Lançado em 2007, Grooveshark chegou ao fim, dando espaço os serviços de streaming de música que remuneram os detentores de direitos autorais, algo que o serviço não fazia

Grooveshark anunciou o fim do serviço de compartilhamento de músicas no dia 30 de abril
Repordução
Grooveshark anunciou o fim do serviço de compartilhamento de músicas no dia 30 de abril

Recentemente, os usuários de Grooveshark, famoso site de compartilhamento de músicas, receberam uma triste notícia: após oito anos, o serviço chegou ao fim no dia 30 de abril. Por e-mail, e depois em um comunicado no site, os responsáveis pelo serviço comunicaram o fechamento, explicando alguns dos motivos para tal decisão, os quais incluem um acordo com grandes gravadoras.

LEIA TAMBÉM:  "Já ouvi muita música pirata antes do streaming", diz diretor da Deezer

Diferentemente de outros sites do tipo, o Grooveshark permitia que o usuário fizesse o upload de suas músicas, que ficavam disponíveis para serem ouvidas por outros usuários, mas apenas online. A ideia era criar uma biblioteca comum entre os ouvintes, da qual todos poderiam se beneficiar. Tudo isso, porém, sem garantir que as licenças ou os direitos autorais de reprodução estivessem sendo pagas por alguém, Grooveshark ou usuários. No e-mail, os responsáveis pelo serviço pediram desculpas por isso, assumindo que foi errado, “sem ressalvas”.

Por isso, nos últimos dias, o Grooveshark limpou todos os dados de seus servidores, entregando a propriedade do site, dos aplicativos móveis e também sua propriedade intelectual, incluindo patentes e direitos autorais. Os desenvolvedores, parte do Escape Media Group, chamaram a atenção para os serviços que na época do lançamento do Grooveshark não existiam, mas que hoje oferecem aquilo que o usuário deseja e de uma forma correta: Spotify, Deezer, Google Play, Beats Musica, Rhapsody e Rdio, entre muitos outros.

Por fim, eles afirmam: “se você gosta de música e respeita artistas, compositores e todos os outros que fazem grandes músicas possíveis, use um serviço licenciado que compensa artistas e outros titulares de direitos. No Brasil, já funcionam os serviços de streaming de música Deezer, Napster, Rdio, Spotify e Google Play Música. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.