Mensagem disseminada pelo aplicativo promete suposto benefício para os usuários que trabalharam com carteira assinada entre 2014 e 2015

Brasil Econômico

A proximidade com o fim do ano faz muitos cibercriminosos buscarem formas de enganar usuários de smartphones. Uma campanha maliciosa que circula pelo WhatsApp afirma que o governo federal liberou um lote de 14º salário para brasileiros nascidos entre janeiro e junho. Segundo a PSafe, empresa responsável pelo aplicativo de segurança digital DFNDR, em apenas dois dias, cerca de 320 mil pessoas foram expostas ao golpe enviado pelo mensageiro.

Campanha maliciosa no WhatsApp chegou a mais de 320 mil pessoas em apenas dois dias, segundo a PSafe
Antonio Cruz/Agência Brasil - 10.3.2017
Campanha maliciosa no WhatsApp chegou a mais de 320 mil pessoas em apenas dois dias, segundo a PSafe

Leia também: Golpe no WhatsApp usa nome da rede de cosméticos O Boticário; entenda

A armadilha promete aos usuários que já tenham trabalhado com carteira assinada a possibilidade de conferir se têm o direito a receber o benefício por meio da Caixa Econômica Federal . O suposto pagamento envolve o valor de um salário mínimo, isto é, R$ 937. Para fazer a consulta, seria necessário clicar no link compartilhado pelo  WhatsApp e responder a três perguntas: "Você já possui o cartão cidadão?", "Trabalhou algum mês registrado em 2016/2017?" e "Atualmente está registrado?”.

Cibercriminosos usam imagem da Caixa para disseminar golpe dentro do WhatsApp
Reprodução
Cibercriminosos usam imagem da Caixa para disseminar golpe dentro do WhatsApp

Quaisquer que sejam as respostas, as vítimas são direcionadas para uma página que indica um benefício a ser recebido. Para realizar o suposto saque, é necessário compartilhar o link com dez amigos ou dez grupos de conversa dentro do aplicativo. Assim, o golpe pode ser disseminado com mais rapidez, atingindo um número maior de vítimas.

Leia também: YouTube altera algoritmo de buscas para evitar teorias conspiratórias

Segundo Emilio Simoni, gerente de segurança da PSafe, o diferencial desse golpe está na solicitação de permissão para enviar alertas por push, isto é, as notificações que aparecem na barra superior do celular.

"Isso acontece para que o hacker consiga envolvê-lo em outros golpes no futuro, sem precisar enviar links. Nos testes realizados pelo nosso time de pesquisadores, algumas horas após o acesso ao golpe, o cibercriminoso enviou uma outra armadilha, via notificação direta para o celular das vítimas", explica.

Como se proteger

Assim como em diversos golpes dentro do aplicativo de mensagens, não existe risco se você somente recebeu a mensagem. O problema ocorre quando as informações pessoais, como o número do telefone, por exemplo, são inseridas na página enviada pelos cibercriminosos. A principal dica é sempre desconfiar de qualquer tipo de promessa exagerada e checar se a informação é real por meio site oficial de determinado órgão do governo ou empresa.

Leia também: Facebook testa botão para integrar o WhatsApp em seu aplicativo

Ao mesmo tempo, se você compartilha o link, mais pessoas ficam expostas à campanha maliciosa. Se este é o seu caso, entre em contato com quem recebeu a mensagem e informe que se trata de um golpe. A ideia é evitar que a mensagem continue sendo compartilhada dentro do WhatsApp. Se você preencheu algum formulário, entre em contato com sua operadora de telefonia e verifique se você foi cadastrado em algum pacote de mensagens pago indesejado. Por fim, confira se algum aplicativo desconhecido foi instalado em seu aparelho.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.