Tamanho do texto

Aparelho comporta dois chips de operadora e estará a venda a partir desta quarta (14) no site da Motorola e varejistas

Em evento realizado em São Paulo nesta terça-feira (13), a Motorola anunciou seu novo aparelho, o Moto E. O smartphone comporta dois chips de operadora e tem preço de R$ 599 na versão com TV digital.

Essa versão se chama Moto E DTV Colors e também traz duas capas adicionais. Também dual chip, o modelo sem TV digital e sem capas adicionais custa R$ 529. O aparelho estará a venda a partir de amanhã no site da Motorola.

O Moto E tem processador dual core Snapdragon, 1 GB de RAM, 4 GB de armazenamento interno e câmera traseira de 5 MP (megapixels). A tela é de 4,3 polegadas  e tem resolução de 960 x 540. O aparelho tem ainda entrada para cartões de memória microSD

Moto G ganha versão 4G

Outra novidade anunciada no evento foi uma versão com rede 4G do popular Moto G . Ela custara R$ 799 e também começa a ser vendida nesta quarta-feira. A nova versão traz entrada para cartão de memória, recurso ausente da versão convencional.

Veja também:  Qual o melhor smartphone para selfies?

Samsung é alvo de "cutucadas"

Na apresentação do Moto E, Rick Osterloh, CEO global da Motorola, deu diversas "cutucadas" na Samsung, maior fabricante de celulares do mundo e soberana do mundo Android com a linha Galaxy.

Osterloh enfatizou que a Motorola é a mais rápida ao atualizar seus aparelhos para Android e mostrou um slide que comparava o Moto X ao LG G2 e ao Galaxy S5. "Nossos concorrentes demoram até três meses para atualizar o Android. No Moto X, fizemos a atualização para o Android KitKat em menos de 20 dias", disse.

Segundo Osterloh, a Motorola faz suas atualizações rapidamente pois usa uma versão "enxuta" do Android. "Não incluímos software inúteis em nossos aparelhos", afirmou. 

Outro ponto abordado por Osterloh foi a baixa qualidade dos aparelhos básicos com Android. Segundo o executivo, um dos objetivos do Moto E é proporcionar uma boa experiência de uso com preço acessível. "Muitas pessoas ainda têm celulares básicos, e resistem a migrar para um smartphone. É compreensível, pois boa parte dos smartphones mais baratos não fornecem uma boa experiência de uso", disse Osterloh ao mostrar um slide com um modelo básico da Samsung.