Primeira sinalização utilizou post que noticiava que o celular do republicano teria sido responsável pelo vazamento de informações da Casa Branca

Brasil Econômico

Após anunciar que adotaria uma série de medidas para combater a publicação de notícias falsas no fim do ano passado, o Facebook começou a exibir uma sinalização para as publicações duvidosas para os usuários norte-americanos. A marcação é feita por meio de uma pequena etiqueta vermelha acompanhada da mensagem "contestada" e um triângulo com um ponto de exclamação.

Leia também: Mark Zuckerberg anuncia como pretende lidar com notícias falsas no Facebook

A primeira notificação de notícia falsa no Facebook foi realizada com uma publicação envolvendo o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que informava que o celular Android do republicano havia sido o responsável pelo vazamento de informações da Casa Branca. Segundo a matéria publicada no dia 26 de fevereiro em "The Seattle Tribune", conhecido por ser um jornal satírico, o magnata usa um Galaxy S3, modelo que não recebe mais atualizações de segurança.

Segundo site, Facebook levou cinco dias para informar que post se tratava de uma notícia falsa; lentidão gerou críticas
Shuttersock
Segundo site, Facebook levou cinco dias para informar que post se tratava de uma notícia falsa; lentidão gerou críticas

Leia também: Com botão "não curtir", Facebook testa reações em suas caixas de mensagens

De acordo com o site "The Next Web", o processo, apesar de útil, é bem lento. Primeiro, os usuários precisam alertar quando encontrarem uma notícia com potencial de ser falsa ou o próprio mecanismo de inteligência da rede social notar algo estranho. Em seguida, podem levar alguns dias para que veículos de checagem de fatos possam iniciar a apuração. Por fim, duas organizações precisam concordar que uma notícia é falsa para a plataforma exibir a sinalização.

No caso do post relacionado ao presidente dos EUA, por exemplo, a plataforma levou cinco dias para informar que se tratava de uma notícia falsa. O post, que atualmente possui mais de 81 mil curtidas, compartilhamentos e comentários, foi contestado pela primeira vez pelo site "Snopes" somente no dia dois de março, mas só foi sinalizado no dia seguinte quando o "Politifact" chegou à mesma conclusão.

Leia também: Facebook anuncia recurso para usuários se candidatarem a vagas de emprego

As críticas ao Facebook dizem que, por se tratar de um site de humor, estava claro que a notícia era falsa e o processo poderia ter sido mais veloz. O plano da rede social de Mark Zuckerberg para combater informações falsas teve origem após a empresa receber uma série de acusações de que a disseminação de inverdades teria interferido no resultado das eleições presidenciais norte-americanas.

    Leia tudo sobre: Facebook