IdeaPad Yoga tem tela que gira 360 graus

Chegamos a mais uma nova era dos computadores de mesa. Enquanto muitos pregam o fim dos desktops e até dos notebooks, as fabricantes correm para oferecer novas soluções. Depois da queda dos netbooks, chegaram os ultrabooks, finos e potentes.

Veja análises de tablets

Um novo grau nessa evolução são os híbridos, ultrabooks que trazem funções de tablet, graças também ao novo Windows 8, que está integrando esses dois mundos. O Lenovo Yoga (R$ 8.999) foi um dos primeiros nesse campo, e ganhou diversos prêmios em feiras de tecnologia. Vamos ver como ele é.

A favor:
• Leve e com ótimo acabamento;
• Display multitoque que gira 360º;
• Ótimo som externo;
• Windows 8 é inovador e flexível.

Contra:
• Não há leitor óptico para CDs ou DVDs;
• Preço elevado;
• Não há acesso a memória, bateria e outros componentes de forma fácil.

Design

O Yoga é um ultrabook, mas seu diferencial reside mesmo é na tela. Seu nome faz menção à técnica indiana de contorção do corpo e o mesmo acontece aqui: a tela pode ser dobrada até 360 graus, ou seja, ela vira completamente sobre o eixo.

O Yoga deixa para trás bizarrices como aqueles modelos antigos de notebooks com telas giratórias e desajeitadas. Esse é o primeiro ultrabook híbrido que testamos, mas ele pode ser colocado como padrão para os outros. Aqui, temos arestas precisas, pouca espessura e dobradiças que se contorcem como ginastas.

 Yoga tem acabamento em cinza fosco
Stella Dauer
Yoga tem acabamento em cinza fosco

O acabamento é muito bonito, um emborrachado que evita marcas de dedo e ainda ajuda na pegada. Com espessura de apenas 1,7 centímetro, a tela é mais fina ainda. Ela dobra com a força das mãos, mas aparenta resistência. A tampa é cinza fosca (assim como a parte inferior), com o logotipo da empresa.

As bordas são protegidas com borracha, e o interior, preto, também é todo emborrachado. Abaixo da tela encontramos um botão home do sistema, que funciona igual à tecla Windows do teclado. Na frente, temos o botão de energia, um LED indicador de bateria e o botão Novo, que, ao ser pressionado, acessa a Bios da máquina.

A ideia é do Yoga é que ele possa ser usado também como tablet, mas isso é bem relativo. Apesar de leve para um notebook, ele é pesado e enorme para um tablet (1,54 quilo), e não é fácil segurá-lo confortavelmente nas mãos, como fazemos com um verdadeiro tablet. E, embora as teclas não sejam acionadas quando o Yoga está no modo tablet, é meio estranho ficar apertando botões na traseira do "tablet".

O teclado de 84 teclas parece o tradicional "chiclete", mas a Lenovo possui seu próprio design de teclas, conhecido como AccuType. São bem espaçadas e confortáveis ao digitar, fazem pouco barulho e são macias. O trackpad é bem espaçoso e liso, reconhece até 4 dedos e tem aproximadamente 5 polegadas, mas não possui os botões de clique separados, e isso pode atrapalhar no uso rápido.

Não há acesso fácil a nenhum upgrade. Troca de memórias, discos rígidos, baterias e outros componentes só podem ser feitas com a ajuda de chaves de fenda específicas e algum conhecimento.

Tela

Um dos destaques do aparelho se encontra aqui: as 13 polegadas são multitoque capacitivo, para que o Yoga também possa ser manipulado sem teclado ou trackpad. Com definição de 1600 x 900 pixels, ela possui tecnologia LED e suporta o toque de até 10 dedos ao mesmo tempo.

Ela é brilhante (alguns preferem fosca, fica do gosto de cada um) e possui uma webcam integrada HD de 720p. Com a tecnologia IPS, ela pode ser visualizada até mesmo em ângulos bem abertos. Tem formato wide e a moldura do Yoga o deixa ainda mais parecido com um tablet.

Os toques são bem interpretados, e uso da tecnologia capacitiva (difícil de encontrar em modelos mais antigos) faz com que tudo fique mais fácil na hora de usar a tela, que responde bem ao toque. Ela é bem suave no uso.

Conexões

Do lado esquerdo ficam uma conexão HDMI, uma USB 3.0, uma áudio combo (serve para fones e para microfones), um microfone embutido e botões de volume. No direito, botão que trava a rotação da tela, entrada para cartões SD, uma USB e a conexão de energia.

Atrás, saídas para som. A parte inferior é lisa, possui poucos adesivos e informações. No geral, o Yoga é uma máquina bem discreta, fina e bonita. As conexões e botões nos mostram que está preparado para ser notebook e tablet.

Processamento

Seu conjunto de processamento não é nada que impressione, mas traz bons itens. O processador é um Core i5-3317U 1.7GHz, 3ª geração dessa linha. Ele vem acompanhado de 4 GB de RAM DDR3 com 3 MB de cache. Seu armazenamento interno conta com 500 GB de disco rígido (a 5400 rpm) e 128 GB em SSD, um bom valor.

Sua placa gráfica é uma Intel HD graphics 4000, e seu chipset é um Intel HM77. O Yoga conta com WiFi b/g/n, Bluetooth 4.0 e leitor de cartões que é compatível com SD e MMC. Como todo ultrabook, não há mais espaço para leitores ópticos, mas pen drives e HDs externos podem ser utilizados com rapidez na porta USB 3.0.

Ele resistiu bem à multitarefa, mas não podemos exigir demais dele. Enquanto ele funciona super bem com o Windows 8, pode ficar sobrecarregado com excesso de aplicativos abertos. Ainda assim, seus resultados gerais são superiores a outros ultrabooks, cuja categoria já é esperado um desempenho inferior a notebooks.

Para os mais exigentes, há também um modelo com processador i7 da Intel.

Sistema e aplicativos

O sistema do Yoga é o novíssimo Windows 8, que espera servir como sistema operacional para portáteis variados e desktops, incluindo tablets, smartphones e notebooks. Por isso, ele precisa ser minuciosamente pensado, atendendo as necessidades de quem usa mouse e teclado e também de quem usa o dedo na tela.

A interface é parecida com a usada no Windows Phone. Ela é leve, sólida e brinca com sabedoria com as cores. Tudo nela se baseia em quadrados e retângulos pela tela, e as fontes são finas e suaves.

IdeaPad Yoga roda o Windows 8
Stella Dauer
IdeaPad Yoga roda o Windows 8

Como primeira experiência em um híbrido, foi muito melhor do que eu esperava. Me senti bem à vontade para utilizar o toque ou o teclado quando necessitasse. Com gestos na tela, você facilita ações que levariam vários cliques para serem desencadeadas.

Tudo é colorido. A home não possui mais um desktop, e sim os tiles, retângulos coloridos que se mexem constantemente, trazendo atualizações da internet e mostrando novidades (ainda há, entretanto, a velha e boa área de trabalho). Cada área e aplicativo possui seu menu, que pode ser acessado através de uma barra de ferramentas lateral, presente em todos os locais (tudo bem similar a sistemas de smartphones).

Ele é muito lindo, muito fluido, sendo realmente uma nova experiência, tanto para tablets, como (principalmente) para desktops e notebooks. É muito, muito diferente do que você está acostumado, tradicional usuário de Windows.

Mas nem tudo são rosas. Como nem todos os aplicativos são compatíveis com a Metro, temos que usar programas do antigo Windows, e botões como "X", que desliga os aplicativos, sumiram. Aqueles que já estavam acostumados com as antigas versões do Windows também passarão dias de desespero até se sentirem confiantes com o sistema.

A mistura do Windows 8 e a presença do SSD fazem com que tudo funcione rapidamente na maior parte das vezes. Além de iniciar velozmente, ele sai do repouso em poucos segundos, quase como um tablet.

É preciso aprender alguns gestos na tela para utilizar todo o potencial do sistema. Um arrasto de dedo da borda esquerda para a direita na tela muda para outro aplicativo aberto, enquanto o mesmo movimento, na posição contrária, abre a barra de ferramentas. Deslizar o dedo de cima para baixo revela uma tela dupla, onde você mantém um aplicativo com 80% da tela e outro com 20%, podendo trocar com outro arrasto de dedos.

São vários os aplicativos já instalados no sistema, e como destaque temos a suíte Office, Evernote, CookBook (livro de receitas), Skype e Lenovo OneKey Recovery (para backup e recuperação). Outros softwares, que atuam no sistema, também merecem menção: o Lenovo Motion Control permite navegar por fotos e músicas apenas a acenando com as mãos, utilizando a webcam.

O que você não encontrar na máquina, pode buscar na loja de aplicativos do Windows 8. É necessário reconhecer que ela ainda está um pouco pobre, são poucos os apps migrados para a nova interface, mas já temos muita coisa por lá. Só de jogos, são mais de 2500.

Notebooks com tela de toque: isso vai mesmo pegar?

Eu não creio que esses híbridos realmente se tornem uma febre, mas podem garantir uma sobrevida aos notebooks. Diferente de todos os notebooks com telas de toque que já testei, O Yoga já foi totalmente pensado para o toque. Design, hardware e sistema já foram criados com esse recurso em mente, em vez de apenas colocar uma tela sensível ao toque em um notebook comum.

Tela que gira 360 graus é o diferencial do Yoga
Stella Dauer
Tela que gira 360 graus é o diferencial do Yoga

Os novos híbridos (com o maior exemplo sendo o Yoga) não vão substituir os tablets, mas mostrarão ao usuário que também podem ser práticos ou maleáveis como um tablet, e que podem ser utilizado em mais ocasiões do que antes, ocuparão mais espaço nas casas e nos escritórios.

O Yoga traz sua tela em 360 graus como diferencial. Ela pode ser usada de quatro maneiras: como notebook normal; como tablet, com a tela aberta totalmente; display, onde fica como um "v" para baixo, útil para ver filmes; e stand, que deixa o teclado virado para a superfície e serve para ligações via Skype. O sistema bloqueia o teclado quando necessário.

O software Lenovo Transition percebe quando acontecem mudanças de modo de uso do computador e exibe automaticamente em tela cheia aplicativos abertos como o Excel quando o notebook é convertido para o modo display, stand ou tablet.

Bateria e mídia

A Lenovo promete 8 horas de bateria, e isso é realmente possível em uso moderado, com WiFi desligado. Com reprodução de vídeo, chegou até 5 horas e 45 minutos, um bom número. No modo de repouso, mesmo com o Wi-Fi ligado, ele alcançou mais de uma semana com o LED informando que ele ainda estava ligado. Impressionou.

Graças à conexão HDMI, é possível ligar o Yoga à uma TV HD, coisa que também pode ser feita através do Wi-Fi. A tela é ótima para assistir a filmes (ainda mais com o ultrabook na posição stand), e o som que sai da parte de trás é muito satisfatório, entregando bom estéreo, graves e agudos equilibrados e volume alto.

O que vem na caixa

A sucinta caixa do Yoga, como qualquer outro notebook, traz a máquina em si, uma (pequena) fonte, cabo de energia, guia rápido, garantia e informações de segurança.

Para quem é

O Yoga é diferente e instigante. Ele é versátil e tem muito mais usos do que um notebook comum. Traz um bom conjunto de processamento, Windows 8 e tela multitoque, mas esse kit tem um preço um tanto quanto salgado, o que ainda deve assustar um pouco os consumidores. Mas essa parece ser uma nova tendência, e os que apreciam total praticidade vão gostar desse modelo, fino e diferente.

Ficha técnica

Lenovo IdeaPad Yoga

Configuração: tela 13" LED HD com resolução de 1600 x 900 pixels, Windows 8, processador Intel Core i5 3317U 1.7GHz, 4 GB de memória RAM DDR3, placa de vídeo Intel HD 4000, armazenamento de 500GB HDD + 128GB SSD, Wi-Fi 802.11 b/g/n, Bluetooth 4.0 / USB 3.0 / USB 2.0, webcam: HD 720p.
Preço: R$ 8.999
Dimensões: 33,3 x 1,7 x 22,5 cm
Peso: 1,54 quilo
Autonomia de bateria: 5h45
Itens inclusos: Cabo de força, fonte e manuais

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.