Aparelho tem tela de boa qualidade, mas preço não é dos mais competitivos

O Natal se aproxima e os fabricantes de smartphones começam a lançar suas apostas para o fim de ano. No caso da Sony, uma dessas apostas é o Xperia T3 (R$ 1.400), um intermediário que mantém o clássico design da linha Xperia e traz alguns diferenciais interessantes para um smart mediano, como conexão 4G. Confira mais sobre o aparelho no teste abaixo.

LEIA TAMBÉM:
Veja testes do LG G3 , Galaxy K Zoom e outros smartphones

A favor:

- Tela de boa qualidade;
- Design elegante;
- Conexões 4G e NFC.

Contra:

- Muitos apps incluídos são pouco úteis ou excessivamente promocionais;
- Preço superior ao de concorrentes com recursos semelhantes.

Design

O T3 mantém o estilo de design usado no Z2 e em outros smartphones recentes da Sony. O aparelho tem uma traseira reta, em contraste com traseiras ligeiramente abauladas dos aparelhos da Samsung. Os cantos do smartphone são praticamente retos e o formato é mais retangular do que o da maioria dos concorrentes.

O T3 traz ainda outras características da Sony, como o botão liga/desliga em formato redondo e um botão físico para disparar a câmera, muito útil.

Uma diferença importante em relação ao Z2: a traseira do T3 é de material com textura emborrachada, em vez de vidro. O vidro é um material mais caro e sofisticado, mas no Z2 traz problemas como excesso de gordura de digitais na traseira.

Xperia T3 tem traseira fosca
André Cardozo/iG
Xperia T3 tem traseira fosca

Já a traseira do T3 é fosca e praticamente não fica suja com digitais, o que garante mais segurança ao segurar o aparelho. Outra boa qualidade é a armação lateral em alumínio, material pouco comum em smartphones intermediários.

Um dos bons diferenciais do Z2 é o par de alto-falantes na parte frontal, ideais para ver filmes. Já o T3 tem apenas um alto falante, na parte traseira, como a maioria dos smartphones.

Como ocorre com qualquer aparelho com tela de mais de 5 polegadas, é praticamente impossível usar o T3 com uma só mão. O aparelho é grandão e pode não ser o ideal para quem prefere um smart pequeno que caiba facilmente no bolso.

Configuração

O Xperia T3 vem com chip Snapdragon quad core de 1,4 GHz e 1 GB de RAM, configuração que vem se tornando padrão entre modelos intermediários de grandes fabricantes.

Como esperado, nos benchmarks, o T3 obteve desempenho muito similar ao Moto G, intermediário da Motorola com configuração semelhante. Foram 19.817 pontos no AnTuTu, 1.178 no Vellamo HTML5, 1.237 no Vellamo Metal e 831 pontos no Vellamo Multicore. São valores esperados para um smartphone dessa categoria.

O iG também testou o aparelho com os apps mais comuns e alguns games pesados, como Dead Trigger 2. O desempenho do aparelho foi muito bom e não houve lentidão em nenhum momento.

O T3 vem com 8 GB de armazenamento (5 GB livres), valor também padrão em smartphones intermediários, e traz alguns extras interessantes e pouco comuns em aparelhos dessa categoria.

A conexão NFC facilita o pareamento do celular com pulseiras e relógios, entre outras funções. Já o suporte para redes 4G permite usar a internet com alta velocidade em redes compatíveis. O 4G é cada vez mais comum em modelos intermediários, mas muitos aparelhos ainda não trazem esse recurso.

Xperia T3 tem câmera de 8 megapixels
André Cardozo/iG
Xperia T3 tem câmera de 8 megapixels

A Sony é famosa pela qualidade de suas câmeras e no T3 a tradição se mantém.

O aparelho tem câmera traseira de 8 megapixels com gravação de vídeo em Full HD e, nos testes do iG , produziu fotos de ótima qualidade.

O aplicativo da câmera vem com vários dos recursos já conhecidos, como foto panorâmica, disparo contínuo, filtros (mosaico, olho-de-peixe e outros), além do já conhecido Efeito RA, que insere objetos virtuais como dinossauros e fadas em fotos e já é tradição em produtos da Sony.

Tela

Um dos destaques do T3 é sua tela. A resolução HD (1.280 x 720) não chega a ser a ideal para o tamanho de 5,3 polegadas dela, mas o brilho e o contraste são excelentes. E mesmo pode ser dito do ângulo de visão.

Usuários mais exigentes podem reclamar que a tela não seja Full HD (1.920 x 1.080), mas vale observar que essa resolução é comum apenas em aparelhos mais caros, na faixa de R$ 2.000.

Sistema e aplicativos

Ícones com degradê dos apps da Sony contrastam com visual sem relevo dos ícones do Android
Reprodução
Ícones com degradê dos apps da Sony contrastam com visual sem relevo dos ícones do Android


Como a maioria dos celulares lançados recentemente, o Xperia T3 roda Android em sua versão KitKat (4.4.2). A principal diferença do Android da Sony em relação ao Android "puro" fica nos ícones. Os ícones de apps da Sony e alguns outros têm mais relevo e uso de degradês, um contraste com os ícones "chapados" do Android "puro".No fim das contas, esse não é um detalhe que faça diferença no uso diário do aparelho.

Em outras áreas, a Sony fez ligeiras modificações que melhoram o uso do sistema. Um exemplo disso é o indicador de percentual da bateria logo no pequeno ícone do canto superior direito (o Android "puro" não mostra o percentual). A área de atalhos para configurações vem apenas com os itens mais importantes (Wi-Fi, Bluetooth e outros) e pode ser editada.

O ponto que mais incomoda no T3 (e em outros smartphones da Sony) está nos apps incluídos pela empresa. Alguns deles, como o SocialLife, Notícias e Clima, apenas duplicam de forma pobre algumas funções mais bem resolvidas por outros apps.

Outros, como What´s New e Xperia Lounge, são basicamente atalhos para promover filmes e artistas da Sony. É fato que, diferentemente de seus concorrentes, é um conglomerado com atuações fortes também em cinema e música. E é natural que  a Sony promova seus conteúdos como forma de diferenciação. Mas é chato ter que lidar com conteúdo promocional por todo o aparelho, até no app de tocar músicas.

Em outros casos, a ação dos apps é um pouco invasiva. Basta se logar no Facebook para que surja um aviso sobre Xperia no Facebook, com sugestão para curtir a página do produto.

Pior ainda é incluir apps que simplesmente não funcionam. É o caso do Track ID TV. Esse aplicativo é sincronizado com a programação dos canais de TV e mostra informações adicionais sobre o programa que está tela. A ideia é boa, mas o programa não funciona no Brasil. Por que então está no aparelho?

Nesse cenário de apps que variam entre a pouca utilidade e a excessiva promoção de conteúdo, salvam-se o Track ID (que, de forma similar ao Shazam, identifica músicas do ambiente) e o Smart Connect. Este é realmente muito útil e permite automatizar ações a partir da conexão do fone de ouvido ou cabo de energia. É possível, por exemplo, programar o smartphone para iniciar o app de música assim que o fone é conectado.

Bateria

Nos testes do iG , com vídeo em tela cheia, brilho no máximo e Wi-Fi ligado, a bateria do T3 durou 6 horas e meia. É um bom valor, adequado para um aparelho de sua categoria, mas longe das cerca de 10 horas que aparelhos de ponta chegam a obter neste tipo de teste. Em um teste do mundo real, com uso moderado de navegação, apps e jogos, a bateria durou mais de um dia.

Conclusão

Com preço de R$ 1.400, o T3 é uma boa opção para quem quer um intermediário um pouco acima da média com conexão 4G. Mas o preço não é tão atrativo para quem não precisa do 4G. O novo Moto G, por exemplo, não tem 4G, mas tem tela HD e configuração semelhante de processador/memória por R$ 700. Há ainda opções mais interessantes em celulares mais antigos, mas ainda poderosos. O LG G2, com configuração bem superior e 4G, custa cerca de R$ 1.300.

Ficha técnica

Sony Xperia T3

Preço: R$ 1.400
Configuração: processador SnapDragon quad core 1,4 GHz, 1 GB de RAM, 8 GB de armazenamento (5 GB livres) + entrada para cartão de até 32 GB, Android KitKat 4.4.2, tela de 5,3 polegadas com resolução HD (1.280 x 720), tecnologia IPS e densidade de 320 dpi, câmera traseira de 8 MP com flash LED, câmera frontal de 1,1 MP, Wi-Fi b/g/n, Bluetooth 4.0, NFC, 3G/4G, bateria de 2.500 mAh.
Dimensões (cm): 15 x 7,6 x 0,7
Peso (g): 148

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.