Inspiradas no webOS, da LG, e nos sistemas para dispositivos móveis, como o Android e o Firefox, as novas plataformas para Smarts TVs parecem finalmente a altura da categoria

Com a popularização das telas curvas, flexíveis ou não, e mesmo do ponto quântico, tecnologia que melhora especialmente as cores das telas de LCD, o sistema operacional das TVs caminha para ser um dos principais motivos de compra neste e nos próximos anos. A cada ano que passa, as televisões inteligentes deixam de ser exceção para se tornarem cada vez mais a regra do portfólio das grandes fabricantes. Neste sentido, o ano de 2015 é especialmente, pois marca o retorno do Android, sistema do Google, para a grande tela, e também o investimento em sistemas próprios, como o Tizen.

LEIA:  Menor que um vírus, ponto quântico é a evolução das TVs LCD

E MAIS:  Benefícios das televisões com telas curvas são limitados

Na esteira da LG, que em 2014 colocou no mercado, inclusive brasileiro, suas TVs com webOS, sistema que ganhou vários fãs por simplificar a interação com a televisão, a Samsung também mostra, na CES 2015 , uma solução própria. O Tizen, que já foi especulado como possível plataforma  para smartphones e depois para dispositivos vestíveis, encontrou seu lugar ao sol nas TVs. De acordo com a sul-coreana, as TVs com Tizen chegam ainda no primeiro semestre ao Brasil.

Tizen, sistema próprio da Samsung, lembra o webOS, da concorrente LG
Emily Canto Nunes/iG
Tizen, sistema próprio da Samsung, lembra o webOS, da concorrente LG

Outra novidade para este ano é a adoção do Firefox OS nas TVs da Panasonic, o que deixa claro a influência que os sistemas para smartphones ainda exercem no desenvolvimento de plataformas para outras categorias de produtos.

A chegada do Android TV a mais de uma fabricante nesta CES 2015 também comprova o esforço das empresas em melhorar a experiência do usuário com a sua televisão inteligente. Além da Sony e da Sharp, também a Philips deve lançar TVS com Android TV neste ano.

Primeiras impressões

Plataforma das TVs da LG, o webOS chegou a sua segunda versão na CES 2015. No estande da sul-coreana na feira, tivemos a oportunidade de observar algumas pequenas mudanças que deixam o sistema mais rápido, como a inclusão de um atalho para os canais preferidos do usuário na barra de acesso. As fontes de entretenimento, isto é, TV aberta, TV a cabo e internet, também estão melhor integradas, com novos menus de acesso rápido que aparecem na parte superior e na lateral. A ideia é claramente diminuir o número de cliques que o usuário precisa dar para chegar ao conteúdo que deseja.

Demonstrado em partes no estande da Samsung, o Tizen lembra bastante o webOS, com a mesma barra de acesso aos conteúdos e às funcionalidades na parte inferior da tela. Um dos grandes diferencias do sistema promete ser o recurso de segunda tela, ou seja, de levar informação sobre o conteúdo que está sendo consumido para a própria TV. No estande da Samsung era possível ver a função aplicada em um jogo de basquete. Por cima de parte da imagem da partida aparecem algumas estatísticas, tipo de conteúdo que o usuário consome enquanto vê TV, só que no smartphone ou o tablet.

Com uma interface simples e elegante, Firefox OS, sistema originalmente desenvolvido para smartphones, estará nas TVs Panasonic de 2015
Emily Canto Nunes/iG
Com uma interface simples e elegante, Firefox OS, sistema originalmente desenvolvido para smartphones, estará nas TVs Panasonic de 2015

O Firefox OS, destaque no estande da Panasonic, é um dos sistemas que mais se diferencia dos demais. Ao invés da barra inferior com atalhos, a plataforma tem seu design marcado por círculos e pela customização. Na demonstração do sistema, nos pareceu realmente simples adicionar atalhos a tela inicial, uma das mais elegantes.

O Firefox OS, assim como o Android TV, se beneficia do poder do seu conhecimento prévio em internet para encontrar conteúdos mais rapidamente e apresentá-los de uma forma interessante ao usuário.

Por fim, o Android TV chega para não só fazer uso do sistema de buscas mais bem-sucedido do mundo, mas também do reconhecimento de voz e, principalmente, do recurso que deixou o Chromecast tão famoso. A função Google Cast que permite ao usuário enviar para a sua TV o conteúdo do smartphone ou do tablet com o simples apertar de um botão está integrado ao sistema para TVs. Em termos visuais, o Android TV tem uma tela inicial mais extensa do que as demais, cheia de atalhos, mas ainda é difícil afirmar se é algo que de fato atrapalha a experiência do usuário.

Por fim, vale dizer que em 2015 também veremos a transformação, se não definitiva, quase, do controle remoto. Grande parte das TVs ainda deve vir com dois controles, o padrão cheio de botões, e versões menores com microfone para reconhecimento de voz, painel sensível ao toque, e sensores de movimento. Grande parte das fabricantes ainda não estava com seu controle remoto oficial na CES 2015, mas pelos protótipos já deu para perceber que eles estão bastante diferentes e que a conectividade nas TVs veio mesmo para ficar.

*A jornalista viajou a convite da Qualcomm.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.