Segundo a New Scientist, antes das informações serem compartilhadas, os nomes dos usuários eram removidos, entretanto, 150 mil pessoas tiveram informações como idade e sexo divulgadas, o que viabiliza a identificação

Brasil Econômico

O Facebook suspendeu mais de 200 aplicativos da sua plataforma por uso irregular da base de dados
shutterstock
O Facebook suspendeu mais de 200 aplicativos da sua plataforma por uso irregular da base de dados

Uma investigação realizada pela revista internacional New Scientist descobriu um novo escândalo de vazamento de dados do Facebook . Segundo a publicação, pelo menos três milhões de usuários da rede social que fizeram teste de personalidade no myPersonality tiveram seus dados expostos em um site, onde qualquer um poderia ter acesso.

Leia também: Assistente pessoal do Google vai ser capaz de fazer ligações por você sozinha

A revista conta que, inicialmente, a ideia era que pesquisadores aprovados pudessem acessar a essas informações coletadas através  Facebook em um site colaborativo. Entretanto, a New Scientist descobriu que bastava uma pessoa interessada no assunto ter login e senha na plataforma para conseguir acessar a base de dados coletada. O ocorrido aconteceu por quatro anos.

Pelo menos seis milhões de pessoas fizeram o teste psicológico no aplicativo myPersonality e quase metade dos usuários concordaram em compartilhar dados dos seus respectivos perfis do Facebook.

Leia também: Apple remove aplicativos que acessam localização de usuários sem permissão

Vale destacar que os nomes das pessoas foram removidos antes das informações serem colocados na plataforma colaborativa dos pesquisadores. Contudo, embora a “identidade” não tenha sido colocada no site, a New Scientist detectou que mais de 150 mil usuários tiveram detalhes como idade, sexo, status de relacionamento compartilhados na plataforma, o que viabiliza a identificação das pessoas.

Suspensão de aplicativos

Na última segunda-feira (14), a rede social suspendeu mais de 200 aplicativos  da sua plataforma por uso irregular da base de dados. O anúncio é resultado de uma investigação que a empresa está fazendo após o  escândalo do vazamento de dados pessoais de 87 milhões de usuários que obrigou, inclusive, o CEO Mark Zuckerberg a prestar esclarecimentos nas duas casas do congresso dos Estados Unidos.

O processo de investigação foi dividido pela empresa em duas fases. Depois de fazer essa revisão abrangente para identificar todos os apps que podem ter tido acesso aos dados pessoais dos usuários indevidamente, a equipe do Facebook faz entrevistas, solicita informações aos desenvolvedores e proprietários dos respectivos aplicativos e pode até fazer uma inspeção presencial em cada local. De acordo com o portal The Verge , o myPersonality estava com a revisão pendente.

Leia também: Criminosos usam sucesso de filme dos Vingadores para aplicar golpe pelo WhatsApp

    Leia tudo sobre: Facebook
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.