Aparelho tem corpo protegido por Kevlar e tela de vidro ultrarresistente

A marca Razr já foi responsável por muitos dólares nos cofres da Motorola. Lançado em meados de 2004, o primeiro celular com a marca Razr se diferenciava por ser ultrafino e ter acabamento de alumínio. Esses atrativos fizeram com que os celulares dessa linha se tornassem sinônimos de “cool” por alguns anos, na era “pré-iPhone” dos celulares.

LEIA TAMBÉM:
Como escolher um smartphone
10 dicas para usar o smartphone com segurança
Especial: vírus em smartphones

A Motorola resolveu agora ressuscitar a marca Razr, criando um smartphone elegante e sofisticado com sistema Android. De modo geral, a ideia deu certo. O novo Motorola Razr é um aparelho de primeiríssima qualidade, tanto em termos de design quanto em desempenho. Com preço sugerido de R$ 1.999, o Razr está na faixa de smartphones sofisticados e compete com Galaxy S II , Xperia Play , Optimus 3D , iPhone 4S e Milestone 3 , entre outros aparelhos

O aparelho

A Motorola caprichou no corpo do Razr. O aparelho tem carcaça de alumínio, traseira protegida com Kevlar, tela criada com Gorilla Glass (tipo de vidro ultrarresistente também usado em aparelhos da Apple) e é incrivelmente fino (apenas 7,1 milímetros). Traz ainda uma câmera de 8 megapixels com flash LED e uma câmera frontal de 1,3 megapixel para vídeo conferência.

Corpo fino é um dos atrativos do Razr
Reuters
Corpo fino é um dos atrativos do Razr
O tamanho da tela (de 4,3 polegadas) é, ao mesmo tempo, um grande atrativo e um potencial ponto fraco do aparelho. Pelo lado positivo, o tamanho acima da média facilita muito tarefas como digitação de mensagens e navegação na web. Com tecnologia Super Amoled, a tela do Razr também se sai bem ao exibir vídeos.

O lado negativo é que quem tem mãos pequenas pode ter dificuldade em navegar pelos recursos do aparelho com apenas uma mão, usando o polegar.

É um detalhe que pode soar insignificante para alguns, mas deve ser levando em conta por quem usa muito o smartphone de pé, em transporte público ou em outras situações cotidianas. Por isso, quem estiver pensando em comprar o aparelho deve preferencialmente testá-lo em uma loja.

Software

O aparelho vem com a versão 2.3.5 do Android, mas uma atualização para a versão 4.0 (Ice Cream Sandwich) está prometida para o começo do ano que vem.

Na versão embarcada, o aparelho não traz muitas diferenças em relação ao outros smartphones com Android. De modo geral, a navegação entre os aplicativos é rápida e os “engasgos” são raros.

Um recurso bacana desenvolvido pela Motorola é o Smart Actions, aplicativo que permite criar ações para cada situação de uso do aparelho. É possível por exemplo, criar uma Smart Action para deixar o aparelho em modo vibratório automaticamente ao se chegar ao trabalho (o aparelho usa redes Wi-Fi para saber onde o usuário está e ativar as ações). Outra ação já embutida aciona o modo de economia da bateria durante a noite.

Aparelho roda versão Gingerbread do Android
Reuters
Aparelho roda versão Gingerbread do Android
Quem está sempre “estourando” a franquia de dados 3G pode contar com um prático aplicativo que mostra o consumo de banda. Outro aplicativo, já conhecido de outros smartphones da Motorola, reúne informações de Google, Facebook, Twitter e outras redes em um só lugar.

Conclusão

A excelente qualidade de hardware e o preço na casa dos R$ 2.000 deixam o Razr entre os aparelhos mais sofisticados atualmente no mercado. É uma opção interessante para quem quer um smartphone estiloso, rápido e leve.



Ficha técnica

Aparelho: Motorola Razr
Fabricante: Motorola
Configuração: processador de 1,2 GHz e dois núcleos, 1 GB de RAM, Android 2.3.5 (Gingerbread), câmeras de 8 MP e 1,3 MP, 3G, Wi-Fi, GPS, Bluetooth, saída microHDMI e microUSB, entrada para cartões microSD
Pontos fortes: design ultrafino e materiais de primeira qualidade, recurso Smart Actions
Ponto fraco: tamanho da tela pode ser desconfortável para usuários com mãos pequenas
Preço: R$ 1.999

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.