnicas parecidas para melhorar imagens existem em programas para computadores de mesa e celulares há anos, mas a versão do Instagram é mais fácil e sofisticada do que a maioria das que já vi. Dessa forma, elas são uma tentativa de assumir uma visão mais refinada do futuro da fotografia.

"O Instagram é um palco para a maioria das pessoas", disse Kevin Systrom, fundador e CEO do serviço, durante entrevista na sede da empresa no Facebook, que adquiriu o Instagram em 2012. "A ideia das ferramentas é poder mostrar seu melhor ângulo".

Facilidade e sofisticação são destaques nas novas ferramentas

Systrom e equipe trabalharam bastante para tornar esse processo muito fácil. Depois de bater uma foto no aplicativo ou importar outra da biblioteca do telefone, dá para acessar um painel de imagem que oferece quase uma dúzia de opções para ajuste de cor e luz em detalhes. É possível mudar qualquer uma ou todas essas opções; cada uma tem um controle deslizante.

O novo aplicativo também permite a personalização dos filtros padrão do Instagram. Se, por exemplo, você sempre gostou do filtro Sutro, mas achava os efeitos um pouquinho forte demais, agora dá para reduzir sua "força" a apenas uma fração do visual padrão.

Enquanto faz as mudanças, dá para abrir a foto e segurar para ver o "antes" da imagem; ao soltá-la, a imagem volta à versão editada. Esse movimento de abrir e segurar é uma boa solução da interface; ele oferece uma forma rápida e intuitiva para compreender como as edições estão modificando a fotografia.

E também: App do dia: Retrica é clone do Instagram com filtros interessantes

Depois de fazer o processo uma ou duas vezes, o sistema de edição do Instagram torna-se uma coisa habitual. Não é preciso conhecer o jargão da fotografia ou, por exemplo, saber a diferença técnica entre ajustar a saturação de cor de uma foto e a temperatura da cor. Basta abrir o controle deslizante, ajustá-lo, e depois abrir e segurar para ver como as mudanças estão funcionando.

Sob essa interface simples, no entanto, existe um sistema de edição de fotografia com poder incomum. Systrom e muitos engenheiros que trabalham na empresa se descrevem como "nerds da foto", o tipo de pessoa que se lembra e até sente falta de todas as capacidades tecnicamente confusas da época das máquinas fotográficas que usavam filme. Assim, para bolar os novos recursos, gastaram mais tempo em questões aparentemente triviais do que a maioria dos usuários pode imaginar.

Por exemplo, no tratamento de imagens, existem diversas maneiras para deixar uma foto mais brilhante, mas todas tem impacto na imagem final. Qual algoritmo o Instagram deveria utilizar?

De acordo com Systrom, no fim das contas os engenheiros da empresa resolveram muitos desses problemas recorrendo ao instinto puro e simples. "Sentávamos numa sala com seis imagens diferentes e vários controles deslizantes na parede. Em conjunto, a gente aumentava e diminuía o brilho de todas elas e nos perguntávamos qual seria a mais correta".

Ainda segundo ele, "não é julgamento, é gosto. Isso é importante na hora de decidir o que fazer".

Novos recursos são pedidos por usuários

A atenção ao detalhe dedicada pelo Instagram deu frutos. Por exemplo, achei seu ajuste de brilho da fotografia muito mais sutil – e, portanto, mais útil – do que ferramentas de brilho semelhantes de outros aplicativos de edição de foto. O programa deu brilho às minhas imagens sem lhes conferir um visual desbotado e esbranquiçado demais. Parecia natural, e até mesmo refinado.

Ao mesmo tempo, no entanto, me perguntei quantas pessoas estão procurando por esse tipo de capacidade de edição. Ainda que o Instagram tenha simplificado a melhoria das fotos, fazer isso leva alguns segundos; se você quiser deixar sua foto excelente, não dá para disparar pelas telas de edição. Será que muita gente vai investir tempo nisso? Será que muitos não vão querer apenas bater uma foto, aplicar um filtro e um abraço?

E também: Na esteira do Instagram, Vine ganha mensagens privadas em vídeos e textos

Systrom deu duas respostas ao meu ceticismo. Disse que recursos de edição são um dos principais pedidos dos usuários há muito tempo. Assim o CEO acredita que muitas pessoas irão usá-los e que as ferramentas certamente irão aumentar a base de usuários do Instagram.

Depois, ofereceu uma visão mais filosófica. "O que sempre me afligiu era a diferença entre a maneira pela qual nos lembramos de alguma coisa e o que está representado no papel ou em pixels. Você já não teve a experiência de sair de férias, tirar uma foto do sol se ponto e quando o filme era revelado – isso foi dez anos atrás quando a gente ainda mandava revelar filmes – ficava decepcionado, pois a impressão original era outra?"

Agora com os smartphones é possível tirar uma foto e ajustá-la imediatamente para expressar sua emoção, explicou Systrom.

Em outras palavras, se minha publicação faz minha vida parecer incrível, é porque ela é mesmo incrível.

    Leia tudo sobre: Instagram
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.