Com Android na versão mais recente, câmera de 8 megapixels e processador mais potente que do iPhone 5, Xperia SP é intermediário de respeito

Após lançar o Xperia ZQ, e também o Xperia L, foi surpreendente ver que a Sony está apostando em um mercado bem intermediário com o Xperia SP. O novo smartphone da empresa traz boa qualidade, mas fica abaixo do aparelho topo de linha Xperia ZQ.

LEIA TAMBÉM:
Veja outros testes de smartphones realizados pelo iG

Ainda assim, o Xperia SP reúne qualidades avançadas que o colocam acima de qualquer smartphone intermediário. O SP possui bom custo benefício, impressiona em alguns quesitos e decepciona em outros. Confira a análise:

A favor:

• Câmera de boa qualidade;
• Bateria de alta duração;
• Bom custo benefício.

Contra:

• Espaço interno pequeno;
• Sem acesso à bateria;
• Tela perde acuidade em ângulos maiores.

Design

O Xperia SP tem uma "cara" mais divertida que a do seu irmão mais velho Xperia ZQ, e o que mais justifica isso é a volta da barra de LEDs na parte inferior do aparelho, que chegou com os modelos Xperia U, Xperia P e Xperia S da linha 2012.

O aparelho tem visual moderno, típico da linha de smartphones da Sony. Assim como o ZQ, ele é uma barra com borda em metal, cuja frente é dominada pela tela de vidro, enquanto que a traseira é de plástico fosco. O modelo que recebi para testes é o branco, mas o produto também pode ser encontrado em preto.

Faixa de LED do Xperia SP fica da cor dos tons predominantes de fotos exibidas na tela
Stella Dauer
Faixa de LED do Xperia SP fica da cor dos tons predominantes de fotos exibidas na tela

A largura do aparelho permite que ele seja utilizado com apenas uma mão, e seu peso de 155 gramas não incomoda. O acabamento na parte de trás é um pouco escorregadio, então todo cuidado é pouco, e uma capinha é benvinda. Na verdade, ele tem praticamente o mesmo tamanho que o ZQ.

Nessa parte também fica a câmera (rodeada por uma argola de alumínio, que protege a lente contra riscos), o flash, um microfone extra e uma saída de som. No lado esquerdo fica a conexão microUSB desprotegida, enquanto os botões de volume, de energia e um exclusivo para fotos ficam na lateral do smartphone.

Acima temos a conexão de áudio e na frente o usuário encontra a tela, o microfone, os sensores, a câmera frontal e uma saída de som. Na parte inferior temos uma barra transparente de LED, que se ilumina de acordo com a situação.

Tela

Uma vez que não é um smartphone premium, a tela do Xperia SP é uma simples TFT, sem AMOLED ou outras tecnologias. Ao menos, ela tem o atraente tamanho de 4,6 polegadas, que se mostra mais confortável que as telas de 5 polegadas para muitas pessoas. Ainda assim, ele conta com definição HD de 1.280 x 720 pixels, 16 milhões de cores e 319 pixels por polegada (ppi).

Trata-se de uma tela muito nítida e clara, com ótima acuidade, que conta com a tecnologia Sony Mobile BRAVIA Engine 2 e é feita de vidro Gorilla Glass. Ela se mostrou extremamente sensível ao toque, podendo até mesmo levar a selecionar opções erradas, mas não fica bem sob a luz do Sol. A tela tem baixa qualidade de visualização em ângulos muito abertos, mas de frente é perfeita para filmes, jogos e livros.

Hardware e processamento

O Xperia SP é bastante poderoso, embora não fique entre os gigantes. Seu chipset é um Qualcomm MSM8960T Snapdragon, com CPU de 1,7GHz Krait com dois núcleos e GPU Adreno 320 (a mesma do Xperia Z), acompanhado de 1 GB de memória RAM.

Testamos o SP com os quatro principais aplicativos de benchmark para o sistema. No AnTuTu, ele fez 14.898 pontos (para comparação, o ZQ pontuou 20.746); no 3DMark (avalia o processamento de jogos) foram 5.663 (Xperia Z tablet fez 5.734 pontos, e o ZQ, 5.838).

No Vellamo (avalia o HTML5 e o processamento) ele teve 2.460 pontos em HTML5, se saindo melhor do que o HTC One X, e 743 em hardware, mais uma vez melhor do que o aparelho da HTC; e finalmente, no tradicional Quadrant, ele chegou a 7.364 pontos, melhor do que o tablet Samsung Galaxy Tab 10.1.

Isso tudo significa que ele é mais poderoso em processamento do que, por exemplo, o iPhone 5 e o Lumia 920, embora esses dois aparelhos possuam sistemas operacionais que não exigem da máquina tanto quanto o Android exige. Ainda assim, seu preço médio faz dele um aparelho com boa relação custo x benefício para quem procura algo de qualidade, sem gastar um absurdo.

E isso se comprovou em nossos testes práticos. Testamos o SP com títulos de jogos peso- pesados, como "Batman: The Dark Knight Rises" e "Dead Trigger". No primeiro, ele travou no início e depois ficou rápido, algo difícil de ver em outros modelos. No aplicativo de benchmark Epic Citadel ele teve FPS médio de 56,7 (comparado a 55,4 do ZQ, mas com esse sendo testado em Full HD).

Quando o assunto é multitarefa, ele não apresentou problemas. Mais de 15 aplicativos ligados ao mesmo tempo não fizeram ele se preocupar ou engasgar. Em matéria de navegação na internet, o Vellamo mostrou bons números. Na navegação geral do aparelho, ele se mostrou rápido e fluido.

Conexões sem fio

Nas conexões sem fio, o Xperia SP é completo, e conta tanto com as esperadas, como Wi-Fi a/b/g/n dual band, Bluetooth 4.0 com A2DP e GPS com A-GPS e GLONASS como também com NFC (Near Field Communications), Wi-Fi hotspot, Wi-Fi Direct e DLNA. O NFC permite a conexão com caixas de som e TVs, tudo sem fio. Com fio, temos o USB On The Go que permite, por exemplo, a conexão nativa de um controle DualShock 3 ao smartphone, perfeito para jogos.

Ele funciona em até seis bandas pelo 4G, três pelo 3G e é quad band em 2G. Inclusive, ser 4G o torna um aparelho com bom custo benefício, justamente pelo seu valor médio, deixando-o melhor do que o Nexus 4, fabricado em parceria pelo Google e LG, que só tem conexão 3G. Os sensores presentes são acelerômetro, giroscópio, proximidade, magnetômetro, bússola, luz, gravidade, aceleração linear, rotação e orientação.

Sistema operacional e usabilidade

A versão do Android é a 4.1.2 Jelly Bean, e deve receber atualizações futuras. A Sony tem sua própria interface, a Experience Flow. É possível dizer que a Sony tem se esforçado, pois cada vez a interface de seus aparelhos está mais bonita. As letras são pequenas e finas, os ícones são cheios de detalhes. Por isso, não é um visual ao qual quem não enxerga muito bem vá se adaptar. Ainda assim, a alta definição da tela propicia todo esse cuidado nos detalhes.

Nos menus e configurações, as cores predominantes são o cinza, o branco e o azul claro (que pode mudar de acordo com temas). No geral, os fundos são escuros e ligeiramente texturizados, o que ajuda na leitura das letras pequenas. As contas dos serviços mais famosos (como Facebook, Evernote, Google e Twitter) ficam nas configurações, como no padrão do Android. A barra de notificações possui atalhos para conexões e ações, mas é bem mais discreta que a dos aparelhos da Samsung.

Sistema operacional do Xperia SP é o Android 4.1.2, com interface bonita customizada pela Sony
Stella Dauer
Sistema operacional do Xperia SP é o Android 4.1.2, com interface bonita customizada pela Sony

A faixa de LED é um show à parte e deixa o SP mais divertido e mais bonito. Além de ser útil, pois funciona como notificador de avisos (quando chegam mensagens, quando a bateria está baixa, quando está carregando ou está carregada, entre outros) ou quando alguém está ligando (personalizável), também atua nas mídias, piscando no ritmo quando está tocando uma música no Walkman e ficando da cor predominante na foto quando estamos no álbum.

É possível, inclusive, escolher a cor do conjunto de LEDs para cada notificação, como para SMS, chamada perdida ou recebida, alarme, entre outros. Quando há uma mensagem do Facebook, por exemplo, eles piscam em azul. Se não gostar dos LEDs, é só desligar. E é nos ajustes também que você configura algumas funções especiais da linha Xperia, como o MirrorLink, que permite que o aparelho seja controlado por alguns dispositivos via Bluetooth ou USB, como o som automotivo.

Quando a memória interna está a 75% da capacidade, o sistema sugere que você transfira algumas coisas para o cartão de memória. Como o sistema não permite aplicativos no microSD, ele já mostra quanto espaço pode ser ganho ao se transferir fotos, vídeos e música, bastando um clique para fazer isso de forma automática.

Outras funções incluem o espelhamento da tela do Xperia SP em uma TV; o Sony Throw, que permite reproduzir conteúdo do aparelho direto em outros dispositivos, como receivers, smartphones, TVs e outros. O teclado é bem interessante, pois as teclas serem grandes e bem espaçadas e suportam a escrita ao deslizar o dedo pelas teclas (swipe). O reconhecimento de palavras e a correção automática funcionam bem.

O Clear Phase ajusta automaticamente a qualidade de som do alto-falante interno, enquanto o xLOUD intensifica esse som. Nos ajustes para tela há o "Modo para Luvas", que aumenta a sensibilidade da tela fazendo com que ela reconheça o toque mesmo sem o dedo estar colado à tela, funcionando a apenas alguns milímetros dela.

Sua interface de telefone é bonita e prática, colocando à disposição imediata os itens mais usados, como viva voz, rejeição de chamada, entre outros. Falando nisso, a ligação é clara e alta, assim como o viva-voz. O aparelho conta até com equalizador, supressão de ruído de microfone e um sistema que desacelera a fala do interlocutor.

Aplicativos

Temos todos os aplicativos do Google, entre eles o Chrome, Google+, Mapas, Play Store e YouTube. Há também o pacote básico fornecido pela Sony, que conta com agenda, alarme e relógio, álbum, calculadora, câmera, contatos, discador por voz, downloads, e-mail, filmes, mensagens, notas, notícias e clima e rádio FM.

Outros aplicativos especiais deixam o pacote mais útil ainda: encontramos apps de Backup e restauração, Modo para carro, NeoReader (leitor de QR Codes), OfficeSuite, TrackID (reconhecimento de músicas), Estúdio de filmes, Facebook e McAfee Security.

Assim como no ZQ, nesse aparelho o Timescape foi substituído pelo Socialife, que funciona como agregador de mensagens, com interface bem prática e bonita. Agora há uma interface semelhante ao Facebook. Nada inovador, mas com certeza mais prático que o aplicativo anterior.

Há também o PlayNow, Smart Connect (dispara ações de acordo com algumas tarefas, como conectar fones de ouvido ou etiquetas NFC), Reader by Sony (leitor de eBooks), Sony Select (sugestão de aplicativos), TrackID (reconhece músicas), Walkman, Wisepilot for Xperia (navegador GPS) e o Xperia Link (thetering).

Outro recurso bacana são os "Small Apps". Parecido com o que já vimos em alguns dispositivos Samsung, ao clicar no botão que mostra todos os aplicativos abertos, uma barra inferior apresenta pequenos aplicativos, que ficam abertos por cima de qualquer outra coisa que esteja rodando. Temos calculadora, contador, notas, controle remoto e gravador de voz. Outras dezenas de Small Apps podem ser baixados na Play Store.

O Xperia SP é PlayStation Certified, embora não venha com a PlayStation Store em sua memória. Isso significa que a Sony oferece ao aparelho o direito de rodar jogos da Sony feitos com a qualidade PlayStation. Contudo, na prática, isso ainda não significa muita coisa, pois ainda são poucos os títulos disponíveis.

Câmera

A câmera é um dos destaques do Xperia SP. Conta com 8 megapixels, menos que os aparelhos topo de linha, mas não deixa o usuário na mão no quesito qualidade. A Sony se gaba de seu sensor Exmor RS, e dá para dizer que os resultados foram bons. Possui recursos avançados como HDR, estabilização de imagem, foco automático, foco por toque, detecção de face e sorriso (tira a foto apenas quando detecta um sorriso) e etiquetas de geolocalização.

Nos testes, o aparelho mostrou uma acuidade de cores e arestas muito interessante em paisagens noturnas, principalmente de cidades. Mesmo tirando fotos do 23° andar de um prédio, foi possível ver com boa clareza os carros que passavam na rua. A câmera pega muito bem a luminosidade do ambiente.

Câmera traseira do Xperia SP, de 8 megapixels, cumpre bem o seu papel
Stella Dauer
Câmera traseira do Xperia SP, de 8 megapixels, cumpre bem o seu papel

A qualidade se deve à tecnologia BSI no sensor, que realiza uma troca de elementos na estrutura da câmera, fazendo com que ela capte melhor os feixes de luz. Dessa forma, a câmera apresenta melhor desempenho em fotos noturnas, pois absorvem mais informação do ambiente.

Em média luz interna há um mínimo de granulação e um pouco de distorção de cor, mas tirou fotos boas à luz do dia. O HDR funciona bem e dá mais intensidade nas cores da foto, embora as imagens normais não fiquem devendo muito nesse item.

O macro, no geral, tem bons detalhes, só mostrando a face dos 8 megapixels quando aumentada. O zoom digital definitivamente não deve ser utilizado, trazendo resultado ruim, embaçado e pixelado. No vídeo, que pode ser capturado em Full HD (1080p), a qualidade também foi aceitável e contou com estabilização, o que evita um pouco os borrões por excesso de velocidade no movimento.

Aqui também contamos com botão exclusivo para fotos, que pode tirar o aparelho do stand by diretamente para a câmera, caso seja mantido pressionado com a tela apagada. No final, eu preferi as fotos pelo toque na tela, por poder escolher o local do foco, mas o botão é útil também.

São vários modos de foto: o já conhecido Sweep Panorama (faz boas fotos panorâmicas arrastando o smartphone pela imagem), Normal, Cenas (9 diferentes) e o Superior Auto, que além de escolher os melhores ajustes, também ativa o HDR e a redução de ruído quando necessário.

Entre os ajustes, você pode mexer no ISO, balanço de branco, valor de exposição, medição e temporizador. A câmera também microfone dedicado com cancelamento de ruído e a possibilidade de fazer fotos durante a filmagem. A câmera frontal possui qualidade apenas VGA, e acaba servido apenas para chamadas de vídeo. Pode até quebrar o galho em alguma fotos, mas deixará um efeito de névoa e com visível falta de qualidade.

Música e mídia

Os fones de ouvido que vêm na caixa são brancos e convencionais. Mesmo não sendo intra-auriculares, são de boa qualidade. Os fones de ouvido possuem um bom estéreo e graves e agudos equilibrados, embora não sejam muito altos. Com a tecnologia xLOUD, obviamente não se tem a qualidade de um bom dock, mas ele se saiu bem sozinho, com pouca distorção e volume bem alto. Há rádio FM também.

Para filmes, ele se sai muito bem. Com resolução de tela HD e tecnologia Mobile Bravia Engine, ele é um bom centro de mídia. As cores são vibrantes e o som é adequado para vídeos. Não é estéreo, mas é alto e claro. Ele reproduz arquivos em Full HD sem tropeços e, para ser ligado a uma TV HD, é preciso adquirir um cabo adaptador de USB para HDMI, uma vez que o SP conta com o protocolo MHL em sua conexão.

Bateria e armazenamento

A bateria de 2370 mAh acabou surpreendendo. Com uma tela de quase cinco polegadas e processamento dual core, não esperava chegar com o SP tranquilamente a 22 horas de carga, com atualização automática de e-mail, Wi-Fi, Bluetooth e 4G ativados, além de executar tarefas como streaming de música, bate papo por texto e por vídeo e alguns jogos.

Em stand-by, com menos uso, o rendimento aumenta para dois dias, números vistos apenas em aparelhos mais simples, com menos tela e menos processamento. O resultado em ambos os casos fica ainda melhor quando utilizado o modo Stamina, uma série de recursos que ajudam a economizar bateria. Um deles faz com que a conexão Wi-Fi só se mantenha ligada quando há uma rede conhecida ao alcance. Outro mantém a rede de dados desligada enquanto a tela está apagada.

Já o quesito armazenamento preocupou. Para os testes iniciais, resolvi baixar vários jogos com bons gráficos, além do pacote usual de aplicativos. Não deu para baixar tudo, porque ele possui 8 GB de armazenamento interno. Isso já é pouco e fica ainda mais limitado quando encontramos apenas 5,8 GB disponíveis.

É possível utilizar cartões de memória de até 64 GB, o que é ótimo para músicas, filmes e outros arquivos, mas como essa versão do Android não permite instalar aplicativos na memória externa, não ajuda aqueles que gostam de ter muita coisa para experimentar no aparelho.

O que vem na caixa

A caixa do Xperia SP possui todo o necessário, embora seja resumidamente simples. Além do aparelho, há um fone de ouvido convencional (com microfone e botões), manuais, carregador de viagem e cabo USB.

Para quem é

O Xperia SP é um smartphone poderoso, sem precisar custar o mesmo que um topo de linha. Fica bem atrás do ZQ no quesito processamento, mas ainda assim não deixa o usuário na mão em qualquer tarefa. Sua bateria tem boa durabilidade e a tela tem tamanho ideal.

É o aparelho para quem não quer gastar demais, mas não abre mão de design e qualidade. Seu concorrente no Brasil é o Nexus 4 e, no quesito visual, com certeza o Xperia SP se sai melhor. Seu único (e maior) porém está no armazenamento interno, então se você é daqueles que gostam de jogar ou usa muitos e muitos aplicativos, melhor repensar a escolha.

Ficha técnica

Sony Xperia SP C5303

Preço: R$ 999
Configurações: tela de 4,6 polegadas com resolução de 1.280 x 720 pixels, sistema operacional Android na versão 4.1.2 (Jelly Bean), processador Qualcomm de 1,7 GHz com dois núcleos, 1 GB de memória RAM, conexões GSM/HSDPA/3G/LTE/4G, 8 GB de memória interna, câmera de 8 megapixels com flash LED, Bluetooth 4.0, GPS, NFC.
Dimensões: 13 x 6,7 x 1 cm
Peso: 155 gramas
Autonomia de bateria: Até 24 horas em stand-by / Até 10 horas em conversação e internet
Itens inclusos: aparelho, manuais, carregador de viagem, fones de ouvido e cabo USB.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.