Entidade quer mais explicações sobre concorrência no site

Margrethe Vestager, chefe do órgão antitruste da União Europeia, fala sobre as práticas do Google no mercado de buscas e também sobre o Android
AP Photo/Virginia Mayo
Margrethe Vestager, chefe do órgão antitruste da União Europeia, fala sobre as práticas do Google no mercado de buscas e também sobre o Android

O órgão antitruste da União Europeia decidiu abrir dois procedimentos formais contra o Google sob a acusação de "abuso de posição dominante no mercado de buscas na internet". De maneira separada, a entidade ainda abriu um processo contra o sistema Android.

Se for condenada, a empresa poderá pagar uma multa de até US$ 6 bilhões, segundo especialistas. Os advogados terão até dez semanas para sanar as dúvidas do órgão.

LEIA MAIS:  "A internet desaparecerá", diz chefe do Google

A Comissão Europeia acusa o Google de ter "sistematicamente favorecido" os seus produtos nas páginas de busca generalizada. Em particular, há a acusação contra o serviço "Google Shopping" que, de acordo com os europeus, fica em posição mais evidente que os demais concorrentes.

Já sobre o Android, a entidade quer saber se a empresa "firmou acordos anticoncorrência ou tenha abusado de sua posição dominante no campo dos sistemas operacionais, aplicativos e serviços para smartphone". A comissária antitruste, Margrethe Vestager, afirmou que as eventuais sanções contra o Google só não serão aplicadas caso os seus serviços tratem de igual maneira o dos seus rivais. "Não queremos interferir no design ou em outras escolhas, mas queremos que os consumidores estejam certos de verem os melhores resultados no "shopping" e não só aqueles que o Google acha que sejam mais relevantes", destacou Vestager.

Em seu blog oficial, a empresa afirmou que "com respeito, estamos fortemente em desacordo com os processos e não vemos a hora de apresentar nossa posição nas próximas semanas".

As investigações contra a gigante norte-americana ocorrem desde 2010 e é o maior processo da UE no setor da tecnologia desde a ação contra a Microsoft, há mais de uma década.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.