Bons recursos sociais e tela bastante nítida são outros pontos fortes do aparelho. Veja a análise

Junto com o Kindle, da Amazon, chegaram ao Brasil os leitores de livros digitais da Kobo. O modelo Kobo Glo (R$ 449) é mais caro do que o Kindle vendido no Brasil, mas traz vantagens em relação ao concorrente.

Veja um comparativo entre o Kindle e o Kobo Touch

Apesar de ter tela iluminada, é bom ressalter que o Kobo Glo não deve ser comparado a um tablet. Um e-reader tem um uso mais limitado e específico, o de leitura de livros. As telas dos e-readers são bem mais confortáveis para leitura, os aparelhos são mais leves, não esquentam e têm bateria com duração de um mês

É possível ler em um tablet, e muitas pessoas não se incomodam com o brilho da tela, mas verdadeiros apreciadores de livros, além de leitores vorazes, vão preferir um aparelho que é muito mais prático para isso. Vamos então à análise do Kobo Glo.

A favor:

• Tela de toque, bem nítida e iluminada;
• Plataforma ampla e caprichada;
• Aceita praticamente todos os formatos de arquivo;
• Estatísticas de leitura e premiação social.

Contra:

• É um dos mais caros do mercado;
• Tela sensível ao toque pode incomodar às vezes.

Design

O Glo é um dos aparelhos mais graciosos e bonitos do mercado, comparado até mesmo com seus parentes da linha Kobo. Ele é pequeno e prático, pesando o mesmo que o modelo Touch, 185 gramas.

Disponível em várias cores, atende ao gosto de todos: todo preto ou com moldura branca com traseira em prata, rosa ou azul. O modelo que recebi para testes é o branco e prata, muito bonito. As arestas são agudas, enquanto os cantos são arredondados, assim como a traseira.

Traseira do Kobo Glo tem material emborrachado
Stella Dauer
Traseira do Kobo Glo tem material emborrachado

A frente é de plástico fosco, e sua traseira é reta e possui acabamento emborrachado, com textura de losangos. Esse emborrachado tem maior qualidade do que o modelo Touch.

A moldura não é grande, mas permite uma boa pegada, ainda mais com o emborrachado na traseira.

Não há mais o botão home como havia no Touch, e agora são apenas dois, mas parte superior: o de energia e o que liga e desliga a iluminação, juntamente a um LED de aviso.

Fora esses itens, as únicas coisas além da tela são a conexão micro USB e um botão de reinício, que ficam na parte inferior do aparelho. Ele é discreto, no geral.

Tela

A tela tem 6 polegadas, definição XGA 1024 x 758 pixels (a mais alta do mercado) e tecnologia Pearl, que deixa a tela com mais qualidade. Além de tudo, ela é sensível ao toque, e por isso há poucos botões. Tudo é feito na própria tela.

O grande destaque que diferencia esse modelo do Touch é sua tela iluminada. A iluminação é diferente da luz de uma tela LCD, que é iluminada por natureza. Nesse caso, temos a tela de tinta eletrônica com a tecnologia ComfortLight, que é colocada ao redor tela.

Resumidamente, a tinta eletrônica consiste de bolinhas de tinta em um ambiente líquido. Quando precisam formar novas letras ou imagens, campos magnéticos fazem com que as bolinhas girem e mostrem seu outro lado, seja ele branco ou preto. Assim, enquanto você lê uma página, nenhuma energia está sendo gasta.

Assim, o Kobo Glo traz a união das coisas que queremos em um e-reader: tela boa de tinta eletrônica e luz, apenas quando necessário. Além de ativar a iluminação, é possível ajustar o nível do brilho.

A tela é confortável e perfeita para ler no escuro. Não tem o brilho forte (mesmo no fraco) dos tablets, e continua mantendo a solidez da tinta eletrônica, parecendo um livro bem iluminado. Além disso, a interface se adapta para a luz e muda os tons de algumas coisas. Na claridade, a leitura também é ótima.

Interface e usabilidade

A interface do e-reader (bem como dos outros aplicativos disponíveis) é um destaque, e pode até ser chamada de fofa. Na tela de descanso, um e-reader dormindo é mostrado, e uma figura similar aparece quando o produto precisa de carga.

Tudo é bem visual, há capas de livros e letras grandes, de fácil leitura e sempre de maneira suave. A interface às vezes exagera ao sempre tentar empurrar o leitor a comprar alguma coisa, mas também é muito simpática. As frases de informações e configurações são sempre informais, como se a conversa fosse pessoal com o leitor.

Tela de descanso do Kobo Glo
Stella Dauer
Tela de descanso do Kobo Glo

A home mostra um mosaico com seus cinco últimos livros abertos, e também mostra caminhos para sua biblioteca, busca de livros, a rede Reading Life, número de livros na lista de pedidos e informações do sistema, como bateria e menu.

A tela responde bem ao toque, e leva um segundo para se reapresentar. As transições não são rápidas como a de um smartphone, mas os leitores pacientes e acostumados a um virar de página não irão se importar.

Toda as outras funções e configurações funcionam com rapidez aceitável. Isso se deve às melhores tecnologias de tela e também ao processador de 1 GHz. Há conexão Wi-Fi, que funciona a contento, entregando livros com rapidez.

O real valor e utilidade da tela de toque pode aqui ser discutido. A ausência de botões físicos, que podem se quebrar com o tempo, a facilidade de apenas tocar no canto da tela para ter uma nova página (quase como em um livro), e outras coisas, podem ficar equilibradas com o incômodo de por vezes apertar a tela sem querer ao colocá-lo na bolsa, ou ao mudar de posição na cama.

Entretanto, algo que faz a tela de toque valer a pena é o teclado virtual. Assim, não é preciso digitar em um teclado físico, o que deixaria o aparelho maior, e nem interagir com as letras através de um único botão. Não é necessário afundar o dedo na tela, mas é preciso tocá-la por um pouco mais de tempo do que em gadgets de tela colorida, e isso pode exigir paciência.

Quando ligado pela primeira vez, o Kobo Glo pede que você acesse um site e baixe o aplicativo para seu computador para gerenciar os livros também no PC. Mas também é possível fazer tudo no próprio e-reader.

Alguns pequenos ajustes, como data e hora, conexão com a internet, e login em sua conta na Kobo/Livraria Cultura (obrigatório), e está tudo pronto. A opção para o idioma português do Brasil já aparece na configuração inicial (diferentemente do Touch, que só mostra nossa língua após uma atualização do sistema).

São 19 dicionários disponíveis, 13 deles já instalados. Os de português precisam ser baixados mas há, além do dicionário de termos, um de português-inlgês e outro inglês-português, muito úteis. Ao clicar sobre uma palavra, o termo aparece na hora, sem precisar de internet. Também é possível digitar uma palavra.

Depois, mexendo melhor nas configurações, você encontra muitas outras personalizações, como o que será exibido na tela de descanso, configurações gerais de leitura, conexão com o Facebook e com o Reading Life, informações sobre o dispositivo, entre outros. Lá também há acesso a um navegador bem simples.

E para quem quer se distrair no meio da leitura, o Glo traz dois jogos simples: xadrez e sudoku. São para se distrair, mas não deixam de desafiar a mente. Há também um sketchpad, onde é possível escrever notas ou desenhar, em um arquivo que é salvo em formato JPG.

Na busca é possível procurar na livraria ou na sua biblioteca, por autor, título ou palavra chave. Infelizmente, não é possível buscar dentro do conteúdo de todos os seus livros ao mesmo tempo. Você pode criar prateleiras, que são como coleções, onde você separa os livros do jeito que quiser.

Antes de comprar o livro digital, é possível baixar uma amostra do título. Infelizmente, nem sempre é uma parte muito grande. Clicando no botão de compra, você é levado ao preenchimento dos dados do cartão de crédito. Se você tiver passado em seu cadastro na Cultura antes, pode deixar a função de compra com um clique configurada.

Seu livro poderá ser lido em quantos dispositivos quiser, contanto que estejam cadastrados em sua conta. Não há limites para usar o ePub em cinco ou seis aparelhos.

Kobo Glo permite regular o tamanho da fonte
Stella Dauer
Kobo Glo permite regular o tamanho da fonte

Na loja, você pode acessar listas de leitura, que incluem títulos selecionados, por exemplo, pela Veja, New York Times, Vestibular, descontos, entre outros. Quando realizamos uma compra, a chegada do livro não é instantânea, mesmo com a compra com um clique. O título fica disponível aproximadamente 20 minutos depois.

Na hora da leitura, é possível fazer uma série de ajustes, incluindo nove fontes diferentes, 24 tamanhos, espaçamento de linhas, margens e justificação. E se você não estiver enxergando direito, é possível até mesmo mexer na nitidez da tela.

Todos os recursos esperados estão à disposição: anotações, grifos, definição e tradução de palavras. Tudo ali. O único porém é que as notas feitas ficam dentro do livro (sincronizadas com todos os apps), não sendo possível vê-las em um arquivo em separado.

Vantagens da plataforma

A grande vantagem da Kobo é sua parceria com a Livraria Cultura aqui no Brasil. O aparelho e todos os aplicativos já estão em Português, e funcionam perfeitamente no Brasil. Além disso, temos um contato brasileiro com quem falar em caso de problema. Se você tiver dúvidas ou dificuldades com seu aparelho, com a compra ou outros assuntos relacionados, pode ir até uma loja da Livraria Cultura e conversar com alguém.

Isso também vale para a assistência com problemas no e-reader, pois o Kobo mantém uma página que funciona 24 horas por dia para atender os clientes, via site, email e telefone.

É possível comprar livros na loja estrangeira da Kobo (as empresas juntaram os cadastros), e cada editora internacional decide quais livros poderão ser comprados por aqui. Mesmo havendo restrições, o acervo internacional é muito extenso.

Em sua conta mesclada, você consulta livros comprados tanto no Brasil como no exterior, e pode acessar todos eles em todas as plataformas disponíveis da Kobo. Embora não seja a mais completa, as empresas oferecem aplicativos para Windows, OSX, Android e iOS.

Ainda não há versões para BlackBerry e Windows Phone, mas isso pode ser resolvido com o Kobo Instant Reader, serviço de leitura na nuvem, em que você acessa seus eBooks de qualquer navegador em qualquer lugar do mundo.

Os aplicativos são todos de ótima qualidade, muito bonitos e muito completos, sendo possível fazer quase tudo com eles, assim com no eReader. São apps limpos, e que funcionam bem, aceitando até mesmo arquivos pessoais.

Leitura social

Se você é daqueles que gosta de compartilhar com o mundo tudo o que você está fazendo – ou pelo menos o que está lendo –, a plataforma Kobo é uma das melhores no assunto.

Utilizando um processo da gamificação (quando tarefas do cotidiano são transformadas em jogos), o sistema Reading Life oferece medalhas (badges) para cada etapa completada pelo leitor.

Kobo Glo premia usuário com medalhas virtuais por leitura de livros
Stella Dauer
Kobo Glo premia usuário com medalhas virtuais por leitura de livros

Quando ele abre o primeiro livro, quando começa a ler uma nova obra, quando termina o livro, quando compartilha muitos trechos, quando lê à noite, quando lê por horas seguidas… são centenas deles. Tudo é compartilhado (se você quiser) no Facebook, para mostrar aos amigos o quanto você tem lido.

Há também a possibilidade de compartilhar trechos dos livros, no Facebook e Twitter. Esse processo é fácil, mas não é muito bom, já que não coloca todo o trecho grifado. Isso tudo acaba incentivando a leitura dos amigos, que ficam curiosos com tantos comentários.

Os apps também rastreiam todo o seu comportamento de leitura, e oferecem um panorama de como você lê, incluindo horas mais ativas, número de páginas por hora, por sessão, quanto tempo passa lendo, quanto da sua biblioteca já está lida, quantas páginas virou… muita coisa, que não é super útil, mas é bem legal de saber.

E se você gostaria de saber o que outras pessoas acham dos livros e seus trechos, temos o Pulse. Nos apps para telas coloridas, ele fica abaixo do livro, e pisca com maior intensidade quanto maior for o número de leitores comentando aquela página.

Entrando no Pulse, você confere comentários de outras pessoas (protegido de spoilers), e vê quantas pessoas já leram esse livro, o que acharam, entre outros. Isso é realmente uma leitura social. Você pode achar bobo no começo, mas logo está explorando esses recursos.

Formatos aceitos

Existem diversos formatos de livros, cada um com suas características, e nem todos são aceitos em todos os aparelhos. O mais comum é o ePub, sendo um formato aberto e continuamente atualizado por um grupo de grandes empresas (entre elas, Apple e Adobe). Cada vez mais vem ganhando mercado, além de funções como vídeos, sons, animações e outros.

Assim, a grande vantagem do Kobo sobre seu concorrente Kindle é a leitura de arquivos ePub, que é mais robusto e completo do que o AZW (MOBI com proteção da Amazon). Versátil, ele também lê o MOBI e tem suporte a formatos de imagem sem conversão, tornando mais fácil a leitura de quadrinhos e mangás.

Então, ao todo, ele aceita os seguintes formatos: ePUB, PDF, MOBI, JPEG, GIF, PNG, BMP, TIFF, TXT, HTML, RTF, CBZ e CBR. Ele não é recomendado para PDFs pelo tamanho da sua tela, mas funciona muito bem com CBZ e CBR, formatos utilizados para HQs.

Bateria e armazenamento

Duração de bateria é sempre o forte de um e-reader. Se você não quer ler com tweets e mensagens pipocando a todo instante, perto de joguinhos atraentes, um e-reader é a melhor solução, ainda mais para quem gosta de ler muito, e concentrado.

O Kobo Glo tem carga para mais de um mês, com duas horas diárias de leitura, sem o WiFi ou a luz ligados. Com a ComfortLight, temos 65 horas de leitura.

Para carregar, ele leva quatro longas horas. Isso se deve à tecnologia utilizada na tela, chamada de tinta eletrônica. Ao contrário de displays de LED, ela não precisa ficar ligada toda hora, e só gasta energia quando precisa mudar o que está mostrando.

O armazenamento interno é de 2 GB, com 1GB disponível ao usuário. Parece pouco, mas aí cabem mais de mil livros. Se você ainda quiser mais, para guardar quadrinhos e mangás, há um slot para cartões microSD, que aceitam mais 32GB de espaço. Aí sim!

Os eBooks e seus preços no Brasil

O Kobo Glo é o e-reader mais caro do mercado brasileiro, e seu preço é quase o mesmo de um tablet mais simples. Para tentar amenizar isso, as empresas também trouxeram ao Brasil o Kobo Mini, que é menor e fica menos de 300 reais.

Sabemos que os livros digitais não são baratos por aqui, já que as editoras ainda precisam se acostumar ao mercado digital, e ver que ele pode ser rentável. Entretanto, para os que não querem gastar muito, mas querem ler muito, as empresas mantém um acervo de mais de 12 mil eBooks gratuitos, mais de uma vida de leitura.

E são 12 mil também o numero de livros (pagos) que a Kobo e a Livraria Cultura mantém na livraria online. Juntamente aos títulos internacionais, são mais de um milhão.

Com o tempo, conforme as editoras forem se acostumando com o ambiente digital, com as vendas virtuais, quando os livros começarem a se pagar, é muito provável que os preços baixem e se tornem mais competitivos. É questão de tempo, mas já veremos mudanças em 2013.

O que vem na caixa

Não espere muito da caixa de um e-reader. Nada é mais importante que o aparelho em si, e como ele não tem conexão de som, não há porque vir com fones. Nem com fonte ele vem, pois é feito para carregar diretamente no computador (você pode comprar uma, se quiser).

Na fina caixa temos apenas o eReader, um cabo micro USB e finos manuais. Nada mais do que isso. O legal é que ele já vem carregado, e pode ser tirado da caixa e logo ser posto em uso.

A Livraria Cultura já oferece acessórios oficiais no Brasil, como capas, envelopes, tomadas, carregadores para carro, entre outros. Mas, como seu tamanho é similar a outros e-readers e até tablets, é possível encontrar capas alternativas, e até películas para a tela em lojas virtuais.

O Kobo Glo vem com a tecnologia que permite a uma capa de ímã (similar à Smart Cover, da Apple) apague e ligue o aparelho só com seu abrir e fechar. Ainda não está à venda por aqui, mas é um item legal.

Para quem é

Um e-reader em si já é para os que apreciam leitura. Já no caso do Glo, é para os que precisam também de uma ajuda para ler no escuro, ou em locais de pouca iluminação, como um avião, ônibus de viagem ou até na cama.

Em relação ao Kindle, o negócio é o seguinte: se quer praticidade, vá de Kindle. Se preferir liberdade, o Kobo é sua escolha. Ele possui uma plataforma com vários apps e um acervo grande em português, além de ter interface e usabilidade muito boas.

Ficha técnica

Kobo Glo

Preço: R$ 449
Configuração:  tela de 6 polegadas, E-Ink Pearl touch com 16 tons de cinza e retroiluminação, resolução XGA 1024 x 758 pixels, processador de 1GHz, 2 GB de memória interna (1 GB disponível) + cartão microSD de até 32GB, USB, WiFi b/g/n.
Dimensões: 11,4 X 15,7 X 1 cm
Peso: 185 gramas
Autonomia de bateria: mais de quatro semanas de leitura, 70 horas com o ComfortLight
Itens inclusos: aparelho, cabo micro USB e guia rápido.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.