Novo aparelho topo de linha da Samsung tem todos os recursos imagináveis

Nos últimos anos, os lançamentos dos aparelhos da linha Galaxy S têm sido tão aguardados quanto os do iPhone. Há duas semanas, o modelo mais novo dessa linha, o Galaxy S5 (preço médio de R$ 2.400) chegou ao Brasil. 

Veja testes do Xperia Z Ultra , Moto G e outros smartphones

O S5 chegou cercado de expectativas em relação a novidades como monitor cardíaco, leitura biométrica e filmagem em 4K. Testamos esse smartphone até o limite para dizer se ele realmente vale a pena, ainda mais levando em conta o preço. Vamos então ao teste.

A favor:

• Reúne tudo o que um smart top de linha deve ter e mais um pouco;
• Câmera que filma em 4K, junto com tela Full HD;
• À prova d'água.

Contra:

• Carcaça ainda é de plástico, visual mudou pouco;
• Sem mudanças significativas em relação ao S4;
• Falantes poderiam ser estéreo;
• Não tem botão dedicado a fotos ou vídeo.

Design

Se você tem o S4 e estava esperando o Galaxy S5 para mudar para um smartphone mais sofisticado do ponto de vista do design, esqueça. Obviamente a empresa melhorou  alguns pontos no aparelho, mas estes são menos estéticos e mais técnicos.

Além de ser o tradicional formato retangular com os cantos arredondados, ele tem praticamente a mesma cara do S4, com tela que ocupa quase toda a frente, saída de som e logotipo em cima, com o botão físico central (odiado por alguns) e botões capacitivos ao seu lado.

Galaxy S5 tem traseira com textura que imita couro
Stella Dauer
Galaxy S5 tem traseira com textura que imita couro

Há um microfone e uma conexão micro USB 3.0 na parte inferior, protegida por uma tampa plástica, e na parte superior temos a conexão de áudio, microfone e emissor infravermelho. As laterais são feias, em plástico prateado brilhante com sulcos que o deixam parecendo um pé de mesa. Não sei qual a justificativa para isso.

Encontramos o botão de volume no lado esquerdo e o de energia no lado direito. A traseira foi o que mais mudou, e não tem mais o ar de metal escovado com cores escuras que teve em outros modelos. Agora, ela traz cores peroladas, com uma textura física de pontos afundados, bem diferente.

A traseira de plástico do S5 não conta com acabamento emborrachado ou brilhante, e é uma espécie de plástico fosco que imita couro. O modelo que testei é branco, mas o S5 também pode ser encontrado em preto e em um lindo azul aqui no Brasil. Uma versão dourada existe no exterior e pode chegar aqui ainda em 2014.

Nessa traseira ficam a câmera e, abaixo dela, seu flash acompanhado de alguns sensores, entre eles o de medição cardíaca. Há também o logotipo da empresa, a inscrição do 4G e uma saída de som, a única não centralizada, um pouco protuberante (como é a câmera, pouco protegida pela sua moldura), do lado esquerdo.

Ele ficou mais pesado do que o S4, e possui 15 gramas a mais, totalizando 145. Ainda assim é bem leve, e seu tamanho, mesmo com a grande tela, é muito confortável. O aparelho pode ser facilmente levado no bolso e segurado com apenas uma mão. Ele também está mais espesso, e dos 7.9 milímetros do S4, temos agora 8.1 no S5. 

À prova d’água

Completando o pacote, o S5 possui certificação IP67, o que garante que ele é à prova de líquidos como chuva, suor e outros líquidos em geral, além de poeira e areia. O número 6 atesta uma boa resistência a partículas, e isso significa que ele pode ser utilizado na areia da praia. Já o 7 mostra resistência abaixo d'água, em até um metro por 30 minutos.

Isso não vale para água do mar (que pode corroer componentes), água muito gelada ou muito quente (acima de 60 graus), mesmo que doce, e as tampas todas precisam estar sempre muito bem fechadas. No modelo que testei, a tampa do USB precisou de muita atenção para ficar completamente encaixada.

LEIA TAMBÉM: Arroz e areia para gatos podem salvar celular "afogado"

Como não há botão exclusivo para fotos e vídeo, você não poderá acionar qualquer função debaixo d'água, pois nessa condição é como se toda a tela estivesse sendo tocada, inviabilizando o seu toque.

Testei o aparelho sob o chuveiro. Para ouvir músicas, sem interagir com ele, não houve problema. Mas, como disse, não é possível mexer na tela, e até mesmo colocá-lo embaixo da água pode deixá-lo maluquinho. A água, quando cai na saída de som, naturalmente deixa o volume mais baixo, pois tampa essa saída. Para voltar ao normal, basta sacudí-lo e a água sairá. Depois de chacoalhar bem, lembre-se de abrí-lo e secá-lo.

Tela

A tela é excelente, uma das melhores que a tecnologia atual pode nos proporcionar. Eu sou mais adepta da tecnologia IPS, mais fiel às cores e com bom ângulo de visualização, mas o Super AMOLED presente no S5 sempre impressiona pela vivacidade e intensidade.

Tela do Galaxy S5 tem resolução Full HD
Stella Dauer
Tela do Galaxy S5 tem resolução Full HD

A resolução, obviamente, é Full HD, e sua densidade de 432 ppi é menor do que as 441 do S4, mas isso se deve ao fato de que sua tela é maior, com 5.1 polegadas (a do S4 é de 5). Capacitiva multitoque, ela traz 16 milhões de cores e proteção Corning Gorilla Glass 3 no vidro (se mostrou eficiente para o dia-a-dia).

É um display ótimo para qualquer coisa e reage relativamente bem ao sol, em brilho máximo. O toque é suave e preciso, e tão sensível que possui modo para uso com luvas e outro que detecta o dedo antes mesmo que ele encoste na tela, mostrando informações em janelas flutuantes.

Para digitar, a pequena moldura ao redor da tela quando o aparelho está na vertical não incomoda, nem com a ligeira borda proeminente que envolve a frente e protege de alguns riscos. O teclado possui botões pequenos, mas espaçados, e o corretor ortográfico e a velocidade de processamento fazem com que escrever nele seja muito rápido e preciso.

E, para garantir que você possa fazer tudo segurando ele com apenas uma mão, é possível ativar um recurso que, diminui a imagem da tela, permitindo assim que apenas o dedão alcance todos os itens necessários.

Hardware e processamento

Pode parecer difícil, mas não temos aqui o maior processamento da atualidade. Seu próprio irmão, o Galaxy Note III , o supera em diversos testes de benchmark. Para o usuário comum, isso significa pouca coisa, já que os dois irão executar qualquer coisa com maestria.

O conjunto conta com chipset Qualcomm MSM8974AC Snapdragon 801, CPU quad-core Krait 400 de 2.5GHz, GPU Adreno 330 e 2GB de RAM. Ele e o Note III são bem similares nesse quesito, mas o grandão da Samsung leva a melhor pois traz 3 GB de RAM, muito importante aqui. O S5 não tem processamento 64 bits como o chip A7 da Apple, usado no iPhone 5S .

Nos testes de benchmark, quase todos os resultados foram superiores. No AnTuTu obtive 35.429 pontos, acima do Note 3. No Geekbench 3 foram 2.834 pontos; no Quadrant ele marcou 23.739 pontos, acima de qualquer um na tabela, que é meio antiga. No Vellamo, que mede a velocidade da navegação em HTML5, porém, sua pontuação foi de 1.609, apenas o décimo mais rápido na lista.

Conheça 4 tocadores de vídeo para Android

Para jogos, rodei Epic Citadel, onde ele fez 56.5 fps em alta performance, 55.6 fps alta qualidade e 50.9 fps em ultra alta qualidade, ótimos números. O mesmo sucesso se repetiu no 3DMark, onde ele marcou 18.617 pontos no Unlimited (abaixo de alguns aparelhos como o Z1 Compact e o Note 3) e zerou os outros dois, Ice Storm e Extreme.

Testei diversos jogos, e ele levou bem todos os títulos em 99,9% do tempo. Sim, em situações de muito movimento na tela, presença de muitos personagens e muita ação, ele apresentou rápidos lags de dois a três segundos, e isso com todos os outros apps fechados. Isso aconteceu nos títulos Real Racing 3 e Regular Show: Ghost Toasters.

Travamentos também aconteceram, embora comigo tenha ocorrido apenas uma vez. Ele estava em carregamento, quando recebi uma ligação. Mesmo após a ligação ter sido desligada (não atendi) ele ficou lá como se ainda a estivesse recebendo. Quando recusei a chamada, ele travou por completo e precisei desligá-lo pelo botão de energia.

Mas, de maneira geral, é um aparelho de ótimos tamanho e tela para qualquer tipo de jogo, fica bem na mão, e os lags foram muito mais uma exceção do que uma regra, e não deve trazer problemas. Qualquer outra tarefa ele tira de letra, como navegação, mensagens instantâneas, fotos, emails e muito mais.

Sistema operacional e usabilidade

Com toda certeza, o que diferencia o S5 dos outros tops de linha é a modificação do sistema Android e as funções extras relacionadas a sensores. A versão é a mais atual possível, a 4.4.2 KitKat, e certamente ele receberá os próximos um ou dois updates.

A interface personalizada da Samsung, chamada TouchWiz, ainda se faz presente com algumas modificações em relação a outros aparelhos, mas ainda mantém sua essência mais lúdica, viva e colorida. Os ícones do sistema ficaram mais chapados em cores e detalhes, lembrando um pouco o novo visual do iOS7 da Apple.

Galaxy S5 roda Android com interface TouchWiz
Stella Dauer
Galaxy S5 roda Android com interface TouchWiz

A princípio, o S5 parece ser fácil de usar. Mas, quando começamos a explorá-lo, percebemos que a Samsung, para permitir o máximo controle do usuário sobre o sistema, incluiu centenas de configurações e ajustes. Isso dificulta a tarefa de configuração e o uso do aparelho. Assim, quem desejar saber todos os recursos do S5 precisará gastar pelo menos uma semana, com muita dedicação. 

Quem quiser se desesperar menos pode acessar o chamado Modo Fácil, em que fica disponível apenas o essencial para o uso do telefone. Ele é ideal para quem não entende direito a tecnologia e precisa usar o aparelho.

O teclado também traz bons recursos, como os atalhos de texto nas teclas numéricas (por exemplo, ao manter apertado o número um, você pode programar para que apareça a frase “te ligo mais tarde”), texto inteligente, substituição automática (de palavras erradas), maiúscula, pontuação e espaçamento automáticos, método de aprendizado de escrita com redes sociais, mensagens e emails, teclado flutuante e também o swype.

Um item útil é a Caixa de Ferramentas, uma bolinha semi transparente que fica acima de todas as coisas na tela e, ao ser tocada, abre uma barra vertical com até cinco aplicativos escolhidos por você, para acesso rápido. Quando você pluga um acessório, abre-se uma faixa na barra de notificações com os apps mais recomendados para o momento.

Temos também o recurso de multi janelas, em que é possível deixar dois apps abertos ao mesmo tempo, um com cada parte da tela, definido por você; e também a barra lateral esquerda, já conhecida no sistema da marca, que quando puxada abre sugestões de apps para serem usados na multi janela.

Ativando o modo de emergência em si, a tela fica em tons de cinza, o uso de aplicativos fica restrito somente aos que são importantes, desliga os dados móveis quando a tela estiver desligada e desativa recursos de conectividade. Aparecem apps como lanterna e alarme sonoro. Com 75% de bateria, o S5 indicava 9.2 dias de carga.

Leitura biométrica de digitais

Não podemos nos esquecer no novo recurso de leitura biométrica presente nesse smart. Não é uma novidade no mercado, uma vez que já existia em notebooks e já foi vista em uso no aparelho Motorola Atrix anos atrás. Também presente no iPhone 5S, o leitor desse smart funciona muito bem.

É preciso estar com o dedo paralelo ao aparelho na vertical, e bem centralizado no botão, mas geralmente você pode ser bem rápido que ele lê corretamente sua digital. Infelizmente, é preciso primeiro apertar um botão físico do aparelho antes de ler a digital, o que o deixa pouco prático.

Você pode cadastrar até três digitais diferentes, suas ou não (aí vai da sua confiança), e também uma senha normal, caso não possa usar a digital. Com esse recurso você destrava o aparelho, aceita coisas em sua conta Samsung e até realiza pagamentos pelo PayPal, de forma bem prática.

Entretanto, notícias na internet já mostram que ele não é totalmente seguro, e que pode ser facilmente burlado com o uso de um molde com a digital impressa. Podendo realizar pagamentos e nunca pedindo senhas no processo. Isso soa perigoso e a falha é similar à do leitor do 5S, que também sofre desse mal.

Aplicativos

Como todo bom smartphone de empresa grande, o S5 vem atolado de apps. Muitos deles são úteis, mas outros podem ser facilmente dispensados. O bom é que alguns desses, como demos de jogos e versões gratuitas com compras internas, podem ser apagados. São ao todo 53 aplicativos instalados. De terceiros a Samsung colocou apenas o Dropbox (que vem com uma promoção que oferece 50 GB de armazenamento por dois anos) e o Flipboard. 

É no pacote oferecido pela empresa em que ficam os destaques. O S Translator é um tradutor de idiomas que traduz onze línguas em até nove idiomas. Não é legal como o da LG, que funciona também com fotos. Outro app bacana é o Leitor óptico, que escaneia documentos, passa pelo OCR e pode ler o conteúdo em voz alta. Mas ele também não é completo como o da Sony, que identifica imagens e até rótulos de vinho.

A utilização do Smart Remote é óbvia e, com ajuda do infravermelho, o S5 funciona com diversos equipamentos, como decodificadores de TV a cabo, TVs, DVDs e Blu-Rays.

O Group Play permite jogar e usar apps com amigos que também tiverem o recurso. Parecido com ele é o Filmadora em Grupo, em que um aparelho hospeda o filme e o usuário “dirige” os vídeo dos amigos. Uma função bem diferente, que poderá ser bem explorada por quem tiver um bom grupo de amigos com S5.

Concorrente da Siri e do Google Now, o S Voice está evoluindo bem, como os outros. Reconhece bem a voz humana, e responde de forma clara. Diferente do Google Now e similar à Siri, ele apresenta as informações direto no aplicativo, em forma de bate papo. Já aceita diversos comandos de voz, mas ainda longe de um sistema realmente inovador.

Câmera

A câmera do S5 é cheia de recursos pesados. Ela conta com sensor widescreen ISOCELL de 16 megapixels 1/2.6” (maior do que o dos Lumia 1050 e 925 e do Xperia Z2), lentes de 1.12 micrômetros. flash de LED, foco automático com detecção de fase (muito mais rápido), foto e vídeo com as duas câmeras de forma simultânea, foto durante o vídeo, geolocalização, HDR para foto e vídeo, estabilização de imagem e de vídeo, foco por toque e detecção de (e disparo por) rosto e sorriso.

Galaxy S5 tem câmera de 16 megapixels
Stella Dauer
Galaxy S5 tem câmera de 16 megapixels

Ela atuou bem em fotos que o fundo precisava ficar desfocado em relação ao motivo frontal, mas o foco só “pega” após 30 centímetros. Capturou imagens com cores bem vivas, e o HDR é essencial nisso, trazendo inclusive mais detalhes. Fotos de motivos distantes, como paisagens e monumentos, trazem ótima qualidade.

São fotos que ficam ligeiramente tremidas, mesmo com a estabilização, mas que captaram bem paisagens e motivos iluminados. Motivos mais escuros ficaram inferiores, mas também deram para o gasto, mesmo com perda e distorção de cor, além da acuidade ter deixado na mão.

O vídeo é gravado em 4K (a 30 fps), uma definição quatro vezes maior do que Full HD (a 60 fps). Já existem TVs no Brasil que reproduzem essa qualidade. A câmera frontal tem 2 megapixel e filma em Full HD. Durante uma conversa de vídeo, as duas podem ser usadas ao mesmo tempo.

A câmera frontal é razoável. Serve bem para conversas em vídeo, mas deixa um pouco a desejar em retratos. Já a filmagem com a câmera traseira mostrou bastante qualidade, tanto em Full HD quando em HD e 4K. O foco é bom e automático, e não houve perda de acuidade, além de cores mantidas. Já dá para dizer que é boa para registrar momentos mais importantes, como eventos em família, viagens, etc.

Em 4K o S5 ele filma apenas cinco minutos por vez, consome bastante bateria (a tela ficou bem quente nesse período, inclusive desligando o app enquanto processava o vídeo). 

Há dois problemas encontrados nessa câmera. Primeiro, o zoom digital é razoável, mas deve ser evitado (porém, esse é um problema de todos os aparelhos, aqui não melhorou muito). Depois, as fotos que fiz de objetos escuros mostram claramente uma mancha avermelhada no centro da foto, e isso aconteceu em tudo. É ruim já vir de fábrica com esse problema, que costuma aparecer em outros aparelhos apenas depois de meses de uso.

Música e mídia

Apesar de não ser considerado um destaque, o som externo desse smart agradou, ainda mais quando em cima de uma superfície. Graças a um alto falante com grade protuberante, ele não fica tampado quando em cima de uma mesa, por exemplo, e a utiliza para reverberar melhor o som.

O som fica melhor quando usamos os fones de ouvido, pois aí os ajustes aumentam muito. É possível escolher entre efeitos de som diferentes, como 7.1 virtual e amplificador à válvula, e realizar ajustes mais específicos como o Adapt Sound, que testa sons de frequências diferentes e reproduz o som mais indicado para seu ouvido (tanto para música como para chamadas). Ainda nos fones, o efeito de 3D faz uma grande diferença quando ativado.

O S5 vem com um ótimo fone de ouvido, branco, com cabo flat e intra auricular. Com certeza não precisará ser substituído quando você ajustá-lo para suas configurações ideais.

Suas funções de mídia também devem ser citadas. Para conectá-lo à uma TVHD, basta adquirir um cabo MHL específico para a marca e você poderá ligar a conexão micro USB do aparelho a uma HDMI da TV. Ou então pode-se utilizar a conexão DLNA ou o recurso Dispositivos Próximos, ambas tecnologias sem fio.

Bateria e armazenamento

Se comparada a muitos de seus concorrentes, uma vantagem que a linha Galaxy S sempre trouxe é o fato de possuir bateria removível e slot para cartão de memória. E isso continua no S5. A bateria, com 2800 mAh, teve bons resultados de duração.

Galaxy S5 permite trocar a bateria
Stella Dauer
Galaxy S5 permite trocar a bateria

Em um dia de bom uso, com duas horas de jogos, muitos downloads, mensagens instantâneas, filmes e músicas, além de checagem de email e navegação, tivemos 40 horas aproximadas de bateria. E isso com o brilho médio e conexões ligadas, tais como WiFi, 3G/4G, Bluetooth (pareado com o Gear Fit), GPS e sensores em funcionamento.

Em stand by, com apenas o WiFi ligado, checagem de emails e ligações, temos mais de dois dias longe da tomada. Com certo esforço, quase três. Em uso intenso, com jogos pesados, filmes e outros, a duração foi de nove horas. Há modos especiais de emergência que estendem esse tempo total em muitos dias.

Para durar mais, há o modo de economia de bateria, que é ativado quando a carga estiver baixa, e também o modo de emergência, já citado acima, que desliga recursos sem importância extrema e deixa a tela em tons de cinza, aumentando consideravelmente o tempo de vida do S5.

No armazenamento, os espaços continuam os mesmos, e por enquanto só há a versão de 16GB aqui no Brasil (no exterior há também uma de 32GB). A diferença é que o sistema e os itens da Samsung ocupam menos desse espaço, e sobra mais para o usuário.

Depois de realizar todas as atualizações possíveis nos apps do aparelho, ainda restavam 10.5GB para uso livre. Está longe do ideal, mas já é melhor do que os 8 GB ou menos do S4. Além disso, você ainda pode inserir um cartão microSD de até 128 GB e deixar seu armazenamento para arquivos pessoais imenso.

O que vem na caixa

A caixa do Galaxy S5 é completa, mas traz exatamente o que encontramos na caixa do S4 e em tantos outros smarts, incluindo os que nem são tão top de linha assim. Além do aparelho temos sua bateria, manual rápido, papéis diversos, carregador de viagem, cabo USB, fones de ouvido intra auriculares com microfone e botões para atender chamada e volume e borrachas para adequar os fones a seu tamanho de orelha.

Senti falta, entretanto, de um cabo USB 3.0. Em algumas versões vendidas no exterior o S5 vem com esse cabo, que deixa transferências de arquivo e carregamento muito mais rápidos. Mesmo assim, você pode comprar um separadamente, caso queira, observando apenas a conexão especial do aparelho e checando se sua máquina possui uma USB 3.0, ou não vai mudar nada.

Concorrentes

Quando vemos um aparelho ser tão alardeado na mídia, logo pensamos em quais são os seus concorrentes diretos, e se ele consegue derrubar todos eles. Aqui no Brasil seus concorrentes diretos são o Apple iPhone 5S, LG G Flex, LG Nexus 5, seu colega Galaxy Note 3 e o Xperia Z2, da Sony, que deve chegar ainda nesse semestre.

Mas e então, ele bate os concorrentes? Processamento top todos eles têm, e rodam tudo o que você precisar, e isso é o mais importante. Depois, o que resta é calcular quais são suas preferências. Recursos com sensores como no S5? Tela grande e curva como no G Flex? A beleza do iOS do 5S?

As funções especiais de desenho do Note 3? A câmera sensacional do Z2? A simplicidade de um Android puro como no Nexus 5? Nenhum consegue reunir tudo ao mesmo tempo, e é por isso que cada empresa foca em funções distintas para cada aparelho, atendendo assim a todos os consumidores.

Vale a troca de um S4 pelo S5?

A pergunta é a mesma que podemos fazer do iPhone 5 para o 5S. Poderosos os dois são, e o S4 ainda roda tudo o que tem no mercado, e está recebendo updates de sistema. Ele também já conta com todos os recursos de gestos e quase todos os de sensores.

Assim, se você gosta de estar em dia com as novidades, o S5 é certamente uma boa. Se você quer um upgrade de câmera, gostou da função de leitura biométrica e do medidor de batimentos cardíacos, aí está.

Em comparação ao S4, o S5 não traz mudanças extremamente significativas. O S5 é mais legal e mais completo do que o S4, mas se você já tem essa geração da linha S da Samsung, é capaz que continue satisfeito com o que já tem.

Já se você não tem nenhum dos dois e quer saber se vale gastar mais no S5, a resposta é esperar mais um pouco. Atualmente, a diferença de preço entre um e outro nas grandes lojas pode ser de R$700. Se você deixar passar dois ou três meses do lançamento do S5, pode encontrar boas promoções, e valerá mais a pena.

Para quem é

É difícil falar das vantagens dele, pois ele tem dezenas delas. O S5 é um smart top top de linha, muito completo e poderoso, deixa praticamente qualquer um satisfeito. O que é preciso calcular é se realmente ele vale o preço pedido no Brasil, que varia, mas tem início em R$ 2600.

Mesmo com tudo o que oferece, seu valor é muito elevado para nosso País, restando saber até que patamar as empresas e os impostos podem chegar. Esse é seu maior impeditivo. Seus poucos contras mais importantes são a carcaça, que pouco mudou em relação ao visual e que continua sendo de plástico, com uma moldura no mínimo estranha.

Ficha técnica

Samsung Galaxy S5 SM-G900M

Preço médio: R$ 2.400 
Configuração: tela de 5.1 polegadas com resolução Full HD (1080 x 1920 pixels), sistema Android 4.4.2 KitKat, processador Qualcomm MSM8974AC Snapdragon 801 quad-core Krait 400 de 2.5GHz, 2GB de RAM, 3G/4G, 16 GB de armazenamento interno (+ entrada para cartão de até 128 GB), câmera traseira de 16 megapixels, câmera frontal de 2 megapixels, Wi-Fi 802.11 a/b/g/n/ac dual band, WiFi hotspot, NFC, WiFi Direct, DLNA, GPS com A-GPS e GLONASS, Bluetooth 4.0, infravermelho, USB.
Dimensões: 14.2 x 7.2 x 0.8 cm
Peso: 145g
Autonomia de bateria: Até 40 horas em stand-by / Até 09 horas em conversação e internet
Itens inclusos: aparelho, guia rápido, carregador de viagem, fones de ouvido, borrachas para os fones e cabo USB.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.