Sony RX100 é fácil de usar e produz fotos espetaculares

NYT

Por David Pogue

Esta é uma análise da melhor câmera de bolso já produzida.

Mas antes, uma lição de história.

Durante anos, os fabricantes de câmeras temiam a concorrência de uma única fonte: outros fabricantes de câmeras. No fim, porém, o predador mais perigoso veio de uma direção inesperada: os telefones celulares.

Hoje, mais fotos são tiradas com celulares do que com as câmeras pequenas. Em sites de fotos como o Flickr, o iPhone é fonte de mais fotos do que qualquer câmera de verdade. Não admira que as vendas das câmeras de bolso venham caindo a cada ano.

As câmeras em celulares representam um delicioso desenvolvimento para as massas. Trazendo sua câmera consigo, há mais chances de que você tire fotos e capture imagens incríveis.

Em certo sentido, porém, a evolução também é ótima para os fabricantes de câmeras – que estão sendo obrigados a focar em áreas onde os smartphones são inúteis: lentes de zoom. Alta resolução. Maior qualidade de foto. Flexibilidade e recursos avançados. E por isso, embora as vendas de câmeras de bolso estejam em baixa, as câmeras mais profissionais passaram a vender mais.

Agora você sabe por que o momento é oportuno para a nova Sony Cyber-shot DSC-RX100. Trata-se de uma câmera pequena, do tamanho do bolso da calça, que estará disponível no final de julho (nos EUA) pelo doloroso preço de US$ 650.

Ou melhor, não estará disponível – os estoques estarão esgotados em toda parte. Vou direto para o principal: nunca surgiram fotos tão boas de uma câmera tão pequena.

A primeira razão é fácil de entender. A Sony RX100 possui um enorme sensor de 2,5 centímetros – o maior já inserido numa câmera de bolso. Ele não é tão grande quanto os sensores em câmeras SLR ou outras com lentes intercambiáveis. Mas tem duas vezes e meia a área da Olympus XZ-1 e quase três vezes a área da antiga campeã de qualidade entre as câmeras de bolso, a Canon PowerShot S100 (o pequeno corpo de metal brilhante da RX100 é exatamente igual a essas duas concorrentes). 

Sensor e lentes

Um sensor grande significa muitos pixels, o que lhe dá menos granulado em ambientes escuros, melhor profundidade de cores e maior intervalo dinâmico – o espectro dos pixels mais escuros aos mais claros.

Um sensor grande é também um pré-requisito para aquele visual profissional de fundo embaçado. A RX100 atinge facilmente esses fundos suaves, uma raridade em câmeras compactas.

O outro fator diferenciador da Sony é sua lente Carl Zeiss, cuja abertura máxima de lente é de f/1.8. Essa é a maior abertura que se pode obter numa câmera de bolso. Isso também ajuda a explicar sua capacidade de borrar o fundo, e os espetaculares resultados com pouca luz.

Como em qualquer câmera, a abertura diminui conforme você aproxima a imagem. Quando se atinge o zoom máximo nesta câmera, você fica com f/4.9. E isso ainda é melhor do que a abertura em zoom total da Canon – f/5.9.

Mas quer saber de uma coisa? Tudo isso é conversa de especialistas, e significa apenas uma coisa: essa câmera tira fotos incríveis. Se você quer saber o que os termos "sensor grande" e "ampla abertura" significam no mundo real, pare de ler e saboreie fotos de amostra. Há uma apresentação de slides em: http://j.mp/LdUu4h.

Lá você verá o que faz da RX100 uma revolução tão grande: quantidades insanas de detalhes e cores vivas, reais. Fotos do crepúsculo. Um modo automático que tira até 10 quadros por segundo. E fotos macro – o superdetalhe – que irão arrepiar o que restou de seus cabelos. Uma câmera SLR comum não pode chegar a menos de 25 centímetros do objeto com suas lentes padrão; a RX100 consegue focar a meros 5 centímetros de distância.

Controles

A RX100 é tão personalizável e manualmente controlável quanto uma SLR, mas traz também alguns impressionantes modos automáticos. Eles incluem "Illustration" (transforma a foto numa linha de desenho), "High Dynamic Range Painting" e o curioso – mas às vezes esclarecedor – "Auto Crop". Ele cria uma duplicata de seu retrato, recortado no que ele considera como a melhor forma. Algumas vezes ele acerta.

E o modo "Sweep Panorama". Você movimenta a câmera ao seu redor, num arco, pressionando o botão do obturador o tempo todo. Quando para, surge na sua tela um panorama completo, finalizado, de 220 graus. É a grande-angular definitiva. Montanhas, fotos de multidões, interiores de supermercados – você não vai acreditar em como isso é útil.

Para autorretratos, você pode configurar um temporizador. Ou usar seu modo ainda mais inteligente, onde a câmera espera até ver seu rosto no quadro. Então ela tira uma foto a cada três segundos até você sair da cena.

Como é comum nas compactas de hoje, não há um visor ocular – falta que pode incomodar. Mas a tela de 3 polegadas permanece clara e nítida mesmo sob sol forte, graças a um pixel adicional branco que a Sony inseriu em cada grupo de vermelho, verde e azul.

A captura de vídeo em 1080p não oferece o mesmo festival de nitidez das fotos. Mas você pode usar todos os efeitos fotográficos enquanto filma. E durante a gravação, você pode alterar o zoom, mudar o foco e até mesmo tirar fotos.

A Sony tomou a discutível iniciativa de voltar com a recarga dentro da câmera. Ou seja, não existe carregador externo para a bateria de 330 fotos. Em vez disso, a câmera é o próprio carregador, sempre que está conectada a uma entrada USB, como num laptop, ou numa tomada de parede. Prós: não há carregador para transportar e perder. Contras: é impossível carregar uma bateria sobressalente enquanto está usando a câmera.

Assim como sua câmera modelo, a Canon S100, você pode programar a função do anel de lente da Sony. O anel controla zoom, foco, exposição, abertura, qualquer coisa. Mas diferente do anel da Canon, o da Sony não faz um som de clique quando você o gira – som que aparece nos vídeos gravados.

Na mão, você também não sente os cliques. O anel gira livremente, conferindo uma sensação aleatória enquanto se ajusta uma configuração com pontos de parada naturais – como ISO (sensibilidade de luz) ou velocidade do obturador.

Essa não é a única desvantagem. A maior de todas, naturalmente, é que sobra pouco espaço para botões físicos. Todas as centenas de funções na RX100 são concentradas em cinco botões na parte traseira, um seletor de modo no topo, o anel ao redor da lente e um anel de quatro opções na traseira.

Não é para novatos

Os novatos considerarão a câmera difícil de manusear. Na verdade, é bastante claro que esta câmera não é para novatos. Além disso, eventualmente tudo acaba fazendo sentido. Você aprende a pressionar o botão Fn quando quiser ajustar uma configuração fotográfica, ou o botão Menu para mudar uma configuração da câmera.

A câmera possui uma lente com zoom de 3,6 vezes. A Canon S100 oferece mais do que isso (zoom de 5X). Por outro lado, a Sony tira fotos em 20MP, contra apenas 12 da Canon.

Normalmente, não sou muito fã de atulhar mais pixels numa câmera como estratégia de venda. Fotos de alta resolução demoram mais para transferir, enchem seu disco rígido mais rapidamente e são um exagero para a maioria das finalidades de impressão.

Mas no sensor da Sony, esses pixels são realmente úteis. Você pode recortar uma parte enorme da foto e ainda ter montes de megapixels para uma impressão grande; na realidade, você está amplificando o zoom.

Uma última desvantagem: em certas fotos, quando ajustei o contraste geral mais tarde, no Photoshop, percebi o surgimento de algumas áreas escurecidas nos cantos.

Câmera profissional

Esta é uma segunda câmera ideal para profissionais. E é uma excelente primeira câmera para qualquer amador que deseja tirar fotos com visual profissional, sem ter de carregar uma sacola de equipamentos.

Naturalmente, US$ 650 é um preço absurdo. Por esse valor é possível comprar uma SLR.
Mas a cada vez que transferir um lote de fotos ao computador, você entenderá por que gastou esse dinheiro. Você clicará sobre elas, estarrecido com sua qualidade ao parar o tempo, capturar a emoção de uma cena, consagrar uma memória ou uma expressão que você nunca vai querer esquecer. Você entenderá que a RX100 esmagou, sozinha, a regra que dizia: "Para tirar fotos de qualidade profissional, é preciso ter uma câmera grande".

E se você tem qualquer consideração pela fotografia, irá agradecer à Sony por oferecer à indústria de câmeras um bom empurrão para o futuro.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.