Smartphone da Sony tem também recurso de TV digital

Um dos lançamentos da mais recentes da Sony no Brasil não é um topo de linha, e sim um aparelho intermediário. O Xperia E1 Dual (R$ 550) aposta no público que gosta de música e traz um botão específico para controle do player, além de som externo com volume mais alto do que a média de sua categoria. Outro destaque do aparelho é o recurso de TV digital. Confira mais detalhes sobre o aparelho no teste.

LEIA TAMBÉM:
Veja testes do Galaxy S5 , Moto G , e outros smartphones

A favor:

• Ótimo som externo;
• Design e material bonitos e de qualidade;
• Traz TV digital.

Contra:

• Não é 4G/LTE;
• Não possui câmera frontal;
• Pouco espaço interno.

Design

O E1 Dual não está entre os aparelhos mais elegantes ou discretos do mercado, mas é bonito. O aparelho tem 1,2 centímetro de espessura e 122 gramas. O acabamento é todo em textura fosca, mas sem camada emborrachada. Mas o material plástico fosco do aparelho proporciona boa firmeza ao segurar o aparelho.

LEIA TAMBÉM: Arroz e areia para gatos podem salvar celular "afogado"

Não há arestas agudas na carcaça, mas é possível ver bem os encaixes entre uma peça e outra do aparelho. Não é um acabamento refinado, mas é descolado e jovem. O modelo que recebi é branco, com detalhes pretos em todos os lados, mas há também um modelo todo em preto e um roxo e preto.

Tela

Como o grande foco do E1 é a música, outros itens foram um pouco simplificados para que o preço pudesse ser mantido. A tela é um deles e, embora não seja ruim, não é um destaque. Suas quatro polegadas TFT capacitivas multitoque possuem definição de 480 x 800 pixels, e densidade de 233 ppi.

Xperia E1 Dual tem tela de 4 polegadas
Stella Dauer
Xperia E1 Dual tem tela de 4 polegadas

A tela tem bom brilho, mas suas cores são ligeiramente suaves. Isso não deve ser um problema para o usuário comum. O fator que acaba acaba incomodando mais é a pouca abertura de ângulo de visão, que é prejudicado com qualquer leve inclinação.

A olho nu não é possível ver os pixels na tela e, embora não pareça, ela é coberta por vidro resistente a riscos. Nesse último quesito a tela realmente aguentou bem, mas é um vidro tão flexível que se parece muito com plástico.

Essa tela não possui qualquer proteção lateral por parte da moldura do aparelho. Ela fica projetada para fora do celular, com bordas lapidadas, e por isso fica muito propensa a riscos. Uma película protetora é mais do que recomendada.

Hardware e processamento

O conjunto de hardware é simples, porém não medíocre. Temos um chipset Qualcomm MSM8210 Snapdragon 200 com CPU dual-core Cortex-A7 de 1.2GHz, 512MB de RAM e GPU Adreno 305.

O tropeço maior fica por conta da pouca RAM. Os resultados nos benchmarks impressionaram e, para sua configuração, até que se saiu bem. No AnTuTu ele marcou 12.813 pontos, algo entre o Galaxy S2 e o Nexus 4.

No Geekbench 3 foram 604 pontos, enquanto que no Quadrant sua pontuação de 5.392, maior do que o HTC One X. No Vellamo, que mensura a velocidade de navegação no browser, foram 1.964 pontos, próximo ao Galaxy S4, mas o app não pôde executar algumas tarefas devido à baixa memória, então o resultado pode estar comprometido.

Veja comparativo com seis baterias portáteis de smartphones

Em benchmarks de jogos, ele também ficou bem em sua categoria. No Epic Citadel ele fez 51 fps em alta performance, 50 fps em alta qualidade e 29 fps em ultra alta qualidade. No 3DMark tivemos 4.159 pontos no Ice Storm (próximo ao Xperia M), 3732 pontos no Unlimited (próximo ao LG L9 II) e 2231 pontos no Extreme (próximo ao Galaxy Express).

Os resultados práticos foram conquistados na unha, pois foi preciso desinstalar praticamente todos os apps que eu já tinha instalado, para que coubesse um jogo mais pesado. Ainda assim, ele rodou quase bem o jogo Dead Trigger 2, considerado pesado. Teve tropeços, mas é possível jogar. Apps mais leves rodam sem problemas, não com a maior velocidade do mundo, mas bem de acordo com sua categoria.

O 3G é dual chip, e os dois chips funcionam ao mesmo tempo. Isso significa que você pode estar em uma ligação em um chip, e receber uma ligação do outro chip, simultaneamente. Ele funciona com chips de tamanho normal, tipo SIM.

Sistema operacional e usabilidade

O E1 carrega o Android na versão 4.3, Jelly Bean. Não é a mais atualizada, mas está bem em dia. No exterior, a Sony anunciou o update desse modelo para o KitKat 4.4, mas no Brasil ainda não há data para isso.

Xperia E1 Dual roda versão 4.3 do Android
Stella Dauer
Xperia E1 Dual roda versão 4.3 do Android

A Sony tem aprimorado sua interface personalizada que fica em cima do Android. Mantendo a mesma linha mais séria e sóbria, está sabendo manter as coisas simples, e não tem diversas e diversas funções extras como vemos nos aparelhos da Samsung e LG. O Xperia E1 traz o que é preciso para um smartphone intermediário.

Na tela de bloqueio basta arrastar o dedo para cima ou para baixo para destravar a tela, mas outros arrastos podem levar a widgets especiais ou à câmera. São sete janelas na home para encher de widgets, apps e atalhos. Um movimento em pinça abre uma área para configurar todas elas e escolher temas e papel de parede.

Na área de aplicativos você escolhe a ordem dos apps, seja por classificação pessoal, como também por alfabético, mais usados ou recém instalados. Com os temas você escolhe tela de fundo e também cores que vão acompanhar os predominantes preto e cinza do sistema. Nas configurações, o maior diferencial é a área para configurar os dois chips, podendo escolher nome para cada um, definir funções e toques individuais e também enviar chamadas para o outro chip quando um não estiver disponível.

Nos ajustes você também acessa a conectividade de outros aparelhos por cabo ou WiFi, personalizações, gerenciamento de energia, adiciona contas de serviços como redes sociais. Tive problemas para conectar o sistema às redes sociais mais populares, Facebook e Twitter. No primeiro, ele simplesmente ignorava meu login, e no segundo, dava um problema de segurança.

Aplicativos

No total, são 40 apps nativos no E1. Não é muito, mas com seu diminuto espaço interno, seria bom se não tivesse tanta coisa. O maior número é da Google, que aparece com pacote completo, incluindo suas seis lojas de conteúdo.

Já a Sony trouxe pouca e boa coisa, como Álbum, Backup e recuperação, Filmes, Smart Connect, Sony Select, Suporte Xperia Care, TrackID, Update Center, Walkman. Com o Smart Connect você gerencia o comportamento do aparelho de acordo com hora, acessório plugado e outros. O TrackID ajuda a identificar músicas.

Câmera

Diferente do que costumamos ver em aparelhos da Sony, aqui a câmera não é muito caprichada. Ela possui estabilização de imagem, disparo por detecção de sorriso, foco e captura por toque em qualquer lugar da tela, geolocalização e panorama, mas não conta com flash e seu sensor é de apenas 3.1 megapixels.

Xperia E1 Dual tem câmera de 3,1 megapixels
Stella Dauer
Xperia E1 Dual tem câmera de 3,1 megapixels

Por causa do hardware, não é uma câmera muito rápida, então você pode acabar perdendo alguns momentos instantâneos enquanto a foto é tirada. No resumo, tem potencial e ajustes legais, mas não faz fotos muito boas.

A imagem granula pouco, mas o algoritmo antirruído é tão forte que em algumas ocasiões as fotos ficam parecendo pintura. O zoom digital é bem ruim e não deve ser utilizado. O estabilizador de imagem e os modos de foto para esporte e movimento foram muito eficientes, entretanto.

O melhor uso da câmera fica para paisagens e motivos distantes e bem iluminados. O HDR não faz muita diferença, e quando se liga o estabilizador de imagem, o HDR se desliga e vice-versa. As cores são meio suaves, mas os ajustes de branco ajudam nisso.

Nos ajustes, você pode escolher entre Automático, Efeitos (como olho de peixe, tilt shift, sépia e outros) ou Manual, onde você escolhe entre X cenas diferentes e escolhe também a compensação de brilho e o ajuste de brancos.

Também é possível definir o uso dos botões de volume (zoom, volume ou disparo de foto) e escolher o que fará o início rápido (da tela de bloqueio), se só abre a câmera ou se tira foto instantânea ou começa a gravar. E falando nisso, a qualidade de gravação do vídeo é HD, a 30 fps, razoável.

O E1 conta com dois microfones, um na frente e outro atrás, que podem capturar em estéreo, e ainda possuem sistema de cancelamento de ruído. Ele não traz câmera frontal.

Música e mídia

Aqui temos o grande destaque do aparelho, seu som. Na parte traseira há uma grande saída de áudio que ajuda na qualidade, embora a saída em si (o furo atrás da capa) tenha tamanho normal.

A Sony informa que o som pode chegar a até 100 decibéis, e para comprovar isso, submeti ele a testes com decibelímetro. O resultado foi de 96 decibéis aproximadamente, medido com ruído e não com música. Não é um resultado exato, apenas aproximado.

Xperia E1 Dual tem saída de áudio maior do que a média
Stella Dauer
Xperia E1 Dual tem saída de áudio maior do que a média

Comparei com outro aparelho, o Motorola Moto X, e a diferença não foi muito grande. Ele é alto sim, mas não mais alto do que os outros. O áudio pende um pouco para os agudos, mas é bem claro, amplo e límpido, sem ruídos. Os fones de ouvido que acompanham o produto são convencionais, mas agradaram bastante, com som não tão alto, mas equilibrado e com bom estéreo.

Para ajudar a fixar a ideia de aparelho para música, há um botão dedicado ao Walkman na parte superior do aparelho. Mantê-lo pressionado liga rapidamente o player de música (mesmo com o aparelho em repouso), pausando-o quando pressionado mais uma vez. Se pressionado rapidamente duas vezes, passa para a próxima faixa.

Manter o botão apertado e chacoalhar o E1 leva a uma faixa aleatória entre as disponíveis. O aparelho vem com sistemas ClearAudio+, Clear Phase, S-Force Surround 3D e xLOUD para melhorar o som, mas você também pode acertar tudo sozinho no equalizador. Todos esses recursos funcionaram bem.

INFOGRÁFICO: Veja prós e contras de cada tipo de fone de ouvido

Para vídeos, a tela não é a melhor, mas pode ser utilizada sem problemas se você não é exigente demais. Pelo seu processamento e definição, acaba não conseguindo reproduzir arquivos em Full HD (até passa, mas com tropeços), mas de HD para baixo, roda liso. Não é um display de cores intensas, mas tem qualidade.

Outro diferencial bem legal do E1 é a presença da TV digital. Com a pequena antena embutida na lateral do aparelho, você tem acesso a diversos canais abertos nacionais. Dentro de um ambiente fechado, ele encontrou 15 canais (foram 20 a céu aberto), e ele reproduziu normalmente, mesmo com sinal mínimo.

Você pode conferir a programação dos canais, agendar avisos para acompanhar um programa e curtir TV em uma fila, no carro ou no transporte público. A tela não é grande e nem pequena demais, o que o deixa confortável e discreto. Ele também possui rádio FM.

Bateria e armazenamento

Com 1750 mAh de bateria, a duração da carga foi condizente com os números, apesar de um pouco abaixo do que esperamos para um aparelho Sony com função Stamina para a bateria. Ela se recarrega completamente em duas horas na tomada.

Com uso médio, incluindo downloads, jogos, benchmarks, ligações e navegação na internet, foram 18 horas. Não foi um uso tão pesado assim, e talvez pudesse ter passado de 30 horas. Com esse uso mais intenso, com jogos e filmes, foram 7 horas. Em stand by, quase sem uso, mas com WiFi ligado, pode chegar a 50 horas.

LEIA TAMBÉM: Aplicativos para ajudar a poupar bateria de celulares Android

O pequeno armazenamento é um problema no E1 Dual, pois dos já poucos 4GB que a caixa informa, apenas 1.24 GB estão disponíveis para o usuário. Isso é muito pouco, e você não conseguirá instalar mais do que cinco ou seis apps relativamente grandes, mas poderá instalar diversos menores.

Para piorar, não vem nenhum cartão de memória no conjunto mas, caso você queira carregar mídia como músicas, filmes e arquivos, pode comprar e usar um cartão de até 32GB.

O que vem na caixa

A caixa traz o que qualquer aparelho costuma trazer, mas tudo com boa qualidade. Além do aparelho e sua bateria, temos também um manual rápido com instruções básicas, fones de ouvido convencionais com microfone e botão de atendimento, cabo USB e carregador de viagem.

Para quem é

O E1 não é totalmente centrado em multimídia, e sim em som. Alguns itens chave são seus diferenciais, e devem ser levados em conta para quem procura algo parecido. Ele tem bom som externo e nos fones, suporte a dois chips SIM, TV digital e design bonito.

Só tome cuidado na hora de verificar preços e comprar, pois são três modelos diferentes: um chip, dual chip e dual chip com TV digital, esse que testei. O aparelho não tem a melhor tela, espaço grande, bateria duradoura ou ótimo processamento, mas seus destaques devem encontrar um público específico.

Ficha técnica

Sony Xperia E1 Dual D2114

Preço médio: R$ 550
Configuração: tela de 4 polegadas com resolução de 480 x 800 pixels, sistema Android 4.3 Jelly Bean, processador Qualcomm MSM8210 Snapdragon 200 dual-core Cortex-A7 de 1.2GHz, 512MB de RAM, 3G, 4 GB de armazenzamento interno, câmera de 3,15 megapixels, Wi-Fi 802.11 b/g/n, WiFi hotspot, WiFi Direct, GPS com A-GPS e GLONASS, Bluetooth 4.0. 
Dimensões: 11.8 x 6.2 x 1.2 cm
Peso: 122g
Autonomia de bateria: Até 50 horas em stand-by / Até 18 horas em conversação e internet
Itens inclusos: aparelho, guia rápido, carregador de viagem, fones de ouvido e cabo USB.

CONTINUE LENDO:

Veja 5 dicas para usar melhor o WhatsApp

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.