Celular da Sony possui tela de 4 polegadas e custa R$ 700

O lançamento recente do Moto G, a Motorola, com uma ajudinha do Google, sacudiu o mercado dos smartphones intermediários. Com preço na faixa de R$ 650 em sua versão mais básica, o smartphone elevou as expectativas sobre celulares intermediários.

Veja testes do Moto G , Lumia 520 , Optimus L7 II e outros smartphones

Aposta mais recente da Sony nesse mercado, o Xperia M Dual (R$ 700) não é tão poderoso quanto o Moto G, mas tem algumas vantagens sobre o rival. Entre elas está a porta microSD que permite expandir a memória de armazenamento de documentos. Veja mais detalhes do Xperia M Dual no teste a seguir.

A favor:

• Grande duração de bateria;
• Dual chip SIM, suporte a 4G;
• Completo em conexões sem fio;
• Design bonito e bom acabamento.

Contra:

• Armazenamento interno com pouco mais de 2 GB livres;
• Não reproduz vídeos em Full HD.

Design

Muito bonito, o Xperia M segue o estilo da linha 2013/14 da Sony. O aparelho vem nas cores preta e branca. O modelo branco, testado, é vistoso e chamativo. 

O Xperia M tem acabamento em plástico, com frente é de vidro e traseira é fosca. O acabamento traseiro fosco não acumulou muita sujeira durante os testes. Mesmo sendo de material fosco, bastava passar a mão no plástico que qualquer sujeira sumia.

As bordas arredondadas facilitam na hora de segurar o aparelho. Mesmo com uma só mão é possível alcançar toda a tela com o dedão. Falando na tela, encontramos na parte frontal inferior também um LED multicolorido de notificação e microfone. Com 115 gramas ele não é nem leve e nem pesado, fica na média. Cabe bem em qualquer bolso e tem boa ergonomia.

Tela

A tela é boa, mas não tem nenhum destaque especial. Não há muitos destaques nesse display de quatro polegadas. Ela tem definição de 480 x 854 pixels e densidade de pixels de 245 ppp.

Xperia M Dual tem tela de 4 polegadas
Stella Dauer
Xperia M Dual tem tela de 4 polegadas

Mesmo sem novidades, a tela do Xperia M é boa. É difícil enxergar os pixels e há bom brilho e acuidade bem aceitável. A definição não é de ponta, mas o tamanho de 4 polegadas se mostra ideal para quem tem receio de telas grandes e prefere algo mais compacto.

A moldura em volta da tela é larga e, embora atrapalhe um pouco o visual do aparelho, ela ajuda ajuda no uso do aparelho. A largura extra dá apoio aos dedos na hora de digitar, jogar e realizar outras tarefas, causando menos em erros.

Há também proteção antirrisco no vidro, que quase parece plástico, uma vez que é um pouco flexível. Porém, tanto o vidro como o plástico do aparelho apresentaram ótima resistência e, mesmo em uso prolongado, não tiveram riscos e detalhes.

A visualização em ângulos mais abertos não é das melhores, e a tela chega a escurecer completamente em pouco mais de 45 graus.

Hardware e processamento

Com hardware mediano, o Xperia M se encaixa bem nos aparelhos intermediários de 2013 e do início deste ano. Contamos aqui com um chipset Qualcomm Snapdragon S4 Plus, CPU dual core de 1GHz Krait, GPU Adreno 305 e 1GB de RAM. Esses dois últimos itens são os mesmos do Moto G.

Nos testes de benchmark, ele foi tão mediano quanto seu processamento. No AnTuTu, marcou 11.183 pontos, similar ao Samsung Galaxy S2, mas menos do que o Nexus 4; no Geekbench 3 foram 627 pontos, enquanto que no Quadrant ele fez 4.177 pontos, igual ao tablet ASUS Transformer Prime.

Para jogos, no 3Dmark, ele pontuou 4.289 no Ice Storm, 2.213 no Ice Storm Extreme e 3.719 no Ice Storm Unlimited. No Epic Citadel, que mede os FPS máximos, ele chegou a 51.6 fps em alta qualidade. No caso da internet, sob o benchmark Vellamo, ele fez 1.717 pontos, algo bem parecido com o Motorola Razr i.

Xperia M Dual tem bom desempenho nas tarefas mais comuns
Stella Dauer
Xperia M Dual tem bom desempenho nas tarefas mais comuns

Alguns desses resultados chegam a ser cerca da metade dos apresentados pelo Motorola Moto G, mesmo com hardware similar em alguns pontos. O espaço interno e o sistema mais defasado, além do processador dual e não quad core, acabam fazendo diferença.

Ainda assim, o Xperia M se mostrou bem razoável no uso para o dia. Em tarefas básicas de um smartphone, como conferência de email, navegação, redes sociais, música e alguns jogos, ele não teve qualquer problema.

Em testes com diversos jogos, ele não teve problemas nem mesmo em Dead Trigger 2, título de primeira pessoa que conta com muitos gráficos e movimentos na tela. Jogos um pouco mais exigentes, como Real Racing 3, entretanto, ficam ligeiramente lentos, e podem ter sua usabilidade comprometida.

Nas conexões sem fio, ele se mostrou bem completo, principalmente por causa da presença do NFC, que a Sony exalta por facilitar a comunicação com outros aparelhos e também com acessórios da marca.

Sistema operacional e usabilidade

A versão do Android embarcada no Xperia M não é muito atual, sendo a 4.2.2 já atualizada. Há rumores de que ele chegue ao 4.3 Jelly Bean, mas nada oficial. Essa diferença de versões, porém, não faz grande diferença para a maioria dos usuários. 

Um recurso do Xperia M vem na forma de mini apps. Esses aplicativos ficam "por cima" de outros quando acionados. Assim não é necessário trocar de aplicativo a toda hora para ver alguma informação. É um recurso presente também em alguns modelos da Samsung e da LG. Entre os aplicativos que podem ser executados como miniapps estão gravador de voz, Chrome, calendário e Gmail.

Xperia M Dual roda Android 4.2
Stella Dauer
Xperia M Dual roda Android 4.2

Na tela de bloqueio, assim como em outros Androids, deslizar o dedo para a esquerda liga a câmera, e para direita abre um widget pré configurado pelo usuário. E, falando em câmera, o botão dedicado para fotos ativa em apenas três segundos o app.

Os dois chips SIM possuem uma área de configuração em que você pode renomeá-los e também escolher qual recebe chamadas, qual acessa a internet e qual o toque de cada um. Há também a possibilidade de encaminhar chamadas para o outro SIM quando um não estiver disponível em rede.

Outro recurso interessante para um aparelho intermediário é a possibilidade de espelhar o conteúdo da tela em uma TV, via WiFi. O LED de notificação que fica abaixo da tela é discreto mas bonito, e pode ficar da cor predominante das fotos apresentadas, além de brilhar com cores distintas para funções como SMS, chamadas perdidas e outras.

Aplicativos

Como veremos abaixo, espaço limitado é um problema no Xperia M. E isso piora muito quando percebemos que há 53 aplicativos já embutidos na memória. Praticamente todos são úteis, mas nem sempre o usuário precisará deles.

A Sony inseriu algumas coisas bem interessantes como Backup e restauração, Estúdio de filmes, Suporte, Rascunho (um app de desenho legal), Reader by Sony, Smart Connect (deixa mais esperta a conexão de qualquer gadget ou periférico), Walkman, TrackID (identifica músicas) e até apps de terceiros como Facebook, OfficeSuite e um demo de McAfee Security.

Ela também colocou seus serviços de venda conteúdo, Music Unlimited e Vídeo Unlimited, as recomendações do Sony Select, além do app PlayStation Mobile, que oferece games feitos pela Sony, com qualidade PlayStation, mas ainda engatinha esse serviço.

Câmera

Com os mesmos 5 megapixels de sensor presentes no Moto G, a Sony traz, como já esperado, maior qualidade de imagem. Além do sensor, há zoom digital de 4x (pouco recomendado), HDR, foco automático e filmagem em HD simples.

Em boa luz, principalmente em paisagens, a qualidade das fotos é ótima. Com menos luz, já é possível ver granulações na imagem, além de comprometimento da estabilização. As cores são equilibradas (mas às vezes podem azular um pouco), e a acuidade é boa quando em condições propícias.

Xperia M Dual tem câmera de 5 megapixels
Stella Dauer
Xperia M Dual tem câmera de 5 megapixels

Em situações contrastantes ela agradou, e trabalhou bem com luz e sombra fortes. Ela exagerou um pouco nas cores verdes, deixando-as muito vivas, mas isso também acaba sendo culpa do HDR. Em baixa luz ela granula, mas até que manteve o controle e trouxe imagens razoáveis.

A interface do aplicativo da câmera é boa, pois possui informações em letras grandes, ajudando quem enxerga mal e erra ao apertar coisas muito pequenas na tela. Se de um lado há o botão de foto, de vídeo, galeria e troca de câmera, do outro há escolha de modo, valor de exposição, HDR, flash e configurações.

Além opções já citadas, temos ISO, modo de foco, detecção de sorriso, disparador automático, medição, estabilizador, geotagueamento e diversos efeitos interessantes, como olho de peixe e caleidoscópio.

O vídeo em HD é bem razoável para o que propõe, e a captação de áudio em estéreo – graças à presença de dois microfones – é muito boa. Há também uma câmera frontal, com qualidade VGA, que quebra um galho para vídeo conferências.

Música e mídia

O som externo, tanto para músicas como jogos e filmes, é de excelente qualidade. Alto, ele não enfrenta muita distorção nem no volume máximo, embora traga o conhecido excesso de agudos e falta de graves, problemas dos quais quase todo smartphone é vítima.

É um áudio claro, mas sem muito estéreo, uma vez que há apenas uma saída de som (a da frente também funciona, mas é bem mais baixa). As tecnologias Clear Phase e xLOUD fazem a diferença. Na caixa há fones de ouvido, mas não os recebemos para testes, e por isso não podemos discorrer a respeito deles.

Por seu processamento e qualidade de tela, ele não executou vídeos em Full HD, e aqueles em HD variavam dependendo de formato, tamanho e origem, significando que os codecs nativos não são muito completos.

Seus aplicativos de mídia, entretanto, são geniais. Além de terem interfaces belas e funcionais, há funções especiais como conexão junto ao Gracenote para pegar capas de discos, posteres de filmes e mais informações sobre o conteúdo, incluindo muitos ajustes de áudio. Ele também conta com rádio FM.

Fones de ouvido 

No kit do Xperia M, a Sony enviou os fones de ouvido estéreo Bluetooth SBH20 um gadget muito simpático que, pelo preço médio de R$230, é uma boa alternativa para quem não quer ficar preso a fios, mas ainda assim poder escolher quais fones vai querer usar.

Trata-se de um pequeno quadrado colorido, que conta com Bluetooth e NFC, sendo de fácil conexão com quaisquer aparelhos que tenham a primeira tecnologia. A esse quadrado você pode conectar qualquer fone, inclusive os intra-auriculares que a Sony manda no pacote.

É possível controlar totalmente o volume, faixas, play, pause e stop a qualquer momento, evitando ter que mexer no smartphone. Com apenas 15 gramas e um clipe traseiro, pode ser acoplado em qualquer lugar. Sua bateria chega a quase cinco horas de uso direto, e o alcance é de até 12 metros sem obstáculos e de 7 metros com até duas paredes no meio. 

Bateria e armazenamento

A duração da carga da bateria de 1750 mAh é um ponto forte no Xperia M. Tranquilamente, com uso moderado, você consegue ficar longe da tomada por mais de 24 horas. Isso usando WiFi ligado o dia todo, dois chips SIM em funcionamento, push mail e ligações esporádicas.

Com uso mais intenso, a bateria chega a 6 horas de jogos ou filmes, e 13 horas de música. Em stand by, não é difícil vê-lo passar das 48 horas ligado direto. Isso, como sempre está ligado ao modo Stamina, tecnologia desenvolvida pela Sony, e que desativa conexões sem fio quando não estão sendo usadas, entre outras ações.

De início, encontrei míseros 2 GB disponíveis para o usuário. É muito pouco, e prejudica severamente o uso do aparelho. Não há nem um cartão microSD na caixa para compensar na área de mídia, então você vai precisar comprar um.

O que vem na caixa

A caixa do Xperia M é uma das mais sucintas que já vi. Se para você o que chamam de necessário é apenas o aparelho e seu carregador, é o que você terá. Encontramos apenas o smartphone, sua bateria, um cabo USB / microUSB, um carregador de viagem (sem fio) e alguns manuais.

Não encontramos cartão de memória, propaganda, cases extras e qualquer outra coisa que aumente o valor do conjunto. É apenas o básico, e nada mais.

Para quem é

Comparando com o smart da vez, Moto G, o Xperia M tem sim vantagens sobre esse. Primeiro, conta com slot para cartão de memória, aceitando até 32 GB a mais, perfeito para quem gosta de muita música.

E quando o comparativo fica entre a bateria, o Xperia M também se sai melhor, passando das 60 horas em stand by em uso pequeno. O NFC e o WiFi Direct, presentes no Xperia M, não são encontrados no Moto G.

É um bom smartphone para os que precisam de espaço para mídia, curtem música, precisam de boa bateria e dois slots para chip SIM.

FICHA TÉCNICA

Sony Xperia M C2004

Preço: R$ 700
Configuração: tela de 4 polegadas com resolução de 480 x 854 pixels, sistema Android 4.2.2 Jelly Bean, processador Qualcomm MSM8227 Snapdragon S4 dual-core Krait 400 de 1GHz, 1GB de RAM, 3G/4G, 4 GB de armazenamento interno, câmera de megapixels, Wi-Fi 802.11 a/b/g/n dual band, WiFi hotspot, NFC, WiFi Direct, DLNA, GPS com A-GPS, Bluetooth 4.0, USB OTG.
Dimensões: 12.4 x 6.2 x 0.93 cm
Peso: 115g
Autonomia de bateria: Até 50 horas em stand-by / Até 25 horas em conversação e internet
Itens inclusos: aparelho, guia rápido, carregador de viagem, fones de ouvido, borrachas para os fones e cabo USB.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.