Empresa brasileira com 1,5% de participação do mercado nacional deseja se tornar um líder local nos próximos anos

Fabricante nacional de computadores e, mais recentemente, de smartphones, a Positivo lançou nesta terça-feira (24) seu mais destaque, o Positivo Octa, aparelho com processador octa-core que roda Android 4.4. Feito pela MediaTek, o chipset MT6592 de 1.4 GHz possibilita que os oito núcleos trabalhem simultaneamente. Isso quer dizer que o processador entrega um melhor desempenho em atividades que exigem multiprocessamento, como jogos avançados, por exemplo. De acordo com a MediaTek, o True-Core tem um “desempenho sustentável" graças ao CorePilot, que monitora a temperatura e o consumo de energia.

ZTOP:  Primeiras impressões do Positivo Octa, "produto feito no Brasil para brasileiros"

O Positivo Octa é um smartphone intermediário de tela de 5 polegadas IPS HD, câmera frontal de 5 megapixels e traseira de 13 megapixels, com flash LED. Além do processador octa, o aparelho tem 1 GB de mémoria RAM, 8 GB ou 16 GB de armazenamento, expansível para 32 GB com cartão micro SD. Com conectividade 3G, Wi-Fi e Bluetooth, o Positivo Octa é ainda dual SIM.

Com bordas quadradas e vidros na parte frontal e traseira, o smartphone tem 7,9 mm de espessura e chega nas cores preto, branco e uma edição limitada em dourado. A versão de 8 GB custará R$ 899, enquanto a versão de 16 GB saíra $ 949. Ambos os lançamentos chegam em março ao mercado e devem ser atualizados para Android 5.0 Lollipop ainda no primeiro semestre.

Vice-presidente de Mobilidade da Positivo Informática, Norberto Maraschin Filho disse em evento realizado em São Paulo que a empresa que se tornar uma “local king”, isto é, rei nacional no seu mercado de origem. Algo similar ao que é a Xiaomi hoje para os chineses. Atualmente, a Positivo tem 1,5% de participação no mercado brasileiro de smartphones, mas, mesmo assim, almeja ser tornar líder em poucos anos.

Para isso, a empresa aposta não apenas na característica nacional de sua produção, mas em outros quatro pilares que considera fundamental para o sucesso: design, especificações de qualidade, usabilidade e preço. O preço, reconhece o executivo, promete ser um diferencial, especialmente em tempos de alta do dólar. 

Positivo vai do Top ao featured phone

Além do Positivo Octa, codinome X800, a fabricante brasileira apresentou três novos aparelhos, um deles na categoria de featured phones. 

Um deles é o Positivo X400, com tela de 5 polegadas IPS de 854X480 pixels de resolução, processador quad-core de 1,3 GHz da MediaTek e 512 MB de memória RAM. Com câmera traseira e frontal de cinco megapixels, o aparelho tem vocação para selfies, mas pouco espaço de armazenamento interno: 4 GB. Vale lembrar que esse espaço é expansível para até 32 GB com cartão microSD. Com conectividade 3G, Wi-Fi e Bluetooth, o X400 é dual SIM, tem bateria de 2.000 mAh e roda Android 4.4. Diferente do Octa, esse aparelho não deve receber a atualização do Lollipop. O smartphone será vendido por R$ 549 na cor preta.

Outra novidade é o S550, o phablet da Positivo. Com tela de 5,5 polegadas de 854X480 pixels, o aparelho é um mais simples que o X400, apesar do display um pouco maior. Por dentro, porém, é bastante similar: Android 4.4 (sem atualização), 3G, dual SIM, 512 MB de memória RAM e 4 GB de memória interna, expansível para 32 GB com cartão microSD. Dentre as distinções estão o processador, que no caso do S550 é um dual-core de 1.0 GHz da MediaTek, bateria de 2100 mAh e câmeras traseira de 5 megapixels e frontal de 2 megapixels. O aparelho chegará ao mercado na cor branca por R$ 569.

Por fim, a Positivo anunciou também um featured phone com conectividade 3G, o que, segundo a empresa, é um diferencial dentre os produtos do segmento. Com tela de 2,4 polegadas, não sensível ao toque, processador de 650 MHz, 64 GB de memória RAM e 128 MB de memória interna, o P30 é um aparelho barrinha, como é chamado pela própria indústria. Duplo SIM, com câmera frontal VGA e bateria e 700 mAh, o P30 será vendido em preto por R$ 169.

4G só na frequência de 700 MHz

Aos jornalistas, Maraschin Filho disse que a empresa tem planos de fazer aparelhos compatíveis com a rede 4G, mas quando chegarem ao mercado a nova geração de chips, que devem custar menos que os atuais. Além disso, a fabricante acredita que o crescimento da rede 4G se dará mesmo a partir do momento em que a faixa de 700 MHz, hoje ocupada pela TV analógica, começar a ser destinada aos dados do setor de telefonia. Como a ocupação desse espectado deve demorar um pouco ainda para acontecer, os planos de trazer 4G para os smartphones da Positivo também ficaram para mais adiante. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.