Como proteger seu celular dos quase 900 mil malware identificados em 2015

Por BBC - Margarita Rodríguez |

compartilhe

Tamanho do texto

No último ano, 95.344 usuários foram atacados por um vírus ransonware, que se instala no smartphone para bloquear o acesso do usuário e exigir um pagamento como resgate

BBC

A empresa de segurança Kaspersky Lab detectou em 2015 um total de 884.774 novos malware, os softwares maliciosos que complicam a vida dos usuários de dispositivos móveis.

O número é três vezes o registrado pela empresa em 2014: 295.539.

E, entre as novas ameaças, a empresa citou um trojan - nome dado a programas maliciosos disfarçados de legítimos - chamado Triada, cujo alvo são os dispositivos que usam o sistema operacional Android.

Dada a sua complexidade, os especialistas o comparam a malware criados para atacar o Windows.

"É sigiloso, modular, persistente e foi criado por cibercriminosos muito profissionais", disse a Kaspersky Lab em seu site.

"Os dispositivos que usam as versões 4.4.4 e anteriores de Android OS estão em risco", disse.

De acordo com o informe da empresa, cerca da metade dos 20 principais trojans em 2015 eram programas maliciosos "com habilidade de conseguir direitos de acesso de superusuário".

Esses direitos dão aos hackers o privilégio de instalar aplicativos e programas em smartphones de uma pessoa sem que ela saiba.

Existem 11 "famílias de trojan móveis" que usam esses privilégios. "Três deles – Ztorg, Gorpo e Leech – atuam em cooperação mútua."

Em 2015, 94.344 usuários únicos foram atacados por um vírus ransomware, um programa que se instala rapidamente em seu celular e bloqueia o acesso ao usuário como se sequestrasse seus arquivos. Para recuperar o acesso, é preciso pagar um resgate.

O número é cinco vezes o de 2014, quando foram reportados 18.478 casos, informou a empresa.

O que fazer?

A BBC Mundo, serviço em espanhol da BBC, consultou vários especialistas sobre o que pode ser feito para proteger nossos telefones de ataque cibernéticos. Apresentamos aqui seis recomendações:

Principais trojans descobertos em 2015 conseguiram acesso ao smartphone como administrador
Thinkstock
Principais trojans descobertos em 2015 conseguiram acesso ao smartphone como administrador

1. Não seja um 'hacker' do próprio telefone

O especialista em segurança informática Luis Enrique Corredera recomenda não rotear (ou fazer root) seu celular. Esse termo é conhecido dos usuários de Android e consiste em conseguir acessar o sistema do telefone para fazer mudanças profundas.

A palavra faz alusão a root, que em inglês significa raiz.

Para os usuários de iOS, a mesma atividade é conhecida como jailbreaking, que em inglês significa fuga.

E é precisamente esse o primeiro conselho que a Kaspersky Lab deu quando perguntada sobre formas de cuidar dos dispositivos móveis.

"Evite o 'jailbreaking' do telefone", disse Fabio Assolini, analista de segurança da empresa.

"Seu smartphone passa a ser um objetivo maior para agentes maliciosos quando você o 'hackeia' para baixar aplicativos de outros sistemas operacionais ou mudar a operadora de telefonia", acrescentou.

2. Pense no pior

Há uma medida com a qual todos os especialistas parecem concordar: use o senso comum. Ou ainda: pense no pior que pode acontecer.

Segure o dedo antes de clicar em uma janela que, por exemplo, pede acesso à configuração de seu celular ou convida a instalar um programa.

Para Corredera, é importante "evitar aplicativos que não sejam de lojas oficiais ou de fontes confiáveis, nem reagir apressadamente a mensagens que simulam anúncios de antivírus que supostamente detectaram um problema e nos pedem para fazer uma análise".

Usuário deve se atentar a links e anexos enviados em mensagens para o celular
Emily Canto Nunes/iG São Paulo
Usuário deve se atentar a links e anexos enviados em mensagens para o celular

O fundador da empresa de segurança digital Flag Solutions aconselha os usuários a não desativar uma opção no Android conhecida como "verificar aplicativos", função que analisa todos os aplicativos antes e depois de instalá-las para evitar que um software malicioso se instale.

"Supõe-se que os aplicativos passem por controles rígidos de segurança. Se o aplicativo for suspeito, essa função a detectará", disse Corredera.

O Kaspersky Lab também recomenda não abrir arquivos anexados a e-mails em seu telefone.

"Assim como um malware para computadores, arquivos anexos em celulares podem conter programa maliciosos", diz a empresa.

Eles também não aconselham clicar em links de mensagens de texto que possam ser spams, porque elas podem te levar a sites maliciosos.

3. Instale um 'doberman'

Assim como muitas pessoas gostariam de instalar três fechaduras, duas grades, alarme e ter um cão de raça doberman na porta de nossas casas, o mesmo deve ser feito com o celular.

"Bloqueie o acesso a seu dispositivo móvel com uma senha forte para evitar que pessoas não autorizadas tenham acesso a sua lista de contatos, fotos pessoais, aplicativos e e-mails", indica Kaspersky Lab.

Instalar um programa antimalware também é importante.

4. Veja o que os outros fazem

Não se trata de ser "maria vai com as outras", mas não custa nada ler a opinião de outros internautas.

O engenheiro de sistemas Antonio Navas, que tem ampla experiência em desenvolvimento de aplicativos móveis, acredita que na hora de baixar é preciso se certificar de que sejam apps conhecidos.

"Devem ser aplicativos que tenham muitas resenhas e que sejam usadas por muitos usuários. É preciso ter cuidado principalmente com jogos ou apps que prometem bloquear, por exemplo, anúncios", disse.

"Se você realmente quer instalar apps que não são muitos conhecidos, é imprescindível checar as autorizações que o app necessita e se alguma delas soar estranha é melhor não instalar", disse ele, que é diretor de engenharia do Duolingo (app de ensino de idiomas).

5. Imagine que você está em frente ao seu computador

Há muitas medidas de segurança que implementamos para proteger nossos computadores pessoais.

De fato, várias delas podem ser usadas para proteger nossos celulares.

"Tenha muito cuidado com possíveis sites de phishing (termo que vem do inglês fish, pescar, usados para "fisgar" o usuário convencendo-o a passar informações como senhas e número de contas) durante o uso de seu celular", diz Assolini.

Se puder, digite diretamente o endereço do site que você procura.

"Se você clica num link para uma nova página, cheque a URL para ter certeza de que você não está sendo redirecionado para um site desconhecido."

Outro conselho é fazer backups de segurança e ter cópias do que você tem no celular. Por exemplo, salve com regularidade suas fotos, vídeos e outros conteúdos que são muito importantes para você em HDs externos.

A Kaspersky Lab também sugere ativar a opção de apagar conteúdo remotamente.

"O problema mais comum que afeta os usuários de celular é a perda física de seus telefones. Eles podem ser esquecidos no táxi ou roubados", diz Assolini. "Limpar a memória irá impedir que ladrões acessem a informação pessoal em seu telefone."

6. Cuidado com quem te segue

Ainda que fisicamente ninguém esteja atrás de você, na internet muitas pessoas podem ver o que você faz com seu celular.

Especialistas recomendam que usuário não deixe o bluetooth ligado sem necessidade
Pexels
Especialistas recomendam que usuário não deixe o bluetooth ligado sem necessidade

Por isso, a empresa recomenda desligar a função bluetooth quando ela não estiver sendo utilizada.

"Qualquer pessoa com um telefone com bluetooth pode espiar facilmente sua atividade no telefone, suas ligações e as mensagens de texto que você envia. Além disso, não aceite mensagens enviadas via bluetooth de números de telefone desconhecidos", diz a Kaspersky Lab.

E evite redes wi-fi públicas, pois "a informação que se transmite através dessas redes não seguras pode ser interceptada por criminosos. Isso pode incluir seu número de conta bancária ou cartão de crédito", disse a empresa dedicada à segurança informática.

Leia tudo sobre: segurançaprivacidademalwaresmartphone

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas