Diversos emails do cofundador da Apple Steve Jobs devem ser apresentados como provas, junto a trechos de depoimentos curtos de Jobs gravados antes de sua morte

Reuters

Na foto, um iPod Classic, aparelho discretamente descontinuado pela Apple
Divulgação
Na foto, um iPod Classic, aparelho discretamente descontinuado pela Apple

A Apple se defenderá contra alegações de que abusou de uma posição de monopólio no mercado de reprodutores de música digital conforme se dirige para um julgamento num caso que poderia custar à companhia cerca de US$ 1 bilhão, caso perca.

LEIA TAMBÉM: Comprada pela Apple, Beats mudou o mercado de fones de ouvido

As declarações de abertura devem começar nesta terça-feira (2) num tribunal federal em Oakland, na Califórnia, na já antiga ação coletiva iniciada por um grupo de indivíduos e empresas que compraram iPods entre 2006 e 2009. Eles alegam que uma atualização de 2006 do iTunes dizia que as músicas do iTunes só poderiam ser tocadas em iPods, bloqueando injustamente fabricantes concorrentes de dispositivos.

Os autores da ação querem cerca de US$ 350 milhões em indenizações, que seriam automaticamente triplicados sob leis antitruste. A Apple diz que a atualização do software continha melhorias genuínas ao produto, e portanto não deve ser considerada anticompetitiva.

O caso encaminhado a julgamento nesta terça-feira (2) remete à era pré-iPhone da Apple, quando o iPod era seu principal dispositivo móvel. Diversos emails do cofundador da Apple Steve Jobs devem ser apresentados como provas, junto a trechos de depoimentos curtos de Jobs gravados antes de sua morte.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.