Outro ponto forte do smartphone da Huawei é a bela e funcional interface que roda em cima do Android

Depois das norte-americanas e das sul-coreanas, chegou a vez das fabricantes chinesas. Em recente passagem pela Brasil, Chris Anderson, ex-editor da revista “Wired” disse que não existe mais nada que os chineses não saibam fazer em termos de tecnologia. O conhecimento acumulado durante antes de produção para terceiros se transformou em um diferencial competitivo no disputado mercado de smartphones. Não por acaso a Huawei (se pronuncia ua-uei) é responsável por um dos mais interessantes intermediários no Brasil, o Ascend P7.

VÍDEO:  Ascend P7, da Huawei, é Android intermediário com cara de top

Um dos destaques do aparelho é, sem dúvida alguma, a câmera frontal de oito megapixels. De modo geral, todo o hardware é bom, sem configurações enganosas, exatamente o que se espera de um aparelho intermediário na casa dos 1 mil reais. Porém, o que mais surpreende no Ascend P7 é a sua interface. Diante do sucesso da Motorola com o Android puro, fica até difícil dizer que as modificações no Android são melhores do que a versão original do sistema. Entretanto, podemos afirmar que a interface Emotion 2.3 UI da Huawei é uma das adaptações mais bonitas e funcionais que já vimos.

A favor:

- Câmera frontal de oito megapixels;
- Conectividade 4G;
- Interface agradável para Android.

Contra:

- Corpo protegido por vidro, material delicado;
- Preço acima dos concorrentes diretos;
- Bateria não removível.

Design

Sofisticação é uma palavra que se aplica ao Ascend P7. A versão testada pelo iG veio na cor branca e ajuda a dar essa impressão. Em termos de design, o aparelho lembra bastante a linha Xperia Z da Sony, mas com a borda inferior arredonda. Tanto a traseira quando a parte frontal do aparelho são feitas de vidro, mais especificamente de Gorilla Glass 3, o que garante resistência ao aparelho.

Em seu site, aliás, a Huawei explica que o vidro traseiro do Ascend P7 foi feito com um tratamento de superfície de sete camadas e um processo que aumenta a transparência. No entanto, isso não impede que trinque após uma queda mais busca.

Na lateral, uma fita de metal fosco é o detalhe de personalidade que faltava.  Outra característica interessante do Ascend P7 é a discrição. Tanto a porta para o cartão SIM quanto para o micro SD que expande a memória são internas e precisam de uma chave específica – que vem na caixa – para serem acessadas.

O botão de liga e desliga que também bloqueia o aparelho é pequeno e redondo e fica logo abaixo do botão que regula o volume, ambos rentes à lateral do smartphone. A lateral esquerda é totalmente lisa. Na parte superior está a entrada para o fone de ouvido e um pequeno ponto que esconde um microfone para redução de ruído.  Na parte de baixo, estão a entrada para o cabo micro USB e o microfone.

Mesmo o hardware aparente é discreto. Logo antes do início da tela de cinco polegadas está, bem no centro, um dos alto falantes, o sensor de luz e a câmera frontal de oito megapixels. Na traseira, além do logotipo da empresa em prata, está a câmera traseira de 13 megapixels na parte superior esquerda, junto do flash LED. Do mesmo lado esquerdo, só que parte inferior da traseira, encontramos o segundo alto falante. E se não bastasse toda essa construção bem alinhada, o aparelho é leve, pesa apenas 124 gramas, e fino: são 139.8 mm de altura, 68.8 mm de largura e apenas 6.5 mm de espessura.

Detalhe da caixa do Ascend P7
Emily Canto Nunes/iG São Paulo
Detalhe da caixa do Ascend P7

A caixa é quase um item a parte: elegante, ela traz além dos acessórios básicos uma chave para abrir as portas do chip e do cartão micro SD e duas etiquetas NFC para o usuário colocar onde quiser. Todas as peças vêm distribuídas em outras duas caixas, muito organizado.

Configuração

As especificações de hardware do Ascend P7 estão bem de acordo com o que se espera de um aparelho intermediário. O processador é um quad core próprio da Huawei, o HiSilicon Kirin 910 Cortex-A9 de 1.8 GHz Quad Core e CPU Mali-450.

Nos testes de desempenho feito pelo iG com ajuda de aplicativos específicos, o Ascend P7 ficou acima de aparelhos importantes. No AnTutu obteve 28041 pontos, acima do Asus ZenFone 5, considerado  um modelo entre a categoria de entrada e intermediaria, e bem próximo do LG G3, top de linha da sul-coreana.

No Quadrant Standard, o Ascend P7 ficou com 7198 pontos, número próximo ao do Moto G 2014, também um aparelho intermediário. No teste do navegador feito com ajuda do Vellamo HTML 5, o aparelho ficou com 1837, próximo do seu concorrente direto Galaxy Gran Prime, da Samsung.

Já no teste chamado Metal, o smartphone ficou com 960 pontos, acima do Gran Prime e acima do Moto G 2014. No Vellamo Multicoe a pontuação foi de 1258, abaixo do Z3 Compact da Sony, que é um aparelho top de linha, e do Moto G 2014, mas acima do ZenFone 5 da Asus. O aparelho também rodou bem jogos mais pesados, por vezes esquentando a traseira, mas nada que possa ser considerado fora do normal.

O aparelho tem ainda 16 GB de armazenamento, valor compatível com sua faixa de preço. Além disso, o aparelho tem espaço para cartão micro SD de até 32 GB, que expande a memória.

A memória RAM também cumpre com as expectativas: são 2 GB. O mesmo acontece com a conectividade. O aparelho tem Wi-Fi 802.11b/g/n, Bluetooth 4.0 com BLE e compatibilidade com NFC. 

Tela

Com cinco polegadas, o Ascend P7 traz uma excelente tela IPS LCD. Full HD, o display tem 1.920 x 1.080 pixel, 445 ppi de densidade, 16 milhões de cores e proteção Corning Gorilla Glass 3. Além da nitidez e do brilho, a tela entrega para o usuário cores bem definidas e um branco mais inclinado para o sépia, mais indicado para a leitura.

Interface Emotion 2.3 UI, aplicada em cima do Android 4.4.2, é bonita, personalizável e com aplicativos realmente úteis
Divulgação
Interface Emotion 2.3 UI, aplicada em cima do Android 4.4.2, é bonita, personalizável e com aplicativos realmente úteis

Sistemas e aplicativos

O Ascend P7 da Huawei roda a versão 4.4.2 codinome KitKat e uma interface modificada do sistema operacional do Google que é realmente bem-vinda. Por aqui, o Android puro é uma das preferências, mas é preciso dizer que a Emotion UI 2.3 é muito simpática e que oferece recursos de personalização interessantes.

Logo de início percebemos que a Huawei quis dar aos seus aparelhos um toque pessoal, sem ultrapassar os limites do bom senso como outras empresas do setor.

De fábrica, o smartphone vem com pouquíssimo widgets ou atalhos de aplicativo na tela inicial. Um recurso bem bacana é poder mudar a transição entre as telas: as minhas, por exemplo, iam de uma para a outra imitando o movimento de um moinho. Os ícones são modificados, bem diferentes dos originais do Android, mas são bonitos e representativos.

Além disso, eles se alteram conforme o tema escolhido. Se o tema for mais sisudo, como o Gentleman, os ícones ficam mais sério, com o gerenciador de arquivos imitando uma pasta cinza, por exemplo. Se for mais divertido, como o Shangrilla, o ícone desse mesmo aplicativo se transforma em uma pasta amarela, com folhinhas dentro. São mudanças que parecem bobas, mas que podem realmente ajudar o usuário a deixar o aparelho com a sua cara. E não com a cara da fabricante.

O menu de acesso rápido na parte superior da tela desce como uma cortina em cima do que estiver na tela. De fábrica, ele vem com atalhos demais expostos, mas é editável. Alguns bons recursos também estão lá, como o de captura de tela. Em geral capturar uma tela em um aparelho Android é sempre uma incógnita, pois muda de versão para versão ou mesmo de fabricante para fabricante. Um atalho para essa funcionalidade, e várias outras, resolve tudo.

Os poucos aplicativos próprios também são bastante úteis, de modo geral, ajudam a gerenciar o aparelho, seus recursos de bateria e memória. Um deles, por exemplo, faz as vezes de espelho, e mostra o rosto do usuário dentro de uma moldura com a ajuda da câmera frontal.

Bateria

Com 2.500 mAh, a bateria do Ascend P7 está na média do mercado. Nos testes intensivo do iG, feito com Wi-Fi ligado e brilho máximo, a bateria durou seis horas, um valor mediano. Como já dito anteriormente, o aparelho é um dos mais finos do mercado, com uma traseira de vidro, logo, a bateria é embutida. Para fãs de bateria removível, é um ponto que depõe contra.

Emily do lado direito da imagem recebeu tratamento de beleza da câmera e parece um boneco de cera. A original estava cansada
Reprodução
Emily do lado direito da imagem recebeu tratamento de beleza da câmera e parece um boneco de cera. A original estava cansada

Câmera

A câmera é certamente um diferencial importante do Ascend P7. Primeiro porque o aparelho traz uma câmera frontal de 8 megapixels, especificação rara no mercado, mesmo com os recentes lançamentos de equipamentos ditos para selfies, que têm câmera de cinco megapixels. Com uma abertura de f.2, Flash de LED e 13 megapixels, a câmera traseira faz fotos de excelente qualidade, cores bem próximas das reais e imagens bem iluminadas.

O software de câmera do Ascend P7 tem vários modos de configuração, como selfie panorâmica e o mais engraçado modo beleza que eu já vi. De fato, o programa cumpre o que promete e deixa qualquer um sem olheiras ou imperfeições, mas com uma cara de boneco de cera que nem dá vontade de postar a foto modificada no Instagram.

Conclusão

Para uma marca que não é tão assídua na agenda de lançamento do ano, a Huawei acertou em cheio com o Ascend P7. O aparelho intermediário tem grandes chances de conquistar o usuário que está migrando de um Android de entrada para um de melhor desempenho e com um bom custo-benefício. E, mais do que isso, a fabricante chinesa provou que aprendeu com os mestres e que é capaz não apenas de fazer um ótimo hardware, mas de entender as necessidades de softwares de seus clientes em potencial e de surpreender com a maior câmera para selfie do mercado.

Ficha Técnica

Huawei Ascend P7

Preço médio: R$ 1.300

Configuração: Tela de 5 polegadas com resolução Full HD (1.920 x 1.080 pixels), 445 ppi de densidade, 16 milhões de cores e proteção Corning Gorilla Glass 3, sistema Android 4.4.2 KitKat com interface Emotion UI 2.3, processador HiSilicon Kirin 910 Cortex-A9 de 1.8 GHz Quad Core, 2 GB de RAM, 16 GB de armazenamento interno e entrada para cartão de até 32 GB, câmera frontal de 8 megapixels, câmera traseira de 13 megapixels, conexão 4G, Wi-Fi 802.11 b/g/n, Bluetooth 4.0 com BLE, NFC, entrada Micro USB e entrada para fone de ouvido de 3.5mm.
Dimensões (cm): 13,9 x 6,8 x 0,65 mm
Peso: 124 gramas
Bateria: 2.500 mAh
Itens inclusos na caixa: um aparelho celular, um fone de ouvido, um carregador, um cabo USB, um manual do usuário, um folheto de informações de segurança, uma ferramenta de ejeção de cartão, duas etiqueta NFC.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.